Angela Natel On quarta-feira, 24 de agosto de 2011 At 06:03
Crentes chineses querem honrar seu Messias.


História: Nos anos 40, Deus falou a diversos crentes
chineses sobre espalhar o Evangelho a partir da
província ocidental de Xinjiang e através dos países
muçulmanos no caminho até Jerusalém. Eles se autoproclamaram a “Banda Gospel Pregue em Todo Lugar”, missionários orientais os chamaram de “Banda
Evangelística de Volta a Jerusalém”. Algumas das raízes
espirituais deste movimento podem ter se originado
nos anos 20, com o grupo “Família de Jesus” que enfocava os vilarejos e pregava o Evangelho. Eles se comprometeram ao “sacrifício, abandono, pobreza, sofrimento e morte” para o bem do Evangelho. A prioridade do movimento “De Volta a Jerusalem” era alcançar as
seguintes províncias chinesas: Xinjiang, Mongolia Interior, Tibete, Sichuan, Qinghai, Gansu e Ningxia na China Central, do Norte e ocidental. Outras áreas-alvo
eram os países fronteiriços na Ásia: Afeganistão, Irã,
Arabia, Iraque, Síria, Turquia e Palestina. Ao alcançar
estas regiões, eles queriam estabelecer novos grupos de
convertidos enquanto pastoreando e revivendo esforços
que já existisse. Eles decidiram confiar completamente
em Deus por finanças em todas suas empreitadas. O
movimento se moveu para a China Oriental nos anos
50 e sofreu grande perseguição e boa parte dos crentes
foram presos. Simão Zhao, um dos primeiros líderes
ficou preso por 31 anos. Ele foi preso quando jovem
e foi libertado para uma China bem diferente como
um senhor de cabelo grisalho sem amigos. As notícias
da libertação de Zhao se espalharam, mas apenas 6
anos depois, líderes das igrejas começaam a buscá-lo.
Inicialmente, Zhao não compartilhava desta visão do
ministério “De Volta a Jerusalém” com os outros. Ao
invés disso, ele buscava encorajar a liderança cristã e
orava. Apenas nos anos 90 que Zhao começou a compartilhar sua visão com um grupo de cristãos chineses
para inspirá-lo a seguir adiante com a visão que Deus
lhe deu há 50 anos. Ele faleceu em 2001 após mais 15
anos de ministério. Durante seu tempo, muitos cristãos
compartilharam a carga de reviver o movimento “De
Volta a Jerusalem”.
Hoje, muitos cristãos chineses têm a visão de alcan-
çar a China ocidental e as nações muçulmanas até
Jerusalém. Eles creem que nos últimos dias antes da
volta de Cristo, é o dever da igreja chinesa levar o Evangelho de volta a Jerusaém para poderem completar o circuito do Evangelho que foi-lhes trazido originalmente do Ocidente.
“Centenas de famílias chinesas desejam se mudar
para as regiões não alcançadas da China” – afirmou um líder de uma igreja caseira. Alguns líderes esperam enviar milhares de missionários itinerantes
para alcanças os povos não-Han da China e plantar
novas congregações. Alcançe internacional é algo novo
na China, alguns crentes estão orando sobre seu papel
no alcance às. Nações muçulmanas, hindus e budistas
com as Boas Novas do Reino.


Idéias para Oração:

Adore ao Senhor. Proclame as verdades de Isaías 66:18-
23 em oração. Que Deus abra portas par que muitos
chineses proclamem sua glória entre as nações.
Alguns crentes chineses já fizeram esforços corajosas
para proclamar sua fé transculturalmente, mas os
resultados nem sempre foram positivos. Há uma grande
necessidade por treinamento transcultural eficaz e em
profundidade para aqueles que querem levar o Evangelho
aos outros povos. O treinamento é a maior prioridade.
Somente zelo não é o suficiente.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.