Angela Natel On sexta-feira, 26 de agosto de 2011 At 08:08
Enfoque de oração de Sexta


Hoje à noite em mesquitas por todo o mundo
muçulmano, milhões de pessoas estarão orando
pedindo a ajuda de Deus. A “Noite de Poder” é especial.
Os muçulmanos acreditam que Maomé recebeu o Alcorão durante a última parde do Ramadã. A Noite de Poder comemora este evento. Os muçulmanos farão
diversas atividades religiosas durante esta noite, mas
muitos fazem pedidos especiais a Deus. Alguns irão se
levantar cedo para fazerem seus pedidos, outros passam a noite em oração. Eles são encorajados a pedir a Alá com sinceridade e convicção por qualquer coisa e
por tudo o que precisam e for permitido pela religião.
Sem dúvida, algumas pessoas pelo mundo estarão
procurando a ajuda de Deus por questões de emprego,
casamento, fertilidade e outras coisas. No entanto,
muçulmanos pelo mundo precisam de ajuda com seus
parentes deficientes físicos. Muitos dos casos mais dificeis entre os jovens e velhos acabam sendo rejeitados, escondidos, abandonados e abusados. Seu estigma social é grande porque são considerados “amaldiçoados por Deus”. As famílias frequentemente os escondem,
amarram os que têm problemas mentais em quartos
do fundo ou os enviam para instituições do governo.
Muitas instituições estão superlotadas e inaptas a cuidas apropriadamente dos necessitados. Num certo local da Turquia, há uma lista de espera de 3 mil indivíduos.
Pais ou parentes que não sabem ou não querem saber
como cuidar de seus filhos deficientes acreditam que o
governo fará um trabalho melhor.
O resultado é uma morte lenta e cheia de dor ou superlotação em condições similares a prisões. Podemos orar por uma verdadeira “Noite de Poder” na vida de
muitos que sofrem com a dor e a rejeição causadas por
deficiencias físicas e doenças.
Testemunho: Murat na Turquia foi um filho abandonado por seu pai na porta de um orfanato como um jovem garoto com paralisia cerebral. Eu o conheci
quinze anos mais tarde, vivendo num berço de metal
pequeno demais para ele numa ala para crianças com
debilidades físicas e mentais. Depois de descobrir que
ele podia falar e não tinha debilidade mental, lhe falei que Deus o amava e ouvi, em choque sua resposta:
“Não, ele não me ama. O fato que sou deficiente significa que Deus definitivamente não me ama.” Ele me deixou orar por ele naquele dia. Uma semana após
quando o visitei, encontrei um jovem transformado. O
Senhor Jesus apareceu a ele e lhe disse que lhe amava.
Murat estava sorrindo de orelha a orelha. “Eu sei que
Deus me ama!” – riu com alegria, enquanto eu chorava com profunda gratidão pela mensagem do Reino.


Idéias para Oração:

Podemos certamente orar por pessoas em muitas nações
hoje. Que Deus te guie. Muitos buscam ao Senhor por
toda a noite.
Aqui temos um pedido específico: 1/6 da população Turca,
73 Milhões sofrem com doenças ou deficiências. (Mt.
15:30; Mc 1:34; 3:10)
Ore pelos maravilhosos crentes turcos que estão
alcançando as pessoas com necessidades especiais. Que
eles sejam fortalecidos e liderados pelo Espirito aos que
estão preparados.
Ore por uma mudança social em relação aos
deficientes físicos e mentais. Que muitos não sejam
abandonados pela pobreza ou atitudes de pária social
de alguns.
Ore por uma nova política governamental na Turquia,
que abra as portas a voluntários para trabalharem nestas
instituições controladas pelo Estado.
Ore por um aumento de mídias comunicando as Boas
Novas ao deficientes.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.