Angela Natel On sábado, 27 de agosto de 2011 At 06:10
O termo “Ásia Central”, frequentemente remete
às cinco antigas repúblicas Soviétidas do Kazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e
Turcomenistão. No entanto, algumas vezes, as fronteiras da região chamada de Ásia Central podem ser esticadas para incluir países como o Azerbajão, Afeganistão, Irã e a região Autônoma de Xinjiang no Noroeste da China. A antiga Estrada da Seda, famosa rota de
comércio que Marco Polo e muitos outros viajaram,
atravessa a região de Xian, China até Istanbul, na
Turquia. Apesar da região ser separada por fronteiras
nacionais, a maior parte dos grupos étnicos são turcos, com idiomas e culturas similares. Por exemplo, os Uighurs (Noroeste da China), Kazaques, Uzbeques,
Quirgues, Turcomenos, Azeri e Turcos, todos falam idiomas com base no turco. No entanto, o idioma Tajique é baseado no Persa e similar a idiomas falados no Irã
e no Afeganistão.
Após a queda da Cortina de Ferro, uma grande porta
de abriu para o Evangelho na região. Em 1990 haviam
menos de 2mil crentes entre os povos predominantemente muçulmanos da região. Atualmente, estima-se que há mais de 80 mil! Muitas congregações foram
plantadas, pastores e líderes se levantaram. Estas assembléias agora estão enviando seus próprios missionários para outras nações como a China, Turquia,
Mongólia, Afeganistão e Irã. A incrivel história do que
aconteceu durante os quinze anos após 1990 é uma das
maiores histórias de nosso tempo.
Ainda assim, a janela de liberdade ao Evangelho na
região foi pouco vivida. O Turcomenistão foi o primeiro
país a expulsar “trabalhadores” estrangeiros ao final
dos anos 90, seguido pelo Uzbequistão. O registro
de igrejas se tornou difícil, ou impossível de se obter.
Outras restrições se tornaram lei no Tadjiquistão e
no Quirguistão. Até o Kazaquistão, conhecido como
o mais aberto de todos os países da região está elaborando uma lei para 2011 que impõe muitas restrições sobre os crentes. Os seguidores de Jesus em muitas
áreas agora sofrem o risco de prisões, interrogatórios e
multas quando se reúnem. Pastores foram falsamente
acusados e sentenciados à prisão, de algumas semanas
até muitos anos.


Idéias para Oração:

Ore pelos crentes na Ásia Central de acordo com
Atos 4:29-30, “Agora, pois, ó Senhor, olha para as suas
ameaças, e concede aos teus servos que falem com toda
a ousadia a tua palavra; Enquanto estendes a tua mão
para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo
nome de teu santo Filho Jesus.”


A história mostra que perseguição e restrições sobre
crentes não podem deter o Evangelho de progredir.
Algumas vezes, restrições, prisões e mártires acabaram
por incitar ainda mais o avivamento.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.