Angela Natel On sábado, 20 de agosto de 2011 At 08:55
A Malasia é uma monarquia federal constitucional com
um sistema parlamentar de governo. O país é separado
pelo Mar do Sul da China em duas partes, a Malasia Peninsular e o Borneo Malaio. Localizado no coraçào do sudeste
asiático, o país é cercado por outroa países: Tailandia, Indonésia, Singapura, Filipinas, Vietnã e Brunei. A sua capital é Kuala Lumpur.
A religião oficial do país é o Islã. No entanto, a liberdade
de religião também é garantida pela constituição. Dos 28
milhões de malasianos (malaios, chineses e outras etnias),
60,4% são muçulmanos. Os malaios (maior etnia) são geralmente muçulmanos. Há também muçulmanos indianos e um pequeno número de chineses muçulmanos convertidos. Apesar do anterior e do atual Primeiros Ministros
terem feito a proclamação de que a Malasia é uma nação
islâmica, certos segmentos da população resistiram a este
status, apontando à constituição secular da nação.
O proselitismo com os muçulmanos é proibido por
lei e a conversão do Islã para outra religião também é proibido.
Crentes que têm um passado muçulmano são
poucos. Muitos adoram em igrejas caseiras e
mantém suas roupas islâmicas para evitar serem
detectados e evitar perseguição. Em muitos casos,
eles descobriram o Messias através de um encontro
divino. Apesar de serem poucos em números, são
corajosos em seu testemunho e fé.


Idéias para Oração:

Ore para que os crentes abram seus coraçòes para seus vizinhos muçulmanos e para
serem uma benção para eles de formas práticas e concretas.
Ore por mais encontros divinos que ocorram entre os malaios (veja Atos 10:17-48).
Ore para que os crentes sejam corajosos enquanto extendem a mão da comunhão e
ajuda às pessoas novas (pode ser arriscado).



Martirizada na Arábia Saudita.

Em Agosto de 2008, um clérigo muçulmano
e membro a Comissão da Arábia Saudita
de Promoção de Virtude e Prevenção de Vícios,
matou sua irmã de 26 anos, Fatima Al-Mutairi.
Ela proclamou sua fé à sua familia, na Província Leste da Arábia Saudita. O relato do contato
da organização Voice of the Martyrs, afirma que
a comunhão dela com outros crentes era limitada a foruns na internet e ligações por telefone.
“Como parte de seu testemunho à família, ela
proclamou o caminho de Cristo da mais pura e
santa forma de todas. Após compartilhar com sua
família, ela encontrou seu irmão em seu quarto,
com seu laptop aberto em sua frente” – relata o
contato. “Seu laptop continha anotações sobre
sua jornada espiritual, que ele estava procurando
para poder ter maiores evidências contra ela.
Seu irmão tranco-a no quarto por quatro horas,
durante as quais ela escreveu sua carta final na
Internet. Fátima foi morta logo após,” – afirma o
contato da VOM.
Esta história é do website da Voice os the Martyrs.
Você pode encontrrar muitos outros testemunhos
de crentes em sofrimento no site da VOM:

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.