Angela Natel On terça-feira, 16 de agosto de 2011 At 06:45
Este artigo foi escrito antes da revolução contra Muammar Qaddaf


Rashid senta-se olhando para o Mar Mediterrâneo.
Atrás dele está o Deserto do Sahara. Seus cinco filhos brincam enquanto sua esposa prepara um churrasco.. Ele está preocupado. Ele normalmente gosta de
churrascos no clima quente de primavera, de conversar
com amigos, beber chá de menta e relaxar depois de
uma semana dura. Esta semana foi especialmente
difícil: uma nova lei requer que negócios como o dele
se registrem, o que significa horas em filas e Rashid
não está certo se ele entendeu a lei corretamente. Métodos progressistas são novos no país, aonde a corrupção e o favoritismo frequentemente desviaram a riqueza do
petróleo das mãos do povo. Uma viagem a treinamento
à Europa chocou Rashid – os prédios e estradas, de fato
tudo parecia que eram constantemente consertados,
não abandonados para o acaso como em seu país.
Mas nada disso causa preocupação a Rashid. O ambiente físico não é importante – o que Alá quiser irá acontecer de qualquer foram. Rashid sabe que seu
nome significa Guiado Justamente. Ele tem orgulho
ao pensar de si mesmo como alguém que está no
caminho correto. É claro, ninguém pode ter certeza
com Alá, mas Rashid está confiante que está fazendo
tudo o que Alá quer: ele ora, jejua, paga imposto e em
toda oportunidade declara sua fé
em Alá. Em um ano ou dois ele
deve conseguir pagar para ir a
Mecca. Mas conforme ele pensa
em sua viagem à Europa, e especialmente num de seus professores, toda sua certeza
se desfaz. O professor não viveu como Rashid esperava,
ele contou-lhe numa de suas conversas regadas a chá
que ele acreditava que Deus não estava primariamente
interessado no que ele fez, mas em nossa aceitação do
que Ele fez através do Messias! Ele parecia estar certo
que viveria com Deus quando morresse! Como isso seria possível? Ele sugeriu a Rashid que assistisse a um canal de TV árabe. Por educação, Rashid anotara os detalhes. Agora, ele não podia parar de pensar sobre isso,
e finalmente, à noite, quando ninguém podia vê-lo, ele
encontrou o canal e o assistiu por alguns minutos, com
medo de ser descoberto.
Agora Rashid tem um problema maior. A mensagem o
atrai. Ele sempre pensou desde criança que os cristãos
acreditam em três deuses, que o livro original de Jesus,
Moisés e Davi foram perdidos ou modificados pelos judeus e cristàos. Como é que esta mensagem, que eles obviamente tiraram do livro, ser a verdade de Deus?


Idéias para Oração:
Pelo governo – que a riquesa seja distribuída igualmente
e que o país seja melhor administrado (Êx 23:8; Dt. 16:19)
Pelos viajantes da Libia, para que encontrem verdadeiros
cristãos que testemunhem de sua fé. (At 8:26-39)
Para que mais crentes consigam empregos na Libia e que
tenham oportunidades de proclamar o Messias em palavras
e obras.
Para que os líbios sintonizem a rádio, tv via satélite e
programas de internet. Estes recursos de mídia ajudaram
muitos a encontrar a fé. Deus está se revelando!
Para que o Espírito Santo revele a verdade aos líbios
apesar de todos seus preconceitos.
(acesse: www.lovelibya para mais informações).




Bondade
A bondade de Deus nos leva ao arrependimento (Rm 2:4)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.