Angela Natel On sexta-feira, 5 de agosto de 2011 At 06:30

Um credo é um sistema de princípios ou crenças. Nas artes, há numerosos credos não escritos que seguimos querendo ou não. Não há ninguém que não siga um credo. Mas onde um credo termina no homem ou na arte e não em Deus e nas verdades de Deus, é um credo inferior. É um credo capaz apenas de satisfazer prazeres inferiores. Tais credos — tais sistemas de princípio e crença que eventualmente prezam a arte, ou a estética, ou a habilidade, ou o desempenho, ou o artista, ou qualquer outra coisa que não Deus como derradeiro prazer e objetivo dos prazeres que conhecemos na arte — são incapazes de produzir os plenos, mais satisfatórios e duradouros prazeres que se podem conhecer através da expressão artística.

A intenção do credo a seguir é agir como um guia tanto para certificarmos que temos o OBJETIVO correto em nossa expressão artística, a saber, Deus; quanto para perguntarmos a partir de qual motivo estaremos aptos para assegurar os maiores prazeres deste Objetivo, a saber, os prazeres de Deus na expressão artística. Como tudo isso é executado na middle-land é o que passamos adiante aos outros como obras de arte. Que nossa expressão seja tão genuinamente única como nós enquanto obras de Deus, e que nosso trabalho artístico seja de uma habilidade e disciplina que mais precisamente anuncie visualmente os prazeres que viemos a conhecer e o prazer em Deus.

O CREDO DE UM ARTISTA

Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! (Romanos 11:36)

A DEUS aprouve fazer o homem, e DEUS fez o homem com capacidades criativas. À parte de DEUS, o homem não existiria , nem teria qualquer habilidade artística ou criativa. Portanto, empenhar-se em qualquer expressão artística do homem como sendo separada de DEUS, significa tanto desonrar a DEUS, o Autor do homem e da expressão artística, quanto negar a nós mesmos os plenos deleites que DEUS planejou para nosso prazer na arte; culminando em nosso NELE, através de JESUS CRISTO.

Então, com a ajuda de DEUS, e unicamente para a glória de JESUS CRISTO, ao me empenhar na arte, EU DECIDO:

I. CRESCER no conhecimento, amor, e satisfação de e em DEUS ao abraçar a emanação habilidosa e estética de DEUS do que DEUS conhece, ama e se compraz de Si mesmo. (Gênesis-Apocalipse)

II. BUSCAR olhos que vejam como DEUS me vê ao ser eu apresentado com tudo o que ele pôs em evidência naquilo que Ele criou. (Romanos 1, 1Samuel 16:7)

III. GLORIAR-me apenas em CRISTO em meu trabalho artístico uma vez que todas as coisas foram criadas através d’Ele e para Ele, e em CRISTO todas as coisas subsistem. (Colossenses 1:15-17, 1Coríntios 4:7)

IV. ENTENDER como, e reconhecer que, minha permanência diante de DEUS é exclusivamente dependente e firmada na obra de CRISTO na cruz, e não é de forma alguma alcançada por qualquer trabalho artístico ao qual me dedico. (Colossenses 1:18-23, Romanos 8, Efésios 1-2:10)

V. DEPOSITAR minha esperança por satisfação e provisão somente em DEUS através da obra de CRISTO, e nunca repousar minha esperança na arte, no público, ou em mim mesmo. (Deuteronômio 8:3, 17-20, Filipenses 4:19, Romanos 8:18, Salmo 107:9, Mateus 5:6, Salmo 40:4)

VI. BUSCAR as alegrias da obediência fiel como um escravo de CRISTO em tudo o que ele me chamou e me confiou nas artes. (Gálatas 1:10, Isaías 66:2, 1Pedro 1:22)

VII. COMPRAZER-me na arte com o intuito de me deleitar em DEUS; Aquele que deu a arte para meu deleite. (1Timóteo 6:17, Eclesiastes 2:24-25)

VIII. TRABALHAR para articular artisticamente o tipo de beleza que continuará satisfazendo mesmo depois que meu esforço na tangível representação daquela beleza tiver sido há muito consumido ou destruído. (1Timóteo 6:6-7, 1Coríntios 3:13, Tiago 5:2-3, 2Pedro 3:10-12)

IX. TRABALHAR nas artes de tal forma que acumule tanto tesouro nos céus quanto o ESPÍRITO SANTO me capacitar e minhas faculdades permitirem. (Mateus 6:19-21, Eclesiastes 11:1, 2Coríntios 9:6)

X. PROCURAR a edificação de outros através de minhas obras artísticas. (Efésios 4:29, Judas 17-23)

XI. NÃO DEITAR com os credos da esterilidade, mediocridade ou da complacência fraca visto que todos eles barganham as grandiosas alegrias para os breves e temporais. (Apocalipse 3:15-19, 1Tessalonicenses 2:2)

XII. NÃO CORROMPER-me ao estudar, com muita disciplina, a “literatura e linguagem” das artes. (Daniel 1:3-8, Salmo 101:3-4, Provérbios 21:12)

XIII. DISCIPLINAR meu corpo e minha mente a desenvolver plenamente as habilidades que DEUS me dotou, e na força que Ele dá. (Êxodo 36:1, 1Coríntios 15:10, Colossenses 1:29, Provérbios 13:18)

XIV. ESTIMAR a humildade, visto que a humildade é mais valiosa e mais bela que a obra mais agradável esteticamente pela mão do orgulho. (1Pedro 5:5, Filipenses 2:3, Provérbios 22:4, Daniel 4:37)

XV. PROCURAR os plenos prazeres que se devem ter na arte ao empenhar-me na arte através do empenho em DEUS. (Romanos 11:36, Eclesiastes 2:24-25, 1Timóteo 6:17-19, Jó 38:1-2)

Por: Jason Harms. Website: thegaiusproject.org
Tradução e Edição: Voltemos ao Evangelho.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.