Angela Natel On quinta-feira, 25 de agosto de 2011 At 07:05
Uma cidade de 12,8 milhões, na qual a maioria são ao menos muçulmanos
nominais.


Istanbul anseia por ser amada. A amá-la é fácil. Extremamente diversa, os shoppings são alguns dos mais modernos na Europa, ainda assim algumas ruas
de pedra remetem aos tempos Bizantinos. Jovens com
piercings passeiam abertamente pelas ruas perto de
mulheres cobertas por pesados véus. Conciliar religião
e modernidade é parte do contexto multi-cultural de
Istanbul, a 5a
maior cidade do mundo, mas a única
cidade do mundo em dois continentes. Cerca de 3 mil
mesquitas estão na região da grande Istanbul, mas o
grau de compromisso religioso entre seus habitantes
varia significantemente. Cerca de 70% da população
vive na seção européia de Istanbul, enquanto 30%
vivem na seção Asiática. Esta é verdadeiramente uma
cidade de diferentes cosmovisões.
É bom ter algumas coisas em mente quando oramos
por Istanbul. Primeiramente, a cultura é oriental; é baseada nos conceitos de honra e vergonha ao invés dos conceitos de culpa e inocência. Nos relacionamento e
na religião, seus habitantes procuram zelar por sua
credibilidade. Neste tempo as familhas frequentemente
deserdam parentes que se comprometeram com o Messias. A honra da família requer isso. Muçulmanos não devem abandonar o Islã. Fazê-lo é vergonhoso para os
indivíduos e suas famílias. Jesus falou sobre abandonar tudo por sua causa. Certamente fazer isso por Sua causa é uma escolha real para muitos jovens em Istanbul. (Mc 10:29-30)
Outro aspecto importante de orar por Istanbul é se
separar do passado. Apesar de parte da cidade ser
uma “sociedade secular”, práticas islâmicas estritas,
folclore islâmico e o animismo são parte do dia-adia para muitos. Mulheres vestem azul para espantar “maldições” e para a fertilidade. Casamento e morte
são costumes baseados em versos do Alcorão. Tudo é
deixado à mercê do destino divino (kismet), que frequentemente gera medo e raiva ao ver os acasos da vida. Medo e frustração são consequências naturais
da idéia islâmica do Deus de Abraão. Na sua forma
de pensar, ninguém pode ter certeza de perdão ou ser
liberto da vergonha. Por causa destas crenças, muitos
crentes em Istanbul contam da dificuldade que é explicar como Jesus deu sua vida para nos dar a salvação.
Crentes com passados muçulmanos testificam que eles
precisam se livrar de seus amuletos e cosmovisões fatalistas para poderem ser totalmente livres para servirem ao Senhor. A oração precisa incluir renovo para aqueles
que encontram a Cristo. (Ef. 4:22-24).


Idéias para Oração:

Quando oramos por Istanbul, tentemos ver esse povo
lindo da perspectiva de Deus. Imagine as frustrações de
homem que trabalho duro, dezesseis horas por dia mas os
quais seu salário é engolido pela inflação.
Ore pelos jovens, para os quais as promessas e esperanças de um futuro melhos parecem vazias.
Ore por mulheres destinadas a terem filhos meninos
que abandonam o bebê caso contrário. Oremos com fé que
nossas orações estão sendo respondidas (Ef. 3:18; Jo 14:13;
2 Pe 3:9)
Para mais sobre Istanbul: MeetIstanbul.com
Veja o vídeo da Turquia no canal “Prayershots” do
Youtube.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.