Angela Natel On domingo, 17 de julho de 2011 At 06:04


Por Jones Mendonça


Os primeiros a dividirem as Escrituras Sagradas em porções menores para facilitar sua leitura foram os judeus . Eles dividiram a Lei (Torá) em 54 seções chamadas parashiot (divisões). Os profetas (neviim) também eram divididos em 54 trechos chamados haftarot (despedidas). Essas divisões tinham uma intenção litúrgica, já que determinadas porções do texto eram lidas ao longo dos sábados durante o ano. Não há consenso entre os rabinos a respeito da origem dessas divisões.


Os cristãos da igreja primitiva também pensaram num método de divisão que facilitasse a leitura da Bíblia. Eles fracionaram o Novo Testamento emseções visando facilitar a localização de determinados trechos daEscritura. Isso pode ser visto em alguns manuscritos do século V (Mateustinha 68 capítulos, Marcos 48, Lucas 83 e João 18).


Na Idade Média, em 1220, Estephen Langton, futuro arcebispo de Canterbury, foi o responsável pela divisão em capítulos. A primeira Bíblia dividida desse modo (uma versão latina) foi realizada em paris e ficou conhecida como a Bíblia parisiense. Em 1525, Jacob ben Jayimpublicou uma bíblia rabínica em Veneza, que continha os capítulos de Langton. A divisão feita por Langton permanece até os nossos dias.


O crédito da divisão da Bíblia em versículos é dado ao dominicano italiano Santos Pagnino, que publicou em Lião, em 1528, a primeira Bíblia organizada nessas subdivisões menores. No entanto Robert Stephanus, um editor protestante, fez mudanças no seu trabalho. Em relação ao Antigo Testamento fez pequenos retoques. No que diz respeito ao Novo Testamento, reelaborou todo o trabalho de Pagnino. Stephanus também fez a subdivisão dos livros apócrifos (ou deuterocanônicos, como preferem os católicos) de Tobias, Judite, 1 e 2 Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruc. Pagnino não havia trabalhado nesses livros. Stephanuspublicou o primeiro o Novo Testamento em 1551, depois a Bíblia completa, em 1555. Seu modo de dividir o texto bíblico foi mais tarde adotado em todo o mundo.


Em 1572 foi publicada a primeira Bíblia hebraica com versículos. Finalmente o Papa Clemente VIII fez publicar uma nova versão da Bíblia, em latim, para uso oficial da Igreja, pois o texto anterior, de tanto ser copiado à mão, tinha-se deformado. A obra apareceu no dia 9 de novembro de 1592 e foi a primeira edição da Igreja Católica com a já consagrada divisão decapítulos e versículos.


Fontes:
GEISLER, Norman L.; NIX, William E. Introdução Bíblica - Como a Bíblia chegou até nós. Tradução de Oswaldo Ramos. São Paulo: Editora Vida, 1987.
VALDÉS, Ariel Álvares. Que sabemos sobre a Bíblia? – Vol II. Tradução de Afonso Paschotte. Aparecida, SP: Santuário, 1997.

1 comentários:

Anônimo disse...

Eu não sabia que a ideia original dos versículos na Biblia era dado ao dominicano italiano Santos Pagnino. Eu pensava que tudo se devia a Robert Stephanus. Obrigado pela informação.

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.