Angela Natel On sexta-feira, 22 de julho de 2011 At 06:33

O Novo Testamento foi escrito em grego. Mas é sabido que os judeus do primeiro século tinham o aramaico como língua falada, uma língua semítica muito parecida com o hebraico. Na verdade, temos exemplos de que os judeus da época do Novo Testamento ainda falavam o hebraico. Em Atos 21.40, lemos: “Obtida a permissão, Paulo, em pé na escada, fez com a mão sinal ao povo. Fez-se grande silêncio, e ele falou em língua hebraica”. Em Atos 22.2, está escrito: “Quando ouviram que lhes falava em língua hebraica, guardaram ainda maior silêncio”. Ainda, em Atos 26.14, vemos que o próprio Jesus, quando falou com Paulo no caminho de Damasco, preferiu usar a língua hebraica: “E, caindo todos nós por terra, ouvi uma voz que me falava em língua hebraica: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões”.

Dessa maneira, quando lemos o Novo Testamento em sua versão hebraica temos novas ideias sobre as mensagens ali ensinadas. A primeira epístola de Pedro, por exemplo, se lida em hebraico, nos ajuda a entender o cerne da mensagem. O texto em português traz o seguinte: “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia” (Revista e Atualizada). Quando, porém, lemos essa passagem em hebraico, a mensagem fica mais clara. Analisemos, portanto, as palavras usadas nesse versículo.

A palavra “apóstolo” é, em grego, apóstolos, que significa “delegado” ou “embaixador”, fruto da união de apo (“para fora”) com stello (“enviado”). O equivalente hebraico é shalach, que vem da raiz shal (“levantar”, “comparar”, “enviar”, “eleger”). Ou seja, Pedro está dizendo: “Eu sou uma pedra levantada por Jesus”.

O termo “eleitos” é, em grego, eklektos, que significa “selecionados”, “favoritos”, de ek unido a lego, ou seja, “tirados para frente”. O equivalente hebraico é bachan, que significa “testados” (assim como se fazia com os metais), “examinados”, “provados”, “tentados”, ou “sentinela”, que vem de bach (“examinar para escolher o melhor”). Assim, Pedro está dizendo que ele não apenas foi chamado por Jesus, mas escolhido por ele, tendo sido aprovado ao superar seus desafios. O próprio Cristo afirmou: “Muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (Mateus 20.16). O curioso é que, em alemão, bach significa “rio”, o que nos lembra quando Davi foi escolher cinco seixos do rio para atacar Golias. Dessas cinco pedras, uma única pedra eleita foi suficiente para abater o gigante. Assim também, dentre os doze apóstolos escolhidos, um deles se perdeu no caminho (Judas Iscariotes) e apenas três foram escolhidos para ficar perto de Jesus (o próprio Pedro, além de Tiago e João).

Pedro, então, está dizendo: “Eu sou uma pedra levantada e aprovada por Jesus, e escrevo essa carta para vocês que foram eleitos para um teste de sua fé”. Deus prova seu povo, como está escrito: “Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do SENHOR viverá o homem” (Deuteronômio 8.3).

A palavra “forasteiros” é, em grego, parepidemos. O termo é fruto da união de para (“perto”) com epidemeo (“residir”, “morar”, união de epi, “acima” com demos, “povo”). Em hebraico, o termo equivalente é toshav, cuja raiz shav significa “pressionar a casa”, cuja ideia pode remeter ao forasteiro (toshav), que está constantemente mudando de casa, ou ao cativo (em hebraico, shabah), que foi forçado a deixar sua casa.

O termo “dispersão” é, em grego, diaspora. Essa palavra é fruto da união de dia (“através de”) com speiro (“levar”). Em hebraico, o termo equivalente é pazar, cuja raiz pats significa “esmagar”, “espalhar”, “bastão” (mephiyts), “abrir a boca” (patsah). Quando um vaso é atingido em sua lateral, abre-se um buraco e ele se desmonta em muitos pedaços.

Dessa maneira, podemos traduzir a passagem de 1 Pedro 1.1 da seguinte maneira: “Eu sou uma pedra levantada e aprovada por Jesus, o Salvador Ungido, e escrevo essa carta para vocês que foram eleitos para um teste de sua fé no cativeiro do Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia”.

Pedro está dizendo: “Fiquem firmes, pois assim como eu fui provado e aprovado, vocês também vencerão essa dificuldade com a ajuda de Cristo, para a glória de Deus, e serão levantados como uma rocha, assim como Cristo me levantou como embaixador do Evangelho”. Essa mensagem é o que Deus diz para você hoje!

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.