Angela Natel On quinta-feira, 14 de julho de 2011 At 06:52


Participando de muitos debates e conversas com temática cristã, geralmente encontro muitas versões para um mesmo assunto.
Cada pessoa com uma diferente visão, argumentando de diferentes formas em sua própria defesa. Alguns desses argumentos são:

1) Razão
A pessoa diz que sua explicação sobre determinado tema é a que faz mais sentido ou tem mais lógica.

2) "Porque sim"
É triste, mas vejo muitos casos de pessoas que simplesmente adotam uma visão porque acham que é a correta. Tem a ver com o 1º item, mas nesse caso a base não é unicamente a lógica, mas a "fé" naquilo, mesmo sem qualquer outra fonte que confirme sua visão.

3) Contextos históricos / ciência
Mesmo que vá contra o que a bíblia indica, alguns cristãos assumem certas informações sugeridas pela Ciência e pela História, desconsiderando a inerrância da bíblia.

4) Base bíblica
A pessoa usa a bíblia como fonte, e não coloca nada acima dela. Entendem que o que está ali escrito é a Palavra de Deus.

Certamente existem outras posturas, mas essas, creio que sejam as principais..

Então eu pergunto: É coerente um cristão assumir um dos 3 primeiros itens ao invés da base bíblica??

Alguns consideram partes da bíblia e ignoram outras...
Sim, uns desprezam Paulo e suas epístolas e admitem somente os 4 evangelhos; outros consideram o Velho Testamento como obra humana, e não condizente com o Novo; uns aceitam alguns atributos de Deus e ignoram outros; e por aí vai...

Mas eu faço outra pergunta: Se a bíblia não servir como base de fé, em quê ou em quem nos basearemos??

Creio que a bíblia seja a única fonte absoluta da Verdade de Deus, sua Palavra, e que não há outro meio de ser salvo que não seja através da vivência da mensagem nela existente..

Sem a bíblia, como saberíamos da vida de Jesus e da maneira como Deus nos amou graciosamente, e por misericórdia nos deu salvação??

Entendo que se o Deus do Velho Testamento é uma obra humana, que não condiz com o Deus de amor do Novo Testamento, então Jesus foi cúmplice nessa enganação, pois não fez qualquer acusação sobre a possível adulteração das Escrituras.

Entendo também que a bíblia fosse alterada no decorrer dos tempos, de alguma forma atenderia os interesses de quem o fizesse, mas isso não acontece... Ela trata de deixar bem clara a total depravação da humanidade, e sua incapacidade de salvação, independentemente de classe social, raça, gênero, idade... Sendo assim, não há um justo sequer, ninguém que seja favorecido pelas palavras da bíblia...

Querer selecionar o que vale ou não vale na bíblia, é ser o "dono da verdade", coisa que ninguém tem a capacidade de ser..

Se nossa convicção se basear em razão, cultura, ciência ou qualquer outra fonte humana, sempre haverá inúmeras "verdades", pois o ser humano não é absoluto, mas sim um ser em constante mudança e vítima de suas próprias limitações.

Logo, se nossa convicção não tiver base na bíblia, crendo nela como a Palavra de Deus, inerrante e imutável, escrita por pessoas inspiradas por Deus, então nunca poderemos anunciar a Verdade, pois não a conheceremos..

Que a FÉ sobrepuje a razão, e que entendamos que nosso senso de justiça, para Deus é como absorvente usado...


"Se você crê somente no que gosta do evangelho e rejeita o que não gosta, não é no evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo." (Agostinho de Hipona)



SOLA FIDE

BARRABÁS LIVRE >>> http://barrabas-livre.blogspot.com/2010/01/cristao-apesar-da-biblia.html#ixzz17cuKuBco

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.