Angela Natel On quinta-feira, 16 de junho de 2011 At 06:59


There is a simple format to the end of the show in Scooby Doo. The ghost or monster finally gets unmasked and you discover that it was the janitor or the mayor all along. And of course he would have got away with it if it wasn't for those pesky kids.

The story of false teachers is very opposite of that. They appear, not in their true identity, but wearing the mask of orthodoxy.

  • They masquerade as servants of righteousness, they are deceitful workmen disguising themselves as apostles of Christ, they are wolves in shepherd's clothing (2 Cor. 11:13-14; Acts 20:29-30).
  • As to their methods they are deceitful workmen, acting by the craftiness of deceitful scheming, and usuing plausible arguments to delude and trap their victims (2 Cor. 11: Eph. 4:14; Col. 2:4, 8).
It is the very opposite of what you expect to be the case. They appear to be like the mayor in Scooby Doo. It is only when they are unmasked at the end that you realise that it was a wolf all along. Isn't that what Jesus warned about?
Beware of false prophets, who come to you in sheep’s clothing but inwardly are ravenous wolves. You will recognize them by their fruits. (Matthew 7:15-16a)
Think about it.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.