Angela Natel On sábado, 25 de junho de 2011 At 06:41

Por André Sanchez

A primeira coisa a se dizer a respeito dessa expressão é que ela não tem nada a ver com a palavra “gentil”, que significa generoso, amável, cortês, e da qual deriva a palavra gentileza. A expressão “gentio” tem outro significado como veremos a seguir.

Para entendermos bem essa expressão, precisamos olhar um pouco para o passado. Lá no Antigo Testamento vemos registrado que Deus escolheu um povo para ser o Seu povo, aqueles que representavam o Seu nome e a quem Ele deu as Sagradas Escrituras. Esse povo é bastante conhecido pelo nome de judeus.

A Bíblia também os identifica como hebreus, povo de Deus, israelitas, povo de Israel. Todas estas designações indicam o mesmo povo, os judeus.

Temos alguns personagens muito famosos que eram deste povo, como Abraão, Moisés, Davi, Salomão, Jesus Cristo, Paulo, Pedro, etc.

Sendo assim, gentios são todas as pessoas que não são do povo judeu. Eu sou um gentio e provavelmente você também seja. Qualquer pessoa que não seja um judeu se enquadra como sendo parte do povo gentio. Na Bíblia o povo não-judeu é designado pelo nome de gentios.

Quando Paulo diz “A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo” (Ef 3. 8), ele está querendo dizer que foi dada a ele a graça de levar a palavra de Deus aos gentios, ou seja, aos que não são judeus.


Leia mais: http://www.esbocandoideias.com/2010/11/o-que-significa-gentios.html#ixzz15jg1ORtF

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.