Angela Natel On quarta-feira, 15 de junho de 2011 At 06:57


We are attracted to some heresies because of what they offer. They pander to our sinful cravings. They do things for the Pelagian within us, or for our inner Rationalist. We are drawn to some errors, however, not by their mock spiritual worth but by the threat of adverse consequences. We are driven by fear. The classic New Testament example of this comes from Galatians, and the corresponding section in Acts 15. There was a compulsion to accept the ritual of circumcision on pain of exclusion, not merely from God's people, but from salvation (Acts 15:1-2; Galatians 6:12).

No wonder then that Paul's opening salvo is directed to those who "trouble you" and want to "distort the gospel of Christ" (Gal. 1:7). The deviant influence of the false teachers was not only upon the gospel but also upon the spiritual well being of the Galatian churches. "Filling them," wrote John Brown, "with doubts and alarms as to the safety of their state while they remained uncircumcised and unsubjected to the law of Moses."

As much as errors can come to us laden with promises of blessings they may also, at the same time, speak threatening words if we refuse them.



0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.