Angela Natel On quinta-feira, 21 de abril de 2011 At 06:36

Encarte do Filme Dona Flor e Seus Dois Maridos
Rebaixar a pessoa do Pai, ou a do Filho, ou a do Espírito Santo - o lema explícito de Satanás nas doutrinas sectárias. No caso do mormonismo, além de encararem o Pai e o Filho como personagens de carne e ossos, o Espírito Santo não foi o responsável pelo nascimento de Jesus, que nem virginal teria sido, conforme líderes mórmons. Por quê não? Porque o Espírito Santo, para os Mórmons, ainda é um personagem sem corpo e ossos. Quer a prova disso? Observe:
"Cristo foi gerado por um Pai imortal da mesma maneira que os homens mortais são gerdos por pais mortais.” - McConkie, páginas 546, 547.
"Espírito Santo. A terceira pessoa da Trindade [...] Personagem de Espírito que não possui um corpo de carne e ossos." - O Livro de Mórmon. Apêndice. Verbete Espírito Santo.
“O corpo carnal de Jesus necessitava de uma mãe, bem como de um pai. Portanto, o Pai e a mãe de Jesus, conforme a carne, têm que ter estado associados na capacidade de Marido e mulher: assim a Virgem Maria tem que ter sido, durante esse período, a legítima esposa de Deus Pai.” - Orson Pratt, The Seer (Washington D.C.: n.p., 1853-54, páginas 158, 159.
“Quando a virgem Maria concebeu o menino Jesus, o Pai o tinha gerado à própria semelhança. Jesus não foi gerado pelo Espírito Santo.” - Journal of Discourses, Volume 1, 1852, página 51.

“O nascimento do Salvador foi tão natural quanto o dos nossos filhos, foi o resultado de uma ação natural. (...) Foi gerado por seu Pai, assim como nós somos gerados pelos nossos pais.” - Journal of Discourses, 1860, página 115.
O Livro de Mórmon. Apêndice. MARIA.
Assim, precisamos conscientizar os cristãos, principalmente os recém-convertidos, que os mórmons usam a Bíblia quando lhes convém, quando ela não desmente o Livro de Mórmon - o único livro de doutrina que já sofreu 3.913 mudanças. Mas também que eles precisam conhecer melhor a opiniçao de seus profetas e presidentes sobre como Jesus foi concebido. A Bíblia é clara quando diz: "O que nela foi gerado é do Espírito Santo." (Mateus 1:20) Quando Maria questiona "como se dará isto visto que não tenho relações com homem", o anjo Gabriel responde: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus". (Lucas 1:34, 35) O interessante é que no Apêndice do Livro de Mórmon, no verbete MARIA, ensinam que Maria era noiva de José, conforme fotocópia ao lado. Assim, imagine a cena entre Deus-Pai, em carne e ossos, dirigindo-se como o Todo-Poderoso a José, o "Todo-Chifrudo", com os dizeres: "Bem José, a esposa é sua, mas o filho é meu!"

Ironias à parte, os mórmons negam isso, mas há provas concretas sobre este ensino nos escritos de seus profetas considerados inerrantes. Tentam até reinterpretar o que esses profetas falecidos quiseram ensinar com tais declarações. E quando perguntamos: Quem estava correto: O Livro de Mórmon ou estes livros com tal crença, restam-lhes dizer: "Não posso afirmar porque não tenho as fontes em mãos".

O profeta mórmon Brigham Young chegou a afirmar, por exemplo, que Maria teve mais de um marido. Quem era o outro? Veja:
"O homem José, o marido de Maria, não tinha, tanto quanto nos é dado a saber, mais de uma mulher; mas Maria, a esposa de José, tinha outro marido - ou seja, Deus Pai". - Brigham Young. Desert News. 10 de outubro de 1866. [Grifo acrescentado.]
E se ainda os mórmons insistirem que seus profetas e presidentes nunca ensinaram o que estou denunciando aqui, observe o que o Presidente Mórmon, falecido em 1994, escreveu:
"Deus foi o Pai do Tabernáculo mortal de Jesus Cristo. [...] O corpo no qual Ele realizou sua missão na carne, foi procriado por aquele mesmo ser Sagrado que adoramos como Deus, nosso Pai eterno." - The Teachings of Ezra Taft Benson, página 7, 1988: Salt Lake City. EUA. (Grifo acrescentado.)
Se para os profetas e presidentes mórmons Maria foi um tipo de "Dona flor e seus dois maridos", temos que lamentar por tão grande confusão nessa doutrina estranha, de um outro Jesus. Ensinar que o nascimento de Jesus não foi por Espírito Santo implica em rebaixar a obra dEle, o meio pelo qual o Deus Todo-Poderoso poderia ter garantido a divindade de Cristo e o seu consequente nascer sem a influência do pecado adâmico. Por isso, Lucas escreve "por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus", ou seja, pela atuação do Espírito Santo Jesus seria Filho de Deus - se preferir, tão Deus quanto seu Pai em natureza, tão humano quanto Maria em natureza, embora perfeito. Por fim, tal aberração mórmon, que parece ter sido escondida de muitos deles, quer pela reinterpretação ou pelo sumiço dessas fontes das mãos deles (para não criar contradição entre ensinos oficiais e palavras "inerrantes" de líderes) põe em cheque a virgindade de Maria, até o parto. O simples negar da participação do Espírito Santo no nascimento de Jesus já qualifica a doutrina mórmon como herética. - Fernando Galli.

1 comentários:

MISSIONÁRIO DA VERDADE disse...

Parabéns por teu blogue.


Gostava de ter teu nome no meu blogue onde diz no final de cada página:

TESTEMUNHOS QUE A IGREJA SUD NÃO É VERDADEIRA

Mais uma vez parabéns.

A doutrina Mórmon tem que ser revelada ao mundo.

Abs

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.