Angela Natel On domingo, 10 de abril de 2011 At 05:41
no domingo, dia 10 de abril.

Como participantes de um Encontro Emergencial de Líderes Cristãos no Japão, queremos encaminhar o pedido que nos fizeram para que os sustentemos em oração e intercessão. No próximo domingo eles se encontrarão para orar em diversos lugares no Japão (meio dia no horário brasileiro) para trazer a situação assustadora da nação perante Deus. Em todos os desastres que estão acontecendo, perceberam o chamado sério ao arrependimento do Rei que está voltando. É a convicção profunda de que Deus está chamando o Japão, como nação, para se voltar a Ele. Em vez de orar pelo Japão como vítima inocente e auxiliar com ajuda humanitária para que recuperem seu antigo padrão, pedem encarecidamente que oremos "com o Japão" para o Deus, que segundo a sua convicção mais profunda mandou estes abalos, para que a Sua misericórdia, e não a Sua justiça, triunfa mais uma vez.

Dr. Mitsuo Fukuda, de Osaka, nomeou os três "ídolos" principais, aos quais os cristãos, na prática dão mais honra do que a Deus: uma teologia focada no sacerdote, que causa a "morte dos leigos'' ; a obsessão dos cristãos de construir igrejas (demasiadamente) grandes e a dependência excessiva de programas religiosos como show de um homem só, sem vida nenhuma. Na concepção dos líderes as igrejas no Japão quase não exercem papel na sociedade. Aonde as Igrejas se distanciaram do chamado de Deus para que retornem ao primeiro amor, para a Unidade e para uma vida de acordo com os princípios do Reino, o juízo de Deus agora se expande além da casa de Deus, sobre toda a região. Isto só poderá ser evitado através de um retorno nacional para Deus. Com isto se daria uma chance histórica para um novo começo, um avivamento nacional e uma libertação para que o Japão cumpra o papel histórico que Deus reservou para este povo.

  • Orem no próximo domingo nos cultos, nas igrejas caseiras e nas famílias, para que a Igreja japonesa rompa com seus ídolos e se volte para o Deus, que não é só o Salvador, mas também o Rei que reina.
  • Orem por um retorno nacional, pelo rendimento dos líderes diante do Rei dos Reis.
  • Não deveríamos nos intrometer no agir de Deus. Não faz sentido, orar contra uma situação que foi planejada por Deus. Nós só podemos nos submeter e pedir que a Sua vontade aconteça. Mas como intercessores temos grandes oportunidades: podemos orar por arrependimento e perdão, negociar o número dos justos (Gn 18), pedir pelo abreviamento da Tribulação (Mc 13:20) e entrar na brecha por uma nação que Deus está chamando ao arrependimento.
  • Quem se ver dirigido por Deus, poderá participar de um jejum de 3 dias para que os alvos de Deus para o Japão se concretizem.
  • Mais do que ajuda humanitária, o Japão precisa urgentemente de orientação de como reconstruir de acordo com os princípios do Reino. Para que este processo, descrito no relatório anexo (não traduzido) - "Quando Deus abala uma Nação" , possa ser apoiado e financiado, criamos o Save-Japan-Fonds. Utilizem uma das contas correntes do Starfish Verein:
Suíça: Starfish Verein, Postfinance Bern, Konto 60-516665-9
Alemanha: Starfish Verein Konto 1064138; BLZ 68350048 Sparkasse Lörrach-Rheinfelden.
Para depósitos do exterior: IBAN DE45 68350048 0001 0641 38 / BIC SOLADES1LOE


Vos saudam os participantes alemães da Conferência no Japão nos dias 30.-31.3.

Wolfgang e Mercy Simson, Christoph Tiedecke

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.