Angela Natel On sábado, 9 de abril de 2011 At 05:40

Por Levi Gabriel

Meu irmão leia e entenda,
A espiritualidade que não fede e nem cheira,
Viver esta espiritualidade
Espero mesmo que você não queira.

Tão denunciada pelos profetas do passado,
Que a entendiam , como um grave pecado.
Pois projetava o povo, numa vazia religiosidade
O que se via era omissão e comodidade.

Ninguém entendia discípulos tão compromissados,
Com o Evangelho do Cristo, e este crucificado.
Loucura para gregos, escândalo para judeus
Mas para os que crêem, é o poder de Deus.,

O Deus que optou nascer na manjedoura,
E viver o projeto da cruz, não o da coroa,
Esse Deus da Eternidade,
Ensinou-nos o que é espiritualidade.

Espiritualidade da bacia, da toalha, do serviço e do amor,
A maioria não se identifica, com o Servo sofredor.
Querem a da glória, da fama e do poder,
Se o problema é do outro, logo dizem: "Não quero nem saber!"

Meu irmão vá à bíblia e se oriente,
Pois essa espiritualidade não é fria nem quente,
A dor do próximo ela não sente,
Tenha certeza, a de Jesus é muito diferente.

Enquanto uma é altruísta e generosa,
A outra é egoísta e presunçosa,
A do Reino é muito piedosa,
Mas essa, só quer vida pomposa.

Pois pensa que o mundo há Crista irá se render,
Por esse jeito, tão mesquinho de viver,
Cristianismo é para eles, deixar de fazer o mal,
Meu Deus, não entenderam, que do mundo somos sal.

Como Cristo é fato, que nós devemos andar,
Para que todo o Evangelho do Reino possamos proclamar,
Por isso meu irmão, espero mesmo que você não queira,
Viver essa espiritualidade que não fede e nem cheira.

http://slolgt.blogspot.com/2010/10/nao-fede-nem-cheira.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.