Angela Natel On domingo, 27 de março de 2011 At 06:14
protect Me impressiona a extrema habilidade dos servos de satanás em inverter, através da história, o papel original das coisas.
Através de sutilezas vão convencendo a humanidade dos maiores absurdos imagináveis em nome de termos de forte apelo psicológico e emocional como: amor, segurança, justiça, igualdade, conscientização, liberdade, discriminação… paz!
Como disse: isso me impressiona, mas de forma alguma me surpreende, pois tudo isso já estava profetizado e registrado em um velho livro que muito em breve poderá vir a ser proibido justamente por não estar de acordo com essa “revolução” que estamos testemunhando.
Vou apresentar um exemplo de algo que foi originalmente criado como forma de prover segurança e, com o passar do tempo, transformado em termo pejorativo. Vejamos a definição do Aurélio para a palavra…
CONCEITO:
Substantivo masculino.
  1. Formulação duma ideia por palavras; definição.
  2. Pensamento; ideia.
  3. Reputação (1).
  4. Parte da charada, logogrifo, etc., na qual se dá a chave para a solução proposta.
Citemos agora um conceito de extrema validade neste raciocínio: tráfico de drogas!
É algo tão inquestionavelmente prejudicial que apenas sua menção já deve ter chocado alguns leitores. Por ser uma atividade considerada criminosa e combatida globalmente, nunca vi ninguém sendo acusado ou condenado por não querer ser envolvido com isso: em todos os lugares há franca e aberta condenação àqueles que a praticam! Aliás, nunca vi alguém sensato encorajando outra pessoa a ir experimentar o que o mundo do tráfico tem a oferecer… e até mesmo alguns dentre os próprios traficantes não recomendam que seus caminhos sejam seguidos!
Diante disso podemos afirmar que os seres humanos, desde a infância, por (normalmente) serem instruídos a evitar o envolvimento com o tráfico, têm uma ideia formada sobre o tema de modo que, mesmo sem precisar experimentar essa realidade, possam evita-la… em outras palavras, podemos garantir que existe “pré-conceito” sobre toda e qualquer atividade ligada ao tráfico de drogas!
O principal objetivo desse e de outros “pré-conceitos” construídos pelos pais é a preservação da vida de seus filhos, afastando-os de qualquer coisa que possa faze-los correr riscos desnecessários.
O grande problema disso tudo é que o ser humano é falho em seus julgamentos e pode exagerar ao incluir alguns “itens” nesse “pacote de proteção”: itens que, baseados na aparência e nunca na Verdade, acabaram sendo marcos de destruição humana. O maior e mais vergonhoso dos exemplos é o preconceito racial, cujas consequências deixaram diversos dos mais horríveis registros na história da humanidade.
Eis aqui a principal e dramática questão acerca dos conceitos: quem está habilitado a defini-los? Seria a humanidade capaz de estabelecer por si mesma seus conceitos de modo que nenhum grupo específico fosse prejudicado ou beneficiado em detrimento de outros?
“Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.” (Romanos 3:9-12)
Haveriam líderes, políticos ou religiosos, capazes de praticar a justiça?
“Todos os seus atalaias são cegos, nada sabem; todos são cães mudos, não podem ladrar; andam adormecidos, estão deitados, e gostam do sono. E estes cães são gulosos, não se podem fartar; e eles são pastores que nada compreendem; todos eles se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, cada um por sua parte.” (Isaías 56:10-11)
Diante disso, podemos afirmar que o ÚNICO capaz de definir conceitos é justamente Aquele que determinou ABSOLUTAMENTE TODOS OS CONCEITOS ORIGINAIS no momento da criação deste universo e tudo o que nele há.
“Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.” (Daniel 2:20-22)
“E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.” (Hebreus 4:13)
“Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.” (Tiago 1:17)
Esta última passagem em especial apresenta uma das qualidades divinas mais odiadas pela maioria da humanidade: o Senhor Deus NÃO MUDA!! Nunca! Tudo o que definiu desde o início permanece exatamente como deveria ser mediante a passagem dos milênios… o problema é, justamente, o ser humano!
Lembremos do primeiro conceito estipulado para o bem do homem:
‘E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2:16-17)
O que o danado do ser humano, com um “empurrãozinho” da maligna serpente, fez?
“Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.” (Gênesis 3:4-6)
Vejam que a proposta da serpente não é em nada diferente das propostas sedutoras que ouvimos nos dias de hoje, quando há um “senso comum” de que o ser humano é plenamente capaz de decidir sobre sua vida e que se não experimentar de algo nunca poderá ter sua própria opinião… nada mais enganoso!
“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” (Provérbios 14:12)
Há centenas de conceitos explícitos e inquestionáveis registrados no decorrer de toda a Palavra de Deus e podemos citar alguns exemplos:
“Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti.” (Deuteronômio 18:10-12)
“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.” (Gálatas 5:19-21)
Hoje, em nome do ecumenismo e de uma suposta “igualdade religiosa” (senso comum da humanidade), testemunhamos a proliferação de toda sorte de malignidades satânicas capazes de enredar e guiar o espírito humano direto para o inferno! A mídia exalta, através de filmes como a série “Harry Potter” ou o espírita “Nosso Lar”, conceitos que servem somente para afastar da Palavra de Deus: tudo muito desejável, emocional, afetivo… e plenamente diabólico!
“Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.” (1 Coríntios 6:9-10)
Notem que essa passagem é bastante contundente, pois inclui desde os políticos corruptos, passando pelos pastores da apostasia e chegando aos intocáveis LGBT: todos podem ser até muito bem sucedidos aqui na terra, mas seu destino eterno já está registrado e anunciado… e isso não tem negociação ou lei humana que vá alterar!
Lembrem sempre de Tiago 1:17 e parem de achar que serão capazes de converter o Senhor Deus às suas concupiscências, por mais lógicas e bem intencionadas que pareçam! Nem sempre o seu melhor é o que Deus está querendo!
É óbvio que não há espaço para que tudo esteja totalmente definido nas páginas da Bíblia, mas ainda assim há excelentes métodos de auxílio para que possamos discernir quais caminhos tomar:
“Não removas os antigos limites que teus pais fizeram.” (Provérbios 22:28)
“Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça.”(João 7:24)
“Examinai tudo. Retende o bem. Abstende-vos de toda a aparência do mal.” (1 Tessalonicenses 5:21-22)
“Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.” (Tiago 4:7-10)
Podemos concluir admitindo que o termo “pré-conceito” foi intencionalmente marginalizado através do curso da história, pois seu objetivo primordial é nada mais que proteger a integridade física e espiritual humana. Se a preocupação dos pais carnais é proteger a vida (carne e osso), o Senhor Deus tem objetivos que visam a eternidade:
“E qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, também, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, também, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?” (Lucas 11:11-13)
Esta completa inversão de valores também está descrita na Palavra:
“Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos! Ai dos que são poderosos para beber vinho, e homens de poder para misturar bebida forte; Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça! Por isso, como a língua de fogo consome a palha, e o restolho se desfaz pela chama, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porquanto rejeitaram a lei do SENHOR dos Exércitos, e desprezaram a palavra do Santo de Israel.” (Isaías 5:20-24)
popping
Estamos vivendo o limiar de um novo tempo onde todo o tipo de “pré-conceito” será criminalizado e a Palavra de Deus, comumente conhecida como Bíblia, muito provavelmente será classificada como “livro de ódio e preconceito” e proibida.
A ilustração inicial se deve ao fato de que satanás sabe muito bem que o bom “pré-conceito” (ou seja, aquele estabelecido pelo Senhor Deus através de Sua Palavra) é como uma “bolha de proteção” e que somente pode ser rompida de dentro para fora: funcionou perfeitamente com Eva, tem obtido excelentes resultados com toda a humanidade e… cuidado, pois a próxima vítima pode estar sendo você!
Assim como um câncer, o mal se multiplica sobrepujando a legítima manifestação do bem. Não há “democracia” ou “direitos” que possam impedir o cumprimento das profecias e aos poucos cristãos genuínos restarão pouquíssimas opções: você permanecerá fiel ao Senhor Deus e Sua Palavra… ou sofrerá a perseguição e pagará o preço por manter seus “pré-conceitos”?
“Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” (2 Coríntios 4:17-18)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.