Angela Natel On quinta-feira, 31 de março de 2011 At 06:42


.

Autor: marcos Sampaio

Este artigo é um Breve resumo do Prefácio do livro O Púlpito e a Doutrina – O Resgate da Pregação Cristocêntrica e Expositiva por Marcos Sampaio. Este livro estará [em breve] disponível em PDF.

Prefácio

Há um consenso entre muitos teólogos que a prática da pregação biblicamente orientada e dirigida à edificação do povo de Deus encontra-se em uma crescente crise nos púlpitos contemporâneos. No mundo pós-moderno, em que a própria essência e importância da verdade são contestadas, os membros das igrejas também parecem ter perdido o interesse pelas verdades anunciadas pelo pregador. Longe de ser causada apenas por inovações litúrgicas ou questões de preferências, essa crise possui dimensões doutrinárias.

Portanto, o que se vê é que a desvalorização da pregação bíblica resulta da ausência de uma perspectiva doutrinária que prestigie a autoridade e suficiência das Escrituras. E analisando-a, constatamos que a negligência doutrinária não é urna prerrogativa apenas da igreja atual. No período bíblico os profetas, Cristo e os apóstolos também protestaram contra semelhante descaso. Entretanto, parece que nem os líderes nem os seus liderados atentam para a gravidade e os custos dessa negligência.

Com isso, hoje, como compensação, as ciências e o liberalismo são livremente acolhidos nos púlpitos das igrejas, ou seja, a fim de ser aceita pela comunidade, a liderança passa a fazer uso contínuo da psicologia, da sociologia, do pragmatismo, humanismo e até mesmo do racionalismo na elaboração de suas pregações. E como resultado dessa opção e religião popular há uma crescente tendência em esconder a verdade ou suavizar a pregação do evangelho confiando em dispositivos mundanos e métodos humanos abandonando a mensagem da cruz e a dependência do poder do Espírito no púlpito; onde as mensagens assumem um caráter de auto-ajuda, receitas para o sucesso e pregações utilitaristas para se massagear o ego das pessoas.

Além disso, observamos ainda o esforço de alguns para transformar o púlpito em um palco de eventos e o templo em um mero local de entretenimento. Em ambos os casos, tanto a doutrina quanto a pregação genuína das Escrituras são terrivelmente sacrificadas e, em alguns casos, até mesmo menosprezadas.

Considerando a condição atual, uma análise da relação entre o púlpito e a doutrina parece ser altamente relevante, pois a pregação genuinamente bíblica deve ser sempre uma prioridade na igreja de Deus. Quando as pessoas não conhecem aquilo em que crêem, não se pode esperar que elas adorem corretamente, cresçam espiritualmente ou atuem de modo concreto no mundo para o qual foram enviadas. Há de se reconhecer que urna igreja ignorante resulta em uma igreja impotente, possuidora de um testemunho até mesmo contraditório.

Portanto, que esse livro seja de ajuda para uma construção teológica de uma pregação doutrinariamente bíblica e relevante para que de fato aconteça uma verdadeira religião cristã centralizada na pessoa de Cristo e que todas as verdades reveladas encontre seu cumprimento na cruz e necessariamente sejam fundamentadas sobre ela.

O Púlpito e a Doutrina – O Resgate da Pregação Cristocêntrica e Expositiva
Copyright © Marcos Sampaio
Todos os direitos reservados


Fonte: [ Ideias Protestantes ]

http://bereianos.blogspot.com/2010/10/o-pulpito-e-doutrina-o-resgate-da.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.