Angela Natel On terça-feira, 1 de março de 2011 At 06:02

Este artigo foi escrito por Marcelo Berti em Teologando. Um Blog que eu altamente recomendo a todos que desejam clarear suas mentes a respeito da Palavra de Deus.


Se tomarmos por base a declaração do autor anônimo do livreto “Should you believe in Trinity” a resposta para essa pergunta é não. Contudo, diante dos versos já lidos acima,não podemos concordar com a frase desse autor de que diante do todo das escrituras Jesus não é considerado Deus. Na verdade esses textos demonstram de modo claro que Cristo é equiparado com Yahweh, e que sua Eternidade é apresentada claramente nas escrituras. Portanto, é necessário assumir que Cristo é Criador não Criatura, pois assim as escrituras ensinam. Ou seja, diante do todo das escrituras, Jesus é claramente chamado de Deus.

Sendo assim, se o texto de Jo.1.1 afirmar que Jesus é um outro deus, como insistem os TJs, ele entraria em diversos conflitos com a escritura. Ou seja, além de ser gramaticalmente improvável, Jo.1.1 traduzido indefinidamente é uma afronta à verdade bíblica.

Entretanto, nos resta uma pergunta pertinente: Além da declaração direta de Jo.1.1, Jesus é chamado de Deus em outro lugar nas escrituras?

Para responder a essa pergunta, vou usar três textos que não tem dificuldades gramaticais para serem analisadas:
1. E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir – Apocalipse 4.8
2. Ainda, quanto aos anjos, diz: Aquele que a seus anjos faz ventos, e a seus ministros, labareda de fogo; 8 mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino – Hebreus 1.7-8
3. Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. 10 Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação. 11 Porquanto a Escritura diz: Todo aquele que nele crê não será confundido. 12 Pois não há distinção entre judeu e grego, uma vez que o mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. 13 Porque:Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo – Romanos 10.9-13
No primeiro verso vemos que os quatro seres viventes proclamam dia e noite que Aquele que há de vir é Santo, Santo, Santo e Senhor Deus, Todo Poderoso. Segundo o contexto de Apocalipse, Aquele que há de vir é Jesus Cristo (Ap.22.12, 20). Logo, Jesus é chamado de Senhor Deus, Todo Poderoso, diferente do que os TJ defendem.

No segundo verso, duas coisas são claramente percebidas: (1) Jesus é diferenciado dos anjos e por isso não pode ser Miguel o arcanjo como defendem os TJs. (2) O autor de Hebreus usa o Salmo 45.6, usado no AT em referência a Yahweh, para descrever o Filho. Ou seja, Jesus e Yahweh são um.

No terceiro verso, Paulo claramente aplica o termo Yahweh a Jesus Cristo em Romanos 10.13 ao citar Joel 2.32 em referência a salvação oferecida em Cristo. Ou seja, aquele que invocar o nome de Yahweh será salvo (Jo.2.32). Por isso, confessar que Jesus é Senhor é confessar que Ele é Deus.

Outros textos dizem claramente que Jesus é Deus, mas normalmente são distorcidos pela Tradução do Novo Mundo (em breve teremos todos eles analisados no Teologando – aguarde!).
Observe alguns deles:
aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus – Tito 2.13
Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo – 2 Pedro 1.1
Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo – 2 Pedro 2.11
pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus – Filipenses 2.6
Uma última comparação válida a ser feita aqui é a correlação entre Jo.17.3 e 1Jo.5.20:
E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste – João 17.3
Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna – 1 João 5.20
Segundo o primeiro texto, apenas Deus-Pai é Deus Verdadeiro. Se Jesus é um outro deus, segundo esse texto ele deve ser um deus falso. Contudo, o segundo texto diz que Jesus é o verdadeiro Deus. Se Jesus é um outro deus, então o Deus-Pai deve ser o deus falso, uma vez que Jesus é o verdadeiro.
Só existe uma forma de essas duas colocações serem verdade ao mesmo tempo: Se Jesus e Deus forem um, como Jesus defende em Jo.10.30.
Portanto, é seguro afirmar que Jesus é Deus, pois assim as escrituras ensina

[1] Anônimo, Should You Believe in the Trinity? Brooklyn, NY. Watchtower Bible and Tract Society, 1989.

http://todahelohim.blogspot.com/2010/10/jesus-e-chamado-de-deus-nas-escrituras.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.