Angela Natel On sexta-feira, 4 de março de 2011 At 05:05


Eu gostaria que, para procurar atingir e conservar a ver­dade, tu te submetesses a esta via, com todo teu fervor, e que não te enveredasses por outra que não seja a que foi prepara­da por aquele que viu, como Deus, a fraqueza de nossos pas­sos. Esta via consiste em primeiro lugar na humildade, em segundo na humildade, em terceiro na humildade, e, quantas vezes me perguntares, continuarei dizendo a mesma coisa. Não porque não haja outros preceitos que são afirmados, mas porque se a humildade não precede tudo o que fazemos de bem, e não acompanha e o segue, se não é proposta para que a contemplemos, apresentada para que a ela adiramos, e im­posta para que a ela estejamos adstritos, logo que nos regozi­jamos por alguma boa ação, o orgulho nos arranca tudo das mãos. E que se os outros vícios devem ser temidos no seio do pecado, o orgulho deve causar medo mesmo numa boa ação, se não queremos que as ações realizadas de maneira louvável se percam pelo desejo do próprio elogio. Perguntaram a um celebérrimo orador o que, em sua opinião, se devia observar em primeiro lugar entre os preceitos da eloqüência. Pois bem, eis o que, segundo contam, ele teria respondido: a elocução. E em segundo lugar? — tornaram a perguntar. E ele: a mes­ma elocução. Perguntado uma terceira vez, respondeu de novo: a mesma elocução. Assim também eu. Se me pergun­tares e me interrogares quantas vezes quiseres a respeito dos preceitos da religião cristã, não gostaria de responder outra coisa a não ser a humildade, mesmo se por acaso a necessida­de me obrigasse a dizer outra coisa.
'Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus' (Mt 5.3). Lemos na Sagrada Escritura acer­ca da cobiça dos bens temporais que 'Tudo é vaidade e presun­ção dos espíritos' (Ec 1.14). Ora, presunção de espírito quer dizer orgulho e arrogância. Assim é dito, freqüentemente,dos orgulhosos que estão cheios de si. [...] Logo, com razão se estende aqui que são pobres de espírito, os humildes e tementes a Deus, isto é, os desprovidos de todo espírito que incha.
E por isso [pela soberba de nossos primeiros pais, Adão e Eva] que agora, na Cidade de Deus e à Cidade de Deus, a peregrinar neste século, muito se recomenda a humildade, altamente exaltada no seu rei que é Cristo.
De certo que é bom ter o coração ao alto', mas não para si próprio — o que é soberba —, mas para o Senhor' — o que é próprio de uma obediência que só dos humildes pode ser. Assim é próprio da humildade levantar o coração ao alto' de forma maravilhosa e é próprio da soberba baixá-lo.
Talvez vos envergonhásseis de imitar um homem humil­de; imitai, ao menos, um Deus humilde.
Se, em vossa fraqueza, não mostrardes desprezo pelo Cristo humilde, manter-vos-eis firmes no Cristo exaltado. Pois qual era a razão de Cristo tornar-se humilde, senão porque éreis fracos?
Louva a Deus em ti, não a ti mesmo. Não pelo fato de seres o que és, mas porque ele te fez; não porque tu podes algo, mas porque ele pode em ti e por ti.


BARRABÁS LIVRE >>> http://barrabas-livre.blogspot.com/2011/03/humildade-agostinho.html#ixzz1FdTU5pxN

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.