Angela Natel On sexta-feira, 18 de março de 2011 At 06:44

Da minha janela eu O observava dançar
Enquanto Ele festejava, eu a me escandalizar
Onde já se viu
Um Rei dançarino?
Ou quem previu
Tamanho desatino?
Da minha janela eu fui capaz de julgar
Aquele que Sua vida entregou de tanto me amar
Será que esqueceu
o quanto lhe custei?
Ou não percebeu
O quanto vale um rei?

Da minha janela fiquei a pensar
Se terá valido a pena tudo que renunciei
Da minha janela fiquei a ponderar
Cumpri tudo que Ele ordena, jamais O abandonei

Será que Ele não percebe o quanto Se expõe?
O quão vulgar parece aos olhos do Mundo?
Será que não percebe o quanto me expõe?
Que o meu amor por Ele é bem mais profundo?
Pensei que eu fosse Sua única alegria
Mas enquanto eu lamentava, Ele sorria
Me sinto tão mal, me sinto traída
Eu mal cheguei, e Ele de saída

Que Ele fosse só meu é o que eu queria
Mas Ele jamais prometeu que só a mim amaria
Seu amor não cabe dentro de quartos
Ele toma ruas e avenidas pra que todos sejam fartos
Lá fora todo mundo a sorrir
E eu pensando: ah se Ele viesse me buscar
Finalmente, não pude resistir
Quando me tirou pra dançar


Autor: Hermes C. Fernandes

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.