Angela Natel On sábado, 12 de fevereiro de 2011 At 06:48
Por André Sanchez

Pedro foi alguém como nós. Vivia o seu dia a dia de trabalhador. Numa determinada noite saiu com os seus companheiros de trabalho, mas o trabalho não rendeu praticamente nada. Aliás, somente voltaram da pescaria com os prejuízos de uma noite ruim de trabalho.

Motivos para reclamar existiam aos milhões. Pessimismo era uma palavra facilmente encontrada na conversa entre os trabalhadores naquele dia. Porém, quando Pedro já estava limpando a tralha de pesca, recebeu uma palavra que certamente não esperava. “Jesus disse a Simão: —Leve o barco para um lugar onde o lago é bem fundo. E então você e os seus companheiros joguem as redes para pescar.” (Lc 5. 4 – NTLH).

Mesmo vinda de alguém tão especial esta ordem parecia descabida. Pedro, de forma educada, expõe um dos seus vários motivos para não fazer aquilo que Jesus pedia. “Simão respondeu: —Mestre, nós trabalhamos a noite toda e não pescamos nada. (Lc 5. 5 – NTLH)

Em outras palavras, Pedro estava dizendo que era desnecessário ir pescar novamente. Ele, experiente pescador, já havia lançado as redes nos melhores lugares, e isso a noite toda. Já havia lançado mão de toda a sua experiência, lançado iscas, jogado e recolhido as redes de diversas formas e nada. Por que agora seria diferente?

Quantas vezes diante da palavra de Deus levantamos os nossos motivos para desobedecer? Quantas vezes buscamos os "bons" argumentos da nossa experiência humana para dizermos um não a Deus? Quantas vezes desanimamos e olhamos todas as coisas com olhos de descrença?

Por um instante Pedro deixou que seu coração fosse inundado com o negativismo e com a falta de fé. Mas foi só por um instante, pois logo ele caiu em si e colocou a sua fé em ação e obedeceu a Jesus. “Mas, já que o senhor está mandando jogar as redes, eu vou obedecer.” (Lc 5. 5 – NTLH)

Fico imaginando que além de Pedro ter de montar novamente toda a tralha de pesca, ainda teve que convencer os companheiros de trabalho, já cansados e possivelmente desanimados, a ir novamente pescar. Certamente ouviu muitos motivos para não ir, mas manteve a decisão de obedecer mesmo tendo motivos contra.

O resultado foi que “Quando eles jogaram as redes na água, pescaram tanto peixe, que as redes estavam se rebentando. Então fizeram um sinal para os companheiros que estavam no outro barco a fim de que viessem ajudá-los. Eles foram e encheram os dois barcos com tanto peixe, que os barcos quase afundaram.” (Lc 5. 6-7 – NTLH)

Se procurarmos motivos para o pessimismo, para a descrença, para a desobediência, para o estresse, certamente encontraremos muitos. O que precisamos fazer é nos perguntar: Será que estes motivos são válidos? Será que não estão atrapalhando a vida abundante que Deus preparou para ser gozada? Será que não estão atrapalhando uma experiência mais profunda minha com Deus?

Aquilo que o Senhor falar, faça. Passe por cima dos seus motivos e obedeça a Deus. Escolha obedecer e seja abençoado.

“Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão, também ficaram muito admirados. Então Jesus disse a Simão: —Não tenha medo! De agora em diante você vai pescar gente. Eles arrastaram os barcos para a praia, deixaram tudo e seguiram Jesus.” (Lc 5. 6-7 – NTLH)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.