Angela Natel On quarta-feira, 30 de junho de 2010 At 06:45


Por Ariovaldo Ramos

Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito, do que o que toma uma cidade. Pv 16.32
Contra o que lutamos? Contra nós mesmos.

Daí, melhor a paciência para com o outro:
É treinamento para autodomínio.

O que precisamos conquistar? A nós mesmos.
Daí, melhor dominar o próprio espírito!

Quando a gente muda, uma parte do mundo muda com a gente.


Há os sinalizadores e os voluntariosos:

Os sinalizadores esperam e apontam caminhos.
Eles se conquistaram porque sabem do jeito de viver.
Deus existe: há um jeito certo de viver.

Os voluntariosos só têm tempo para si, para a sua vontade.
Até podem vencer guerras, mas não a principal: consigo mesmo.


Há dois Enoques na Bíblia:

Um herdou uma cidade que lhe era homônima.
A gente não sabe quanto ele viveu.
Sua família, para não mais voltar, saiu da presença de Deus,
Sua família quase levou o mundo a destruição.

O outro era da família que invocava a Deus…
Sabemos quanto tempo e como viveu.
Ele e toda a sua família:
É que só é contado o dia vivido diante de Deus!
Ele andava com Deus… E tanto! Que Deus o tomou para si!

O primeiro dominava uma cidade, o segundo se dominava.


Nome: todos tem um.

Alguns pensam que o nome o fará, e mudam de nome para mudar.
Nome é a gente que faz, com a vida que vive.
Um dia, porém, Deus mudará o nome de todos os que foram tornados seus:
Para o nome que conosco construiu.

Nome: cada um terá o seu!

Via : Reflexão


Angela Natel On terça-feira, 29 de junho de 2010 At 11:50



Ubirajara Crespo


Ef 6: E vós, senhores, de igual modo procedei para com eles, deixando as ameaças, sabendo que o Senhor, tanto deles como vosso, está nos céus e que para com ele não há acepção de pessoas.

Ameaça é uma característica de quem tem muita munição e pelo menos um alvo onde atirar Estes alvos podem se multiplicar, depende do número de empregados, das regalias oferecidas, do tamanho da estrutura e da necessidade de permanecer no emprego. A ameaça é a arma dos líderes medíocres e incompetentes.

O líder de verdade é um motivador por excelência, e ele mesmo, é um importante fator motivacional. É movido por metas e ideais que consegue transferir para o coração de seus liderados. Sabe formar um time, descobrir capacitações, valorizá-las e distribuí-las onde e quando funcionam mais harmoniosamente na equipe.

Jesus é o modelo a ser seguido pelo patrão que deseja aprender a tratar o empregado. Sendo Deus, não impôs aos seguidores uma relação escravagista, embora possuísse dfireitos e poderes para fazer este tipo de pressão. Preferiu conquistar pelo amor. Conviveu de pés descalços, se expôs, riu, chorou, conversou, expôs necessidades íntimas, se humilhou, lavou os seus pés e participou de festas públicas, familiares e particulares. E tem mais, se naquela época existisse futebol, jogaria, só para mostrar a importância de passar a bola e delegar jogadas.

Ninguém transmite valores subjetivos, metas de vida e comprometimento pessoal, escondendo-se atrás de uma porta fechada. Ninguém pode se considerar a última palavra, porque esta foi reservada para o único que pode mantê-la indefinidamente sob a sua guarda: Jesus!

Se você não consegue ver ninguém acima de você, seu mundo interior está perto de um terrível desastre. É por este motivo que não sou apostólico, pois não quero ser guiado por alguém que tem este tipo de visão a seu respeito. Apostolicidade não é posição hierárquica, é função. Não quero terminar no mesmo buraco para onde este diabólico modelo de liderança está indo. Digo diabólico porque é especialidade do diabo usar de forma distorcida títulos, tarefas e comportamentos divinos.


Vejamos o que a Bíblia diz a respeito.


1. Cuidado com o clone. O uso do titulo certo, pode ser um disfarce para encobrir o conteúdo certo.

Mt 7.15: ''Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores''.

2. O tôpo da hierarquia divina não é uma pessoa, mas a Igreja local.

Ef 3.10: ''...pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torna conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais''.


3. Um grupo e não um indivíduo toma decisões e estabelece rumos.

Atos 13.1,2: Havia na igreja de Antioquia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, por sobrenome Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de Herodes, o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado.

4. A pessoa mais importante é sempre o próximo e nunca eu.


Fl 2.3: Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo.

5. Dinheiro, dons e capacitações são ferramentas de serviço e não de domínio.


Cl 2.18: ''Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal''

6. A submissão é horizontal e não vertical, ou seja, de uns para os outros e não dos todos para mim.

Cl 3.16: ''Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração''.


7. Paulo não relacionava os apóstolos como parte do grupo de liderança na Igreja local.

Fl 1.1: ''Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus, inclusive bispos e diáconos que vivem em Filipos''.


Espero que estes texto o conduzam à uma profunda reflexão.


Ubirajara Crespo é pastor, escritor, conferencista, editor e diretor da Editora Naós.

Vi em Guiame


http://www.genizahvirtual.com/

Angela Natel On At 06:32
"A questão é simples. A Bíblia é muito fácil de entender. Mas nós, cristãos, somos um bando de vigaristas trapaceiros. Fingimos que não somos capazes de entendê-la porque sabemos muito bem que no minuto em que compreendemos estaremos obrigados a agir em conformidade.

"Tome qualquer palavra do Novo Testamento e esqueça tudo a não ser o seu comprometimento de agir em conformidade com ela. ‘Meu Deus’, dirá você, ’se eu fizer isso minha vida estará arruinada. Como vou progredir na vida?’. Aqui jaz o verdadeiro lugar da erudição cristã.

"A erudição cristã é a prodigiosa invenção da igreja para defender-se da Bíblia; para assegurar que continuemos sendo bons cristãos sem que a Bíblia chegue perto demais.

"Ah, erudição sem preço! O que seria de nós sem você? Terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo. De fato, já é coisa terrível estar sozinho com o Novo Testamento."

Por Soren Kierkegaard
Publicado originalmente no Genizah, sob o Título "A verdade escondida, nossa grande trapaça".


Angela Natel On segunda-feira, 28 de junho de 2010 At 06:41
Por: Daniel Clós Cesar


Há alguns anos, fui convidado por um pastor, e participei de um evento para jovens e adolescentes em uma igreja evangélica aqui de minha cidade. O objetivo do presbitério da instituição era ensinar a sã doutrina conforme a Palavra, sem nenhuma idéia humana ali embutida. Ora, isso era o mesmo que pensavam ser possível os historiadores da Escola Metódica ou Positivista, eles morreram acreditando serem totalmente imparciais, isso porque não leram seus próprios textos 50 anos depois. Ora, quem pode ser totalmente imparcial? Se você é a favor da pena de morte não será um discurso que lhe fará mudar de opinião, pessoalmente, acredito que apenas uma transformação gerado no Espírito Santo te fará pensar de outra forma. O mesmo digo dos “idolatradores” da Teologia da Prosperidade, só o Espírito Santo para fazer uma obra na vida deles e os transformar, ou alguém acredita que por tanto gritar eles vão acordar? Somente quem tem ouvidos ouve.

Pois bem, alguns pastores e líderes sentados no meio de um grupo de aproximadamente 50 jovens e adolescentes, ávidos por questionarem tudo aquilo que desejam fazer mas têm medo de que sejam disciplinados por tal atitude, ainda que a tal denominação, como tantas outras, diga não ter doutrinas senão as bíblicas.

Entre as primeiras perguntas, escritas em um papel, afinal ninguém quer mostrar a cara quando se tem 16 anos e não é filho de pastor ou levita, veio a seguinte: “Jesus era tatuado, posso fazer uma tatuagem?”

A gente já sabe de onde o rapaz ou moça tirou a idéia de que Jesus é tatuado (Ap 19.16), e não vou entrar aqui no detalhe se Jesus é ou não tatuado, eu tenho tatuagem e fiz depois de muitos anos de convertido, mas não aconselharia ninguém a fazer uma, você pode se arrepender mais tarde, então, mantenha a pele limpa até ter certeza de alguma coisa... mas voltando ao Jesus tatuado e se eu posso ou não fazer a resposta dos pastores foi, entre outras coisas: “tatuagem tem um simbolismo perverso, é usada por pessoas de gangues e promiscuas, não por alguém que já teve um encontro com Deus etc...” por fim a mesma bobagem de sempre: “a Bíblia diz que não se deve marcar o corpo”.

Também sabemos de onde vem essa pérola, e aqueles que lêem a Palavra sabem que ela está incompleta. A Palavra diz em Lv 19.28, que “não golpeareis o corpo nem o marcareis pelos mortos”... hum mudou muito... mas não quero parar aqui, não quero me deter nas coisas pequenas, quero ir para o macro, para ver se assim, os legalistas conseguem abrir seus olhos. Neste mesmo capítulo de Levítico, a lei mosaica também proíbe o consumo de sangue animal, o corte arredondado do cabelo, o se vestir com roupas de diferentes malhas (ex: algodão e lã), manda guardar o sábado e por fim intruí quanto à prática do sacrifício de carneiros.

O que aconteceu que apenas um pedaço da lei foi mantido e o restante foi “detonado”? Moisés não ouviu direito o que Deus lhe disse e escreveu coisas além do necessário? Não servem mais?

Pergunta vai, resposta vem, surge o piercing... Ah o piercing... a resposta foi das melhores, vai bem a calhar com o fim da novela das 8 da Globo. “Essa é uma prática indiana em homenagem a ídolos, representa sensualidade e é demoníaca. Um cristão não pode ficar copiando esse tipo de coisa”. Aí resolvi participar, apesar de ser convidado. Fiz então a seguinte colocação e pergunta:

“Pastor, mas quando Eliezer encontra Rebecca ele lhe põe um pendente no nariz. Se lermos em Êxodo, vamos ver que as mulheres hebréias doaram seus pendentes de nariz para os utensílios do templo. Não poderíamos nós então pensar no “significado” do pendente para os judeus e não para os indianos?”

Antes da resposta ouvi: “De que igreja você é mesmo?” Depois de responder ouvi um solene: “Porque motivo seguiríamos a lei? Haviam outros povos andando com os judeus no deserto, certamente era desses outros povos, que não eram de Deus, os pendentes”.

Contraditório? Não, absurdamente insano, mundano e perverso esse tipo de pensamento. Um pensamento que só deseja cativar de forma violenta pessoas que vão ali em busca de água, e o que recebem para beber? Vinagre?

O mesmo aconteceu comigo aí já em outro lugar quando questionei uma festa à fantasia organizada por membros da minha igreja há vários anos atrás. Até porque essas mesmas idéias de “significados” rolam por lá. Discuti o fato de festas à fantasia estarem na origem das festas carnavalescas, nas orgias e outros tipos de eventos profanos desde a Antigüidade, e falo com a propriedade de um professor de História com estudos na área de História Antiga Clássica, e encontramos tanto na literatura tradicional como na hoje disposta na internet, uma vasta bibliografia à respeito.

O que ouvi foi: “Não podemos levar tudo tão à sério assim não”.

Ora, que tipo de cristianismo estamos vivendo? Um cristianismo arbitrário que escolhe aquilo que é bom e aquilo que é ruim conforme a moda, que diz não ao incenso mas diz sim ao mantra “gospelizado”, que diz não a música secular mas sim aos filmes seculares que usam essas mesmas músicas como tema? Aí quando queremos incorporar uma nova mania espiritualizamos tudo e dizemos: “Vamos resgatar o que o diabo nos tomou, e agora vamos fazer isso ou aquilo”.

A hipocrisia já atingiu faz muito tempo o ápice dentro da igreja instituição. Que a cada momento “resgata” alguma coisa das mãos do diabo. “Resgataram” o rock e o tornaram espiritual, “resgataram” a dança e a tornaram profética, “resgataram” a guitarra e a tornaram ungida, “resgataram” as festas à fantasia e tornaram momento de comunhão... só esqueceram de resgatar o homem e dar-lhe a chance de ser chamado, Filho de Deus.

Autor: Daniel Clós Cesar
Contato: daniel.clos@gmail.com


Angela Natel On domingo, 27 de junho de 2010 At 06:36

Ariovaldo Ramos

Igreja é um lugar onde o Pai se sente em casa,

Onde é adorado pelo que é e não pelo que pode,

Onde é obedecido de coração e não por constrangimento,

Onde o seu reino é manifesto no amor, na solidariedade, na fraternidade e serviço ao outro,

Onde o ser humano se perceba em casa e seja a casa de Deus e do outro,

Onde Jesus Cristo é o modelo, o desejo e o caminho,

Onde a graça é o ambiente, o perdão a base do relacionamento e o amor a sua cimentação.

Onde o Espírito Santo está alegre pela liberdade que desfruta para gerar e expressar a Cristo,

Onde Ele vê os seus dons serem usados para edificar, provocar alegria e servir ao próximo,

Onde todos andam abraçados,

Onde a dor de um é a dor de todos,

Onde ninguém está só,

Onde todos têm acesso ao perdão, à cura de suas emoções, à amizade e a ser cada vez mais parecido com Cristo,

Onde os pastores são apenas ovelhas-exemplo e não dominadores dos que lhes foram confiados,

Onde os pastores são vistos como ovelhas-líder e não como funcionários a serem explorados.

Onde não há gente nadando na riqueza enquanto outros chafurdam na miséria,

Onde há equilíbrio, de modo que quem colheu demais não esteja acumulando e quem colheu de menos não esteja passando necessidades.

Enfim, a comunidade do reino de Deus,

Onde aparece a humanidade que a Trindade sonhou,

Onde a cidade encontra paradigmas.

Onde o livro texto é a Bíblia.

fonte: Blog do Ari


http://www.pavablog.com/


Angela Natel On sábado, 26 de junho de 2010 At 07:50


Fernando Khoury


“O perverso, na sua soberba, não investiga; que não há Deus são todas as suas cogitações” Salmo10.4



Após ouvir as últimas pérolas do comentarista esportivo Juca Kfouri alfinetando, pela milionésima vez, sua fé em Jesus Cristo, Kaká resolveu se pronunciar.

A indignação de Kaká tem razão de ser. Não é a primeira vez que o jornalista perde tempo precioso na mídia para atacar a fé que jogadores de futebol depositam em Jesus. Em um dos programas do Jô Soares, inclusive, ambos se divertem às custas da fé dos atletas e do seu agradecimento a Jesus Cristo.

São várias as acusações. “Os jogadores colocam Jesus Cristo onde ele não tem que estar”. “Existem lugares apropriados e definidos para se manifestar a crença em Jesus”. “Tá ficando chato toda hora ver jogador levantando a mão pro céu agradecendo a Jesus pelo belo gol ou pela brilhante defesa”. “Essa manifestação dos jogadores é uma forma de tenta enfiar a fé cristã pela minha goela abaixo”. “Agradecer a Jesus durante a partida de futebol é merchandising religioso”.

O que é mais paradoxal no discurso de Juca Kfouri é a energia que ele despende para criticar e censurar algo que ele mesmo acredita não existir. É intrigante como a fé de Kaká incomoda tanto a razão de Juca Kfouri.

Há tanta mazela no mundo em que vivemos para ser denunciada, existe tanta atitude repugnante e suja nos bastidores e nas emissoras de TV para ser delatada, há tantos vícios, orgias e outras promiscuidades no mundo do futebol para serem criticadas, que a escolha da fé em Jesus Cristo para ser alvo de ataque na mídia chega a ser grotesca. É por essas e outras que gosto de dizer que Juca Kfouri, antes de ser um ateu, é um à toa.

Sim, Juca Kfouri é um ateu à toa. À toa não apenas no sentido de alguém que não tem ocupação ou não tem o que fazer, mas principalmente no sentido de alguém que não tem razão. Juca Kfouri condena a fé de Kaká à toa – sem qualquer razão ou justificativa – e à toa – porque sua postura demonstra que não deve ter nada mais importante para fazer ou pensar.

Isso mesmo: Juca usa sua razão para embasar seu ateísmo, e usa seu ateísmo para acusar sem razão. É um arrogante intelectual que confunde laicidade de Estado com intolerância à fé, desconhecendo até mesmo que o direito que hoje ele possui de não acreditar ou professar fé alguma tem lastro na própria liberdade de convicção religiosa, conquistada pelo sanque de mártires do passado. Assim, se ele condena a liberdade de manifestação de crença, ele está condenando a livre manifestação do seu próprio ateísmo.

E não é só. Vejam que contrassenso: Juca critica e debocha de Kaká por manifestar sua fé através do seu trabalho (futebol), enquanto o próprio Juca faz uso do seu trabalho (jornalismo) para manifestar sua falta de fé e criticar a manifestação das demais. Juca acusa Kaká de colocar Jesus Cristo em lugares inapropriados, onde Ele não está. Ora, fico me perguntando se Kaká também não poderia acusar Juca de manifestar sua falta de fé em lugares inadequados?

O ateu à toa faz uso da liberdade de imprensa para censurar a manifestação da liberdade de religião. Agora, eu te pergunto: o que é mais racional? O que deve prevalecer? A permissão ao agradecimento de um religioso a Deus de acordo com sua crença ou a proibição às manifestações de fé com base na intolerância e no desconforto de um descrente?

Imagino que grande parte do desconforto de Juca Kfouri se deve à revolta interna que ele sente ao perceber que a razão que motiva sua descrença não tem resposta para a maioria de suas inquietações. E, muito menos, para explicar a fé e a confiança que as pessoas – sejam elas alfabetizadas e bem informadas como Kaká ou não – têm em Jesus Cristo.

A razão acusadora do ateu à toa não lhe fornece subsídios para entender o que faz com que um homem que diz ter ressuscitado há mais de dois mil anos atrás rompa as barreiras da história, do tempo, do espaço e da evolução científica para influenciar e transformar vidas de pessoas sedentas em pleno século XXI.

O mesmo Jesus que Juca faz questão de negar disse certa vez que a boca fala do que o coração está cheio. Assim fica mais fácil entender o porquê de tantos ataques à fé cristã. É simples: o coração do Juca está cheio de ódio às pessoas que atribuem seus méritos e conquistas a Jesus Cristo.

Ver um jogador de futebol levantando as mãos pro céu após o gol causa náuseas ao ateu à toa, talvez porque ele próprio não tenha pra onde levantar as próprias mãos quando algo de bom lhe acontece. Ouvir um goleiro agradecendo a Jesus Cristo pela defesa realizada deixa o ateu à toa com ânsia de vômito, muito provavelmente porque ele não sabe – e não tem – a quem agradecer por uma conquista. Testemunhar o clamor e a gratidão de uma mãe desesperada pelo consolo que Deus lhe proporcionou quando perdeu seu filho num acidente soa como ignorância para o ateu à toa, porque ele simplesmente não tem a quem recorrer quando a razão não apresenta explicação para as perguntas sem resposta que a vida lhe impõe.

Enquanto isso, Juca Kfouri continua desprezando a alegria infinita que Deus pode e quer oferecer aos homens, como um prisioneiro dentro de uma caverna que, acorrentado à escuridão de sua própria razão, só consegue enxergar através de uma única fresta de luz exterior, julgando ser real aquilo que é apenas uma sombra da verdadeira realidade.

O Deus vivo não é um fenômeno que pode ser explicado ou comprovado por experimentos de laboratório. Deus deve ser sentido pelo coração, e não provado pela razão. Até porque a ciência jamais poderá explicar um Deus que, mesmo sendo todo-Amor, consola com a dor, cura com a ferida, apaga o passado com fogo, fala nos momentos de silêncio e dá a paz com o conflito interior.

Aliás, muitas das presunções dos que se dizem racionalistas e ateus devem ser repensadas sob a lógica das hipóteses que eles mesmos aceitam como verdadeiras. Como diz C. S. Lewis, “se o sistema solar foi criado por uma colisão estelar acidental, então o aparecimento da vida orgânica neste planeta foi também um acidente, e toda a evolução do Homem foi um acidente também. Se é assim, então todos nossos pensamentos atuais são meros acidentes – o subproduto acidental de um movimento de átomos. [...] Mas se os pensamentos deles são meros subprodutos acidentais, por que devemos considerá-los verdadeiros? Não vejo razão para acreditarmos que um acidente deva ser capaz de me proporcionar o entendimento sobre todos os outros acidentes. É como esperar que a forma acidental tomada pelo leite esparramado pelo chão, quando você deixa cair a jarra, pudesse explicar como a jarra foi feita e porque ela caiu”.

Por isso, entre ser escravo de uma razão que nunca vai me libertar e ser amigo e servo de um Deus que me faz livre, fico com a liberdade. Entre ser dependente de uma intelectualidade que me torna cada vez mais arrogante e ser dependente de um Deus que me faz humilde, prefiro a humildade. Entre as presepadas passageiras faladas por Juca Kfouri e as palavras de vida eterna e paz deixadas por Jesus, fico com as de Jesus. Em vez de dar crédito a um ateu que não acredita em Deus, prefiro dar crédito a um Deus que não acredita em ateus. Prefiro ter fé em um Deus que não acredita em “Jucas Kfouris”.

A diferença entre o ateu à toa e Kaká? Para o primeiro, nada na vida é um milagre. Para Kaká, tudo na vida é um milagre. Parafraseando Benjamin Franklin, Kaká acredita no cristianismo da mesma forma que acredita que o sol nasce todo dia. Não apenas porque o vê, mas porque através dele Kaká vê tudo ao seu redor.

E, da minha parte, faço como Kaká: agradeço este texto a Jesus Cristo, porque, sem Ele, eu não posso fazer nada!



Fernando Khoury enviou este artigo ao Genizah



Que impáfia deste impio usar uma frase determinando "onde é o lugar de Jesus". Quando em 94 alguns jogadores marcaram gol e levantaram o dedinho (remetendo ao número 1 da cerveja Brahma), por acaso este camarada veio à público dizer que o lugar da cerveja não era na comemoração? Creio que não. Danilo


Angela Natel On At 06:36
Angela Natel On sexta-feira, 25 de junho de 2010 At 06:09
Angela Natel On quinta-feira, 24 de junho de 2010 At 06:58

Nos meses de junho e julho deste ano, o mundo todo estará voltado para o evento que une fãs de futebol e torcedores de seus países. A Copa do mundo é um momento em que as nações passam a ter o sentimento de confraternização. Em alguns países, por exemplo, no momento em que sua seleção entra em campo, algumas empresas reúnem os funcionários para assistir ao jogo, alguns comércios fecham e outros abrem especificamente para receber as torcidas.

A mídia também acaba voltando sua atenção para esse tema nos anúncios de jornais, revistas e comerciais de televisão. Um banco, por exemplo, usou a imagem de duas crianças de origens diferentes, um é judeu, o outro palestino, e o futebol os une. Possivelmente, em eventos desse porte, em que várias nações participam, as pessoas esperam que haja um pouco mais de paz e união no mundo.

A Missão Portas Abertas aproveita esse ensejo para finalizar o DIP 2010 com a Campanha 30 dias de oração em favor de três países que figuram na Classificação de países por perseguição, que é a lista das nações mais intolerantes ao cristianismo.

O período escolhido é exatamente o período da Copa, ou seja, de 11 de junho a 11 de julho. E os países que integram nossa campanha são a Coreia do Norte, Argélia e Nigéria, que ocupam a 1ª, 25ª e 27ª posições na Classificação.

Serão 10 dias de oração para cada país, totalizando os 30 dias. O intuito da Missão Portas Abertas é estritamente o de orar por esses países, independentemente do resultado dos jogos. Nosso dever enquanto Corpo é interceder uns pelos outros, portanto, vamos aproveitar a oportunidade que esse evento traz e vamos clamar por essas nações e por nossos irmãos perseguidos.

Faça o download dos pedidos de oração - http://www.portasabertas.org.br/DIP/dip_2010/pos.asp

Participe deste importante momento de unidade e clamor em favor de nossos irmãos perseguidos. Afinal, as Escrituras nos exortam: “Orem continuamente” (I Tessalonicenses 5.17).

Angela Natel On quarta-feira, 23 de junho de 2010 At 06:32



Você sabia que três países que participarão da Copa do Mundo fazem parte das nações que mais perseguem os cristãos?

Anualmente, a Missão Portas Abertas lança a Classificação de países por perseguição, lista que relaciona os 50 países mais intolerantes ao cristianismo. Dentre eles, estão a Coreia do Norte, Argélia e Nigéria, nações que ocupam o 1º, 25º e 27º lugares respectivamente.


A seleção brasileira estreia no mundial jogando contra a equipe norte-coreana no dia 15 de junho. Se não fôssemos cristãos, poderíamos pensar que essa é uma grande “coincidência”, mas ver nossa seleção - composta por jogadores que vivem em um país livre e não enfrenta perseguição religiosa severa - jogar contra a seleção que representa o país mais fechado ao Evangelho e pelo qual tanto oramos é muito “de Deus”.

Imagine se os atletas cristãos brasileiros tivessem a oportunidade de, com toda a sabedoria e direção do Espírito Santo, evangelizar os norte-coreanos. Será que não descobriríamos que alguns daqueles jogadores são cristãos secretos?

O jogador japonês Jong Tae-Se, naturalizado norte-coreano, cedeu uma entrevista à Sportv. Nela, ele disse que gostaria que as pessoas mudassem a opinião que têm a respeito de seu país. O interessante é que ele usava uma corrente com uma cruz, ou melhor, duas cruzes! Será que esse corajoso rapaz é cristão? Ou ainda que não seja, será que essa atitude não demonstra o desejo de que seu país seja menos rigoroso e as pessoas possam seguir sua fé de forma verdadeira?

O que temos acompanhado na mídia é que a delegação norte-coreana já criou várias proibições de aproximação entre a mídia e seus jogadores.

Os brasileiros poderão torcer e celebrar a partida, já a nação norte-coreana, não. O presidente, Kim Jong Il, decidiu que os jogos só passarão na TV estatal, porém não serão transmitidos ao vivo. Somente os melhores momentos dos jogos que o time vencer serão exibidos.

A Coreia do Norte ocupa a primeira colocação na Classificação há oito anos consecutivos. Ser cristão naquele país é uma experiência muito árdua. Caso seja descoberto, o cristão é enviado para campos de trabalhos forçados, onde são tratados de forma precária e muitos morrem de fome. Além disso, pode-se ser executado publicamente para que outros desistam de sua fé, ou ainda toda uma família pode ser dizimada, sendo ou não cristã.

Idolatria ao falecido pai do atual ditador da Coreia do Norte.

Todo cidadão norte-coreano é obrigado a usar um broche com a imagem de Kim Il-Sung, pai do atual presidente, além de curvar-se e pedir a bênção diante de sua estátua. Por todos os lados existem quadros e fotografias do líder, que é chamado de “grande pai”. Pela manhã, os microfones de Pyongyang, capital do país, tocam uma música lembrando o falecido presidente.

A escolha pela fé naquele país comunista e de grande repressão implica um alto preço. Porém eles continuam lutando e não desistem. Eles enfrentam as mais duras ameaças, mas o amor por Cristo é maior do que o medo da morte.

Quando nosso país estiver em campo com esses atletas, lembre-se de que milhares de norte-coreanos necessitam do amor de Deus. Além dos nossos irmãos que vivem sob condições difíceis de sobrevivência, toda a nação precisa da liberdade encontrada em Cristo.


Argélia

Já na Argélia, 99% da população é muçulmana. Apesar de haver milhares de cristãos argelinos, eles representam menos de 0,5% da população e se reúnem nos lares secretamente.

A nação está localizada no norte da África e é um dos maiores países do mundo. Lá, o testemunho cristão é proibido. Em 2006, o Decreto 6-3 restringiu os cultos não islâmicos. Ele proíbe qualquer ação que “incite, obrigue ou se utilize de meios indutivos objetivando a conversão de um muçulmano para outra religião, ou usando para esse fim (...) qualquer outro estabelecimento, ou recurso financeiro”.


Igreja transformada em biblioteca. Argel, capital da Argélia.

A punição para tais atividades é de dois a cinco anos de prisão e multa. Somente igrejas autorizadas pelo governo têm permissão para se reunir.

Entretanto, sob a lei civil, a conversão não é ilegal. Organizações missionárias são autorizadas a realizar atividades humanitárias sem a intervenção do governo, desde que não evangelizem muçulmanos. Conversões do islamismo ao cristianismo acontecem, embora sejam em pequena quantidade. Com frequência, trabalhadores cristãos são ameaçados e atacados por extremistas, muitos sendo martirizados.

Até o momento, nenhum cristão argelino foi sentenciado à prisão com base em acusações religiosas. Suspender as sentenças é uma forma de o governo argelino proteger-se de grupos de direitos humanos, mostrando-lhes que não há cristãos condenados nas cadeias. Os que estão sob julgamento, porém, ou apelando de suas sentenças, afirmam que essa publicidade negativa atrapalhou os negócios e a vida familiar.


Nigéria

A Nigéria, 27ª colocada na lista dos que mais perseguem os cristãos, além das diferenças étnicas, é uma nação dividida pela religião. No norte a maioria da população é muçulmana e no sul, cristã.

Constitucionalmente, a Nigéria é um Estado laico com liberdade religiosa. Durante quase 40 anos, o governo no norte deu tratamento preferencial a muçulmanos e discriminou os cristãos. Pouco foi feito para pôr um fim à perseguição e, como resultado, muitas igrejas foram queimadas e cristãos foram mortos.


Igreja destruída em ataque muçulmano em Jós, Nigéria.

Embora exista liberdade para evangelizar, há uma forte oposição dos muçulmanos contra os cristãos que procuram praticar esse ministério. A oposição islâmica já foi responsável pela morte de muitos mártires. Apenas entre 1982 e 1996, ocorreram mais de 18 conflitos de grande escala entre cristãos e muçulmanos no norte da Nigéria.

Tais conflitos deixaram um saldo de mais de 600 cristãos mortos e cerca de 200 igrejas incendiadas.

Ainda hoje, vários ataques contra os cristãos têm acontecido no país. Este ano, mais de 500 foram mortos. Muitas mulheres ficam viúvas, pois seus maridos, pastores, são mortos pelos extremistas e a elas fica a incumbência de cuidar da família.


Intercessão

Quando assistirmos os jogos da Copa este ano, devemos lembrar que milhões de cristãos em alguns dos países que participam do evento estão sendo perseguidos. Devemos interceder por seus governantes e autoridades.

A alegria desse evento não deve ser maior do que a alegria de sabermos que pessoas têm conhecido o Salvador e que nossos irmãos continuam firmes em sua fé.

Acesse http://www.portasabertas.org.br/DIP/dip_2010/pos.asp e faça download da Campanha de 30 dias de oração pelos três países mencionados neste texto. São 10 dias de intercessão por cada um deles.

Os cristãos da igreja sabem o que é ser parte de um time. Não fique apenas torcendo, entre no jogo!


Portas Abertas nos ofereceu este artigo,
com exclusividade, para a publicação no
Genizah Almanaque.

Encorajamos que você o reproduza
em seu blog ou site e divulgue:


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/#ixzz0ranAOAwI
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike
Angela Natel On terça-feira, 22 de junho de 2010 At 10:06
Angela Natel On segunda-feira, 21 de junho de 2010 At 06:13
Por Marcelo de Oliveira

É normal ouvirmos em nossos cultos, congressos, seminários, a palavra “Shekiná”. Desde adolescente ouço esta palavra na igreja. Pregadores a usam com freqüência. Os “ministros do louvor” têm o hábito de usá-la. Temos até um cântico muito conhecido: “Derrama a tua “shekiná” sobre nós.

Agora pergunto: De onde tiramos a palavra “shekiná”? O que significa esta palavra? Será “shekiná” uma expressão encontrada nas Escrituras?

Começando pela última pergunta, a palavra “shekiná” não é encontrada em nenhum lugar das Escrituras! Penso que você neste momento está perplexo. Esses dias atrás, pregando em uma grande igreja aqui em São Paulo, falei sobre isto no púlpito e imagine a reação do plenário, bem como dos obreiros. Após o término do culto, várias pessoas me pararam e diziam: “Pr Marcelo, já ouvi “pregadores de renome” falar isso! Faz tantos anos que ouço todos falarem desta palavra “shekiná”, será mesmo que o sr não está enganado?

Exatamente aqui reside nosso problema. Nós ouvimos os “grandes pregadores” falarem, e aceitamos tudo. Não procuramos pesquisar, averiguar, perscrutar. Tudo o que é novidade, e é falada por alguém de “peso”, nós aceitamos e logo começamos a falar. Falta em nosso meio, cristão bereanos, que analisam a cada dia as Escrituras, para verem se está correto ( At 17.11). Notemos que era Paulo que estava pregando! Homem de cultura invulgar, conhecedor de toda lei judaica, e acima de tudo, um dos maiores pregadores que o mundo conheceu. Ora, se Paulo teve que passar no crivo dos bereanos, o que dizer de nossos pregadores? Serão estes maiores que Paulo?

Mas voltando ao assunto da palavra “shekiná”, este vocábulo não aparece na Bíblia Judaica [ Tanakh] nem no N.T, sendo uma palavra derivada da raiz hebraica -נ -כ- ש (sh-k-n), cujo significado é "habitar", "fazer morada". Se perguntarmos a qualquer irmão, o que significa esta palavra, todos dirão: "a glória de Deus, presença de Deus". Acontece que, “shekiná” não significa nada disso! O vocábulo “glória” no hebraico é “kavod” – o peso da glória de Deus.

A Shekiná, como uma idéia concreta, aparece só na literatura literatura rabínica, havendo somente "alusões" a esta presença divina, no meio do povo de Israel, na Torá, quando Deus disse ao seu povo :

וְעָשׂוּ לִי מִקְדָּשׁ וְשָׁכַנְתִּי בְּתֹוכָֽם׃: Ve Asu Li Mikdash Ve Shakhanti Betocham

- "e fareis um santuário para Mim, e habitarei no meio deles (dos israelitas)"[1];

"וְשָׁכַנְתִּי בְּתוֹךְ בְּנֵי יִשְׂרָאֵל, וְהָיִיתִי לָהֶם לֵאלֹהִים"

- "e habitarei no meio dos filhos de Israel, e serei-lhes por Deus"[2]; e

יְהוָה צְבָאֹות הַשֹּׁכֵן בְּהַר צִיֹּֽון׃

"o Eterno dos exércitos, aquele que habita em Sião"[3].


Conclusão

Vimos por meio deste singelo estudo que a palavra “shekiná” não está nas Sagradas Escrituras. Aprendemos também que “shekiná” não significa : glória, presença de Deus. Ela vem da raiz “shakhan” que significa – habitar, fazer morada. Esta idéia de “skekiná” aparece somente na literatura rabínica, onde os judeus cabalistas [4] começaram a usá-la a partir do séc XIII. Devemos estar sempre prontos a aprender e não ir além da Escritura. Foi o que Lutero disse para Erasmo: “A única diferença entre eu [ Lutero] e você [Erasmo] é que eu me coloco debaixo da autoridade das Escrituras, e você se coloca acima dela.



***
Marcelo de Olliveira é escritor, pastor, hebraísta e editor do blog Supremacia das Escrituras, um espaço dedicado à exposiçao das escrituras com ênase na exegese do texto hebraico


Notas:


[1] Exodo 25.8
[2] Exodo 29.45
[3] Isaías 8.18
[4] Cabala é um sistema religioso-filosófico que investiga a natureza divina. Kabbalah (הלבק QBLH) é uma palavra de origem hebraica que significa recepção. É a vertente mística do judaísmo.

(http://www.pulpitocristao.com/2010/05/palavra-shekinah-esta-mesmo-na-biblia.html)

Angela Natel On domingo, 20 de junho de 2010 At 06:25
Angela Natel On sábado, 19 de junho de 2010 At 06:53

“Mas que mulher! É a imagem insuperável da inclusão que Deus faz. Mesmo o menor dos menores tem a chance de se tornar herói da fé. (…) Não foi um líder, sacerdote ou profeta que teve a honra de fazer a confissão de fé mais poderosa desde a morte de Moisés, mas, sim, uma mulher, gentia e não religiosa, uma prostituta chamada Raabe.”

Em Mulheres que Deus usa, Ron Boyd-MacMillan mostra, a partir de exemplos da Bíblia e de sua experiência com a Igreja Perseguida, como muitas vezes Deus faz de mulheres simples, ou mesmo desprezadas pela sociedade, verdadeiras protagonistas da bela história da edificação do seu Reino.

Veja alguns dos exemplos citados pelo autor:
Deus usa mulheres esquecidas – Tamar/Irmã Wu
Deus usa mulheres excluídas – Raabe/Uma ladra
Deus usa mulheres frágeis – Bate Seba/Irmã Ana
Deus usa mulheres inadequadas – Rute/Kathy
Deus usa mulheres inexperientes – Maria/Uma adolescente

Ao final de cada capítulo são apresentadas perguntas para discussão em grupo.


Sobre o autor

Ronald Boyd-MacMillan é escocês e há 25 anos trabalha junto aos cristãos perseguidos em três continentes. Em 2009, assumiu a função de vice-presidente mundial de planejamento da Portas Abertas Internacional.

Ele é o apresentador do filme O Livro perigoso e autor dos livros A fé que persevera – guia essencial de orientação sobre a perseguição à Igreja e Mulheres que Deus usa, publicados pela Missão Portas Abertas.


Mais informações:

http://missaoportasabertas.wordpress.com/


Angela Natel On sexta-feira, 18 de junho de 2010 At 06:56
Angela Natel On quinta-feira, 17 de junho de 2010 At 06:03
Informações: www.wecbrasil.com.br

Angela Natel On quarta-feira, 16 de junho de 2010 At 06:18
Escrito por 70 Eruditos Africanos

19 x 24 cm

|

1.856 páginas

|Capa dura


"Esta obra monumental da erudição bíblica está repleta de insights úteis sobre a Palavra de Deus dos quais todo pastor, professor e cristão em geral se beneficiarão. Precisávamos de um comentário como este há muito, muito tempo!"
Rick Warren
Pastor da Igreja de Saddleback
Autor do livro Uma Vida com Propósitos

"Um marco no mundo editorial... Seu alicerce é bíblico, sua perspectiva é africana e sua abordagem de questões controversas é equilibrada. Eu mesmo pretendo usá-lo para que possa ter uma visão africana da Palavra de Deus. De fato espero que haja um público leitor mundial."
John Stott, extraído do prefácio

"Uma contribuição rica e valiosa ao conhecimento bíblico e ao entendimento. Recomendo-o aos líderes cristãos não apenas da Africa, mas do mundo inteiro."
Juiz James Ogenyi Ogebe
Suprema Corte da Nigéria

"Uma excelente e acessível combinação de erudição espiritual reconfortante e aplicação de grande relevância. Ele desafia a cristandade africana e além a um necessário compromisso de coração, mente e vontade. Seu público-alvo e a sua igreja como um todo vão considerá-lo um tesouro de grande valor."
Dr. Douglas Carew, vice-chanceler
Nairobi Evangelical Graduate School of Theology

"Este fabuloso volume é um marco para o cristianismo na África. Onde a Bíblia for amada e lida, este volume aumentará o entendimento das pessoas e a aplicação dele."
Dr. Christopher J. H. Wrigth
Diretor mundial da Langham Partnership International

http://www.erdos.com.br/email/info412-0510.htm

Angela Natel On terça-feira, 15 de junho de 2010 At 06:37
"O pecado sempre ganha força quando incontido."

(Rob Bell & Don Golden - Jesus quer salvar os cristãos)
Angela Natel On segunda-feira, 14 de junho de 2010 At 06:12
V ENCONTRO NACIONAL RENAS
12 a 14 de agosto de 2010
"Transformando a sociedade a partir da igreja local"


Local: Chalés da Aldeia - Recife/PE



O evangelho de Cristo não é apenas a única mensagem capaz de mudar e salvar a vida de uma pessoa. Ele é também a singular possibilidade de transformação integral do mundo. Esta foi a compreensão e a missão dos cristãos primitivos que, a partir de suas comunidades locais, agiram e interagiram como células de contracultura e revolucionaram o mundo em que viviam. Rejeitar a escravidão, respeitar e defender a dignidade de todas as pessoas, sobretudo mulheres e crianças e contribuir para uma sociedade mais justa foram apenas algumas das contribuições das igrejas do primeiro século.

“Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui”, foi a informação-denúncia contra os cristãos feita por aqueles que viviam e sobreviviam dos erros e injustiças estruturais do mundo antigo (At 17.1-6).

Esta é uma acusação que dignifica qualquer seguidor ou igreja de Jesus Cristo.

Considerando alguns grandes desafios que persistem hoje em nosso país, a Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) convida para o seu V Encontro Nacional, a se realizar pela primeira vez na região Nordeste.

Com este Encontro, RENAS deseja apoiar igrejas locais para que - por meio de ações pontuais e integradas bem como participação em políticas públicas - ampliem sua ação em prol da transformação de nossa sociedade.

Deus nos ajude no cumprimento desta sua missão, para que, de fato, “transtornemos” o mundo pelo poder do evangelho de Cristo.


OPÇÕES DE PAGAMENTO:
A. Somente a taxa de participação (não inclui hospedagem, nem alimentação): R$ 70,00. Prazo para pagamento: 30/07/10.

B1. Chalé para até 5 pessoas (250 vagas). Até 30/06/10 desconto de 10% - R$ 225,00.

B2. Chalé para até 5 pessoas (250 vagas). Até 30/07/10 - R$ 250,00.

C1. Quartos coletivos até 20 pessoas (100 vagas). Até 30/06/10 desconto de 10% - R$ 153,00.

C2. Quartos coletivos até 20 pessoas (100 vagas). Até 30/07/10 - R$ 170,00.


DADOS PARA DEPÓSITO:
AEBVB – Associação Educacional e Beneficente Vale da Benção
Banco Bradesco
AG. 0527-4
C/C 31989-9
CNPJ do Vale da Benção: 50.811.330/0001-35
Independente da opção, é necessário enviar comprovante de depósito via fax para (11) 4136-4777 – Vale da Benção para garantir sua inscrição.


Após efetuar o pagamento entre no site www.renas.org.br para preencher a Ficha de Inscrição.


PROGRAMAÇÃO

Dia 11.08 (Quarta-feira)
14:00 - 18:00 Reunião Grupo Gestor RENAS

Dia 12.08 (Quinta-feira)
09:00 - 12:00 Reunião Filiadas
10:00 - 12:00 Recepção e Credenciamento
12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 14:30 Abertura - Renas Pernambuco - Orivaldo Jr.
14:30 - 16:00 Plenária I Paul Freston - Conjuntura Nacional e Organizações Sociais
16:00 - 16:30 Intervalo
16:30 - 18:30 Oficinas:
A ROCHA –Transformando o meio ambiente a partir da igreja local
FALE – Juventude e participação política
Isabelle Ludovico - Cuidando de cuidadores
"SOS Global – Transformação das sociedades vítimas de catástrofes através de socorro emergencial e desenvolvimento comunitário."
"AECEP – O poder transformador de uma educação escolar cristã."
Rede Mãos Dadas – A criança na teologia cristã
CADI – Desenvolvimento comunitário
Renato Saidel - Política Nacional de Assistência e CNAS
Diaconia – Igreja e HIV

Mini Cursos:
Mobilizando Igrejas para a transformação social – Tearfund
Gestão de Ciclos de Projetos – Tearfund
Igreja Local e Redes Sociais - ALEF
A Igreja na contracultura de nossos tempos – Renas Pernambuco

18:30 - 20:00 Jantar
20:00 - 21:30 Culto Oficial de Abertura - Paul Freston - RENAS Nacional
21:30 Apresentação Cultural

Dia 13.08 (Sexta-feira)
07:30 - 08:15 Café da Manhã
08:30 - 09:15 Devocional - Pra. Siméa Meldrun
09:15 - 10:30 Plenária II "Paul Freston - Transformando a sociedade
a partir da igreja local"
10:30 - 11:00 Intervalo
11:00 - 12:15 Plenária III "Maruilson Souza - Exército da Salvação / Pr. Benedito Bezerra - Igreja Batista de Bultrins / Pr. John Philip Medcraft - ACEV - Ação Evangélica"
12:15 - 13:00 Debate e Conclusões
13:00 - 14:00 Almoço
14:00 - 15:30 Apresentação da Tearfund e Espaço para redes
15:30 - 16:00 Intervalo
16:30 - 18:30 Oficinas:
A ROCHA –Transformando o meio ambiente a partir da igreja local
FALE – Juventude e participação política
Isabelle Ludovico - Cuidando de cuidadores
"SOS Global – Transformação das sociedades vítimas de catástrofes através de socorro emergencial e desenvolvimento comunitário."
"AECEP – O poder transformador de uma educação escolar cristã."
Rede Mãos Dadas – A criança na teologia cristã
CADI – Desenvolvimento comunitário
Renato Saidel - Política Nacional de Assistência e CNAS
Diaconia – Igreja e HIV

Mini Cursos:
Mobilizando Igrejas para a transformação social – Tearfund
Gestão de Ciclos de Projetos – Tearfund
Igreja Local e Redes Sociais - ALEF
A Igreja na contracultura de nossos tempos – Renas Pernambuco

18:00 - 20:00 Jantar
20:00 - 21:30 Culto - Sérgio Lyra
21:30 Apresentação Cultural

Dia 14.08 (Sábado)
07:30 - 08:15 Café da Manhã
08:30 - 09:15 " Devocional - Isabelle Ludovico
Cuidando dos Cuidadores"
09:15 - 10:30 Plenária IV Legislação, Articulação política e diálogo com a sociedade
10:30 - 10:45 Intervalo
10:45 - 11:30 Plenária V Maurício Cunha - Cosmovisão Cristã e Transformação Social
11:30 - 12:45 Culto de Encerramento (Ceia) - Pr. Carlos Queiroz
Angela Natel On domingo, 13 de junho de 2010 At 06:50

QUEBRANDO O SILÊNCIO from André on Vimeo.



É com imensa satisfação que convido a todos para o lançamento do "Quebrando o Silêncio", dirigido por mim. O evento será na próxima segunda-feira, dia 14 de junho a partir das 19:30 na Aldeia Urbana Kakané Porã, em Curitiba. Gostaria muito de contar com presença de vocês.
A cerimônia terá a participação de autoridades de todos os segmentos da sociedade.
Peço por gentileza, confirmar presença.
 
O nosso filme já está disponível na internet no site:
www.quebrandoosilencio.blog.br
 
Gostaria que você também repassasse esse convite para sua lista de contatos.
atenciosamente,
Sandra Terena.

Maiores informações:
8401-4095 (Oswaldo)
8503-5424 (Sandra)
ou a assessoria de imprensa do filme: Assessor de Comunicação Responsável
André Marques (andre@nqm.com.br)
(41) 3254-6077 e
Nextel (41) 7812-8402 e rádio 120*5799.
 
Breve currículo de Sandra Terena:
Sandra é jornalista formada pela Universidade Positivo e especialista em Comunicação Audiovisual pela PUC-PR, presidente da Ong Aldeia Brasil. Sandra é uma das autoras da Exposição Beleza Ameaçada, que abriu a Noite dos Museus em Torres Vedras, Portugal (2008); e diretora do documentário Quebrando o Silêncio, vencedor dos prêmios Voluntariado Transformador e Prêmio Jovem da Paz, ambos de relevância social.
********************************************************************
O infanticídio hoje:
Nos dias de hoje o infanticídio (prática que resulta na morte de criança) ainda é uma realidade em algumas tribos indígenas. Esse assunto, por ser polêmico, é contestado, e em alguns casos, tratado como inverdade ou apenas casos isolados. Em outras situações, há pesquisadores que defendem que o infanticídio faça parte da cultura indígena e por isso deve ser mantido.
O papel deste documentário não é fazer um julgamento de valor sobre as práticas nas culturas indígenas. “Quebrando o Silêncio” se propôs a escutar e a registrar as manifestações de indígenas que não querem mais praticar o infanticídio e, por isso desejam ser ouvidos e receber ajuda. No momento que o índio se manifesta, a sociedade tem a obrigação de interagir com ele e trazer soluções e alternativas para o infanticídio.
Dirigido pela jornalista indígena Sandra Terena, este documentário é resultado de mais de dois anos de entrevistas em diversas regiões do país, como alto Xingu, por exemplo. Por ser realizado por uma realizadora indígena, optou-se propositalmente em ouvir apenas os relatos de índios que sentiram na pele o sofrimento causado pelo infanticídio. Por conta da sua relevância, o documentário já recebeu dois prêmios: o Prêmio Voluntariado Transformador, na categoria redução da mortalidade infantil e o prêmio internacional Jovem da Paz, na categoria Comunicação.
*******************************************
Mapa da Aldeia no Google Earth:
Rua Del. Bruno de Almeida, 5400 - Campo de Santana, Curitiba - PR, 81490-000
 
 
**********************************************
Como chegar na Aldeia Kakané Porã:
indo pela BR 116 (sentido POA) passe a Eletrosul e vire a primeira a direita e siga reto, vire na rua Delegado Bruno de Almeida ( à esquerda) aí só seguir reto uns 500 metros e achar o nº5400 (a aldeia fica do lado direito da rua).
Angela Natel On sábado, 12 de junho de 2010 At 06:55
Angela Natel On sexta-feira, 11 de junho de 2010 At 06:56
Por Alessandro Cristian

Motivado por uma postagem que li no Púlpito Cristão, deixo aqui registrados os dois diplomas legais citados pelo prezado irmão Leonardo Gonçalves no texto em questão.

Nunca é demais lembrar, caros irmãos: Púlpito não é palanque! E política no templo é ilegal!


Lei n.º 9504/97, Artigo 37 § 4º: (1)

Art. 37. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados. (Redação dada pela Lei nº 11.300, de 2006) (g.m.)

§ 4o Bens de uso comum, para fins eleitorais, são os assim definidos pela Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil e também aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios, ainda que de propriedade privada. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009). (g.m.)


Artigo 13 da Resolução 22.718/2008 do Tribunal Superior Eleitoral: (2)

Art. 13. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados (Lei nº 9.504/97, art. 37, caput). (g.m.)

§ 2º Bens de uso comum, para fins eleitorais, são os assim definidos pelo Código Civil e também aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios, ainda que de propriedade privada. (g.m.)


***
Fonte: Alessandro Cristian... Em construção, via Púlpito Cristão


Notas:
(1) www.planalto.gov.br (Acesso em 06/05/10);
(2) www.tse.gov.br (Acesso em 06/05/10).


Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.