Angela Natel On segunda-feira, 21 de setembro de 2009 At 06:36

Mateus 6:9-15; Lucas 11:1-4; 2ª Crônicas 7:14

1. PRINCÍPIOS PARA A ORAÇÃO

1.1. Não devemos orar como uma forma de ostentação e sim para que nós sejamos ministrados por Deus. Orar para que Deus ouça, não para que as pessoas ouçam. É preciso se humilhar na oração e não se exaltar. Mateus 23:14; Lucas 18:11-14

1.2. A oração é algo particular entre nós e Deus. Precisamos ser sinceros diante do Senhor. Não podemos ser superficiais na conversa. Não podemos esconder nada ou até fazer de conta que somos ‘alguma coisa a mais’.

1.3. Deve-se manter um devocional pessoal diário. Buscar um lugar que possamos chamar de “Quarto de Escuta”. Onde vamos estar à sós com Deus. Isto gera intimidade com Deus. Mateus 6:6; Salmo 25:14 - Temos que estabelecer um tempo de oração pessoal.

1.4. Temos que estabelecer também um tempo de oração para a família.

1.5. Não se deve usar de vãs repetições, como se Deus não soubemos do que precisamos. Ou que pelo muito repetir vamos conseguir algo de Deus! Ex.: Rezas, novenas.

1.6. Devemos ter propósitos na oração - o Espírito Santo colocará nos nossos lábios as palavras certas, se esperarmos nEle.

1.7. A oração deve ser acompanhada de fé, sem a fé não há respostas (Hb. 11:6). Não precisamos ver para crer, mas crer para ver (Jo 11:40; 20:29).

1.8. Devemos estar plenamente convictos de que Deus está atento ao que falamos, pois Ele ouve nossas orações.

2. 0 NOSSO ESTILO DE ORAÇÃO

Estilo é o conjunto das qualidades de expressão, características de alguém. Veremos em alguns personagens bíblicos seu estilo de oração:

2.1. Quanto ao local

Gn 24:63 - Isaque medita no campo

Gn 3:8 - Deus buscava a comunhão com o homem no jardim

Mt 14:23 - Jesus subiu ao monte para orar

Lc 5:16 - Jesus se retirava para lugares solitários

Jo 11:41-42 - Jesus orou no cemitério

At 2 1:05 - Paulo ora na praia

At 22:16 - Paulo ora no templo

Dn 6:10 - Daniel orava no quarto em direção a Jerusalém

2.2. Quanto ao tempo

Gn 3:8 - Deus buscava o homem na viração do dia

Gn 24:63 - Isaque medita no cair da tarde

Mt 14:23 - Jesus orava no cair da tarde

815:3 - Davi ora pela manhã

Sl 42:8 - Davi ora à noite

811 19:63 - Davi ora à meia-noite

Dn 6:10 - Daniel ora três vezes ao dia

Dn 10:2 - Daniel ora 21 dias

Ef 6:18 - Paulo ora em todo o tempo

2.3. Quanto ao tamanho

Ne 1:4-9 - Oração tamanho médio - Senta, chora e lamenta

Dn 2:19-23 - Oração tamanho curto - agradece resposta

Ne 2:4-5 -Oração tamanho curtíssimo - busca direção – oração relâmpago

Ne 9:5-37 - Oração tamanho longo - intercede pedindo socorro pelo povo

2.4. Quanto ao modo

Dn 6:10 - Como de costume

Lc 22:44 - Intensamente

Dn 10:2 - Intercede pela nação

Dn 2:17-18 - Clama socorro

Sl 26:1 - Clama socorro por si

Si 69:22-25 - Desabafa seus desejos

Lc 9:16 - Abençoa alimentos

Lc 6: 12 - Preparando-se para a escolha de discípulos

Jo 11:41-42 - Agradecendo antecipadamente, conforme Cl 4:2.

Assim como você criou seu estilo de roupa, de uso do cabelo, de alimentação, busque desenvolver seu estilo de comunhão com o Senhor.

Viver orando deve ser um estilo de vida para todo o crente (1 Ts 5:17); na sua intimidade com seu Senhor você descobrirá a forma peculiar de ter comunhão com Ele.

E não se esqueça de que Ele te espera na viração do dia (18 horas).

3. DEZ ITENS QUE JESUS ESTABELECEU NA ORAÇÃO

A oração do “Pai Nosso” é para nós um exemplo de como podemos desenvolver um estilo de oração saudável. Use-o sempre ao se achegar a Deus, não como uma repetição, mas com os princípios que cada ponto estabelece.

1 - REDENÇÃO - Pai nosso

à Por que chamá-lo de Pai? Porque só os convertidos, só os que receberam a Jesus, podem chamá-lo de Pai (Jo. 1:12; 10:30). Porque Ele nos deu vida quando estávamos mortos. (Ef. 2:1 / 01. 2:20). Deus nos deu promessas, e por elas nos fez participantes da natureza divina (II Pe. 1:4).

2 - AUTORIDADE - Que está nos céus

à Ele é o Senhor: soberano, criador, todo-poderoso.

à Ele nos deu autoridade e poder (Mc 16:17 / Lc. 10:19).

à Ele nos deu senhorio na Terra (On 1:28 / Ef. 1:22-23).

3 - ADORAÇÃO - Santificado seja o teu nome!

à O Senhor procura verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade.

(Jo. 4:23-24)

à Este expressão ‘santificado seja o teu nome’ expressa um desejo sincero que isto verdadeiramente se estabeleça em nossas vidas!

4 - GOVERNO - Venha a nós o teu reino!

à Todo o poder nos céus e na terra foi dado a Jesus... isto é uma herança para nós também (Mt. 28:18 / Ef. 1:22-23).

à Deus governa todo o Universo e governa também a minha vida.

à O governo de Deus implica em impactar o mundo através do Evangelho (At. 17:6).

à Estabelecer o governo de Deus aqui na terra implica em obedecer ao manda­mento que Paulo registrou em 1 Timóteo 2:1-4 - orar por todas as autoridades constituídas.

5 - EVANGELIZAÇÃO - Seja feita a tua vontade assim na Terra como no céu!

à A implantação do reino de Deus diz respeito ao desejo que Deus tem de colo­car todas as coisas em ordem com a Sua Palavra revelada: que todos sejam salvos, que sejam santos, que não haja injustiça ou corrupção, etc.

à A vontade de Deus é que todo pecador se arrependa, então, precisamos evangelizar o mundo (Mc. 16:17).

à Condições para ser um evangelista:

a) Ser salvo. (Rm. 3:24)

b) Capacitar-se biblicamente .(Pv. 2:1-5)

c) Ter compaixão pelos perdidos. Amá-los e não criticá-los. (Mc. 6:34 / Mt. 14:14)

d) Ser cheio do Espírito Santo. (At. 1:8; 2:4 / Jo. 14:16)

e) Ser membro ativo de uma Igreja. (Hb. 13:17)

f) Ter um bom testemunho. (Ex. 18:2 1)

g) Testificar a outros o que Deus fez em sua vida.

à Por isso tenha uma vida segundo o padrão de Deus: não beba, não fume, não usa drogas, não se prostitua, etc. (Jo. 4:28-30 / 1 Ts. 4:3-4)

6. PROVISÃO - O pão nosso de cada dia dá-nos hoje!

à Deus garante a provisão necessária para uma vida sem carências, sem miséria.

à Dependência de Deus, confiança, fé (Hb. 11:1).

7. PERDÃO - Perdoa as nossas dívidas assim como perdoamos aos nossos devedores.

à Ah Senhor me perdoa... Você já perdoou seu irmão? (Mt. 6:12; 18:21,22).

à O seu coração não pode estar cheio de mágoas (Ef. 4:3 1).

8. PROTECÇÃO - Não nos deixes cair em tentação.

à E necessário fortalecer-se no Senhor e vestir-se de toda a armadura de Deus (Ef. 6:10-13).

à Precisamos resistir nos dias maus, e estarmos firmes diante das circunstâncias (II Co 4:17).

9. LIBERTAÇAO - Mas livra-nos do mal

à Só está livre quem é redimido por Cristo (Jo. 8:32).

à Quem é livre tem autoridade em nome de Jesus (Mc. 16:17).

à Para ser livre sempre, é necessário caminhar na direcção que o Espírito Santo dá (01. 5:25).

10. SEGURANÇA - Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre.

à Pode-se chegar com confiança diante do trono da graça (Hb. 4:16 / SI. 91).

1 comentários:

thiago silva de medeiros disse...

sem duvida a oração move montanhas, e não são palavras ditas ao vento e sim ao Senhor Deus, que não nos abandona e cumpri sua promessa, quando era novo na fé com pouco mais de 2 anos pedi a Deus para ser Marinheiro e tinha como sonho de criança ser da aeronautica, Deus faz o util ao seu coração, e numa tarde de domingo numa reunião da mocidade da igreja, o lider nos fez uma dinamica onde fizemos um avião de papel e escrevemos nas asas o seu pedido, retiramos uma asa e guardamos e a outra lançamos a Deus, um ano depois eu ja era marinheiro mas pra ser perfeito Deus me deu asas 5 anos depois e me tornei mecanico de aeronave da marinha so a oração tem o poder de fazer coisas incriveis, crer, mesmo q pareça impossivel. A paz a tds..

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.