Angela Natel On quarta-feira, 30 de setembro de 2009 At 06:22

Para darmos uma idéia da perspectiva bíblica, qual a cosmovisão dos hebreus? Para eles, também havia uma divisão. Em 2Coríntios 12:2, Paulo se refere ao “terceiro céu” como o lugar onde vive Deus, o primeiro céu se refere à atmosfera: o segundo céu o ligar onde se encontram o sol, a lua e as estrelas. Sem restrições, a Bíblia ensina que Deus sempre se envolve com os assuntos do homem.

Agora, quando pregamos o evangelho e falamos de Deus, como o entendimento dos que crêem que Deus vive em jana pacha mas não se relaciona com as pessoas? Qual é o espírito que mais intervém nos assuntos do homem, segundo os andinos? O tema de como as culturas andinas interpretam o cosmo é muito amplo. Só mencionamos aqui para mostrar que podemos pregar o evangelho mas se nossos ouvintes são de outra cultura, vão interpretar a mensagem de outra maneira. Tem que investigar a cosmovisão da cultura com a qual desejamos compartilhar a mensagem divina.


Reflexão:

Deus se preocupa com a cosmovisão de cada cultura. Ele deseja que o indivíduo, a cultura conheça a Ele. Os homens têm a tendência de olharmos o exterior, o óbvio. Decidimos: “ Agora os nativos usam roupas, lhes damos nomes cristãos, v~em a igreja”. Mas conhecem a Deus, conhecem a Jesus, o único mediador? Devemos evitar sincretismo que é uma troca superficial de comportamento mas não uma troca de cosmovisão. A história da evangelização nos mostra que a tendência do ser humano tem sido fixar-se no superficial e não se preocupar em ir mais profundo.

A experiência demonstra que uma forma de afetar a cosmovisão é por meio da tradução da Palavra de Deus para a língua materna, o idioma que fala ao coração do indivíduo. Mediante a Palavra compreendida o Espírito Santo pode fazer uma transformação na pessoa de dentro para fora.


Tarefa

Descobrir um comportamento em sua cultura e explicar as camadas da “cebola cultural”.

Angela Natel On terça-feira, 29 de setembro de 2009 At 06:18

20:1 Na cultura judaica, que dia era o primeiro dia da semana?

20:1 “Madalena” é o sobrenome de Maria? (Qual a significância de nomes duplos?)

20:1 Como era o sepulcro?

20:1 Como era a pedra?

20:1 Como a pedra foi tirada? Quem a tirou?

20:2 Quem era o “outro discípulo? Por que o autor se referiu a ele assim?

20:2 Pedro e o outro discípulo estavam no mesmo lugar?

20:2 Em que sentido Jesus amava o outro discípulo? Isso implica em que ele não amava os outros?

20:2 O que significa a palavra “discípulo”?

20:2 O que a palavra “eles” significa? (Ou, na visão de Maria, a quem se referia?)

20:2 Quem é “o Senhor”?

20:2 A quem se refere o “nós”?

20:3 O que a palavra “saiu” significa nesse contexto?

20:4 Que implicações a palavra “mas” tem aqui?

20:5 O que aconteceu aqui? De que maneira eles se abaixaram e olharam?

20:5,6 Que “lençóis” são esses?

20:7 Como era esse “lenço”?

20:8 O que o discípulo viu? Ele creu em que?

20:9 De que maneira a afirmação nesse verso se relaciona com o contexto anterior?

20:10 Por que os discípulos voltaram para casa?

20:10 O que significa “voltaram para casa”? Para a casa deles mesmos ou para o lugar onde eles estavam “ficando”?

Angela Natel On segunda-feira, 28 de setembro de 2009 At 06:19

JOÃO 4:1-24

1. Peça para a pessoa ler ou leia para ela o texto todo quantas vezes necessário. Depois peça para ela recontar em suas próprias palavras toda a história.

2. Se você fosse resumir essa história em poucas palavras, você diria que ela é sobre o que?

3. O texto diz que Jesus saiu de um lugar e foi para outro. De onde ele saiu e para onde ele foi?

4. Por que ele saiu de lá?

5. De acordo com o texto quem são os fariseus?

6. O que eles ouviram falar?

7. Jesus batizava mesmo as pessoas?

8. Quem batizava?

9. No caminho da Galiléia, onde Jesus parou?

10. Por que ele parou lá?

11. Onde estavam os discípulos de Jesus?

12. O que eles foram fazer?

13. O que aconteceu depois que Jesus parou lá?

14. Quem era essa mulher a quem ele pediu água?

15. Como a mulher reagiu ao pedido de Jesus?

16. Por que ela reagiu assim?

17. O que Jesus disse para ela?

18. Quem é Jacó? E quem é José?

19. Que água viva era essa que Jesus falou para ela?

20. Qual foi a reação da mulher quando Jesus mandou que ela chamasse o seu marido?

21. Por que a mulher disse que não tinha marido?

22. O que Jesus respondeu a ela?

23. Qual foi a atitude da mulher quando Jesus revelou que ela já tinha sido casada 5 vezes?

24. A mulher perguntou alguma coisa sobre religião a Jesus. O que ela perguntou?

25. O que Jesus respondeu?

26. Segundo Jesus, quais os adoradores que Deus está procurando?

27. O que você acha que a resposta de Jesus tem a ver com adoração em Jerusalém ou no monte em Samaria?

28. Que ensinamento você pode tirar dessa história?

Angela Natel On domingo, 27 de setembro de 2009 At 06:59

João de Souza filho

Eu estava tentando encontrar um adjetivo para qualificar os atuais cantores e pregadores que cobram elevadas somas em dinheiro para pregar ou cantar nas igrejas e em conferências promovidas por evangélicos, e achei que “mercador da fé” não é um adjetivo apropriado, porque é simples demais para nominar tais pessoas. Pois bem. Vejo esses exploradores da boa-fé evangélica como prostitutos cultuais – que é a tradução da versão atualizada – para os que se prostituíam junto aos templos pagãos e que depois passaram a se prostituir diante do templo do Senhor em Jerusalém. Porque os prostitutos (as) cultuais mencionados na Bíblia exploravam os que se dirigiam ao templo para adoração oferecendo-lhes um pouco de orgia – orgia sexual revestida de espiritualidade, como alguns desses a que me refiro que falam línguas, profetizam, oram pelos enfermos, são místicos e super espirituais. .. Mas orgiofantes (como os sacerdotes que prestavam culto a Dionísio).

Os prostitutos e prostitutas cultuais, comuns nos templos pagãos passaram a conviver com os adoradores junto ao templo de Jerusalém, indicativo de uma deformação espiritual da nação de Israel. Não estou afirmando que é comum tais pessoas se prostituir de verdade, em orgias sexuais; estou afirmando, isto sim, que sempre que uma pessoa se afasta de Deus, comete prostituição com outros deuses – fato mencionado pelo próprio Deus em várias passagens do Antigo Testamento. Em Ezequiel 16 ele compara Israel a uma menina, que é cuidada por Deus, adornada e preparada para ser esposa, mas se prostitui com os povos vizinhos.

Deus se antecipou ao que poderia acontecer e recomendou a Moisés: “Das filhas de Israel não haverá quem se prostitua no serviço do templo, nem dos filhos de Israel haverá quem o faça... Não trarás salário de prostituição nem preço de sodomita à Casa do Senhor, teu Deus (Dt 23.17-18). O que se vê hoje no Brasil é uma orgia espiritual, uma masturbação coletiva praticada por cantores e cantoras, pregadores e pregadoras, que não conseguiram fazer sucesso no mundo e encontraram na igreja um filão de negócio; o caminho para o enriquecimento à custa da espiritualidade dos irmãos.

Imagine o Lázaro da Bíblia, que Jesus ressuscitou dos mortos gravando seu cd e saindo pelo mundo a pregar nas igrejas, usando os recursos para comprar bens e imóveis em Atenas, Roma e Jerusalém. Imagine Dorcas, relatando sua ressurreição e insinuando aos irmãos por onde pregava que precisava de dinheiro para comprar máquinas de costura a fim de ajudar os pobres com maior eficácia, lucrando com a bênção alcançada. Eles seriam excluídos do rol de membros do céu pelos apóstolos. Pois sei que esses excrementos espirituais – e não há palavra melhor para descrever tais pessoas – cobram preços exorbitantes para pregar e cantar. Eu estava numa cidade pregando o evangelho e em várias cidades daquele Estado os irmãos se mobilizavam para ouvir o ex (que deve ter fracassado no mundo) cujo preço varia de 20 a 35 mil reais por apresentação. Este cantor que explora a espiritualidade do povo deve ganhar, pelo menos, com a agenda cheia em torno de cem mil reais por semana! Sim, porque fazem sucessos os ex-, sejam ex de quaisquer espécies. Ex que tocou na famosa banda do mundo; ex- que se prostituía com drogas, mas agora se prostitui com dinheiro. Prostituem-se com a fé. Sim, porque quais prostitutos cultuais do AT usam da espiritualidade para fazer orgia com o povo com o fim de levar o povo a se alegrar, enquanto eles ficam ricos.


Uma denominação pentecostal nutriu, alimentou e criou um pregador que cobra o exorbitante preço de quinze mil reais por pregação e nunca tomou uma atitude corretiva e disciplinar quanto a seu enriquecimento e vida pessoal; ao contrário, alimenta o sucesso desse mercador de dons. Balaão se sentiria envergonhado!

Assim, quando viajo pelo Brasil sinto no ar o odor fétido que eles deixam por onde passam; o odor da prostituição espiritual, o cheiro nauseabundo que costumam exalar os espiritualmente mortos. Que se prostituem espiritualmente e que levem pastores, líderes e povo à prostituição com eles é inegável, e não é de se duvidar de que se prostituam literalmente em seus confortáveis quartos de hotel. Pregadores e cantores que fazem exigências incomuns; que não aceitam fazer uma refeição na casa de irmãos; apenas em restaurantes que servem a La Carte. Que não se contentam com os bons hotéis e se não houver os melhores, recusam-se participar de eventos a menos que suas exigências sejam atendidas.

Os culpados são os líderes que atraídos pela ganância financeira esperam obter lucros com os gananciosos. Certamente porque muitos pastores, apóstolos e líderes se prostituíram espiritualmente, empolgados com as riquezas deste mundo, sonhando com mansões no litoral brasileiro e nas famosas cidades dos Estados Unidos.

Que posso dizer? Afirmar que alguns desses pastores que apóiam tais cantores e pregadores, juntamente com estes sejam descendentes de Balaão – que se prostituiu e usou de seus dons para ensinar Balaque a armar ciladas para os filhos de Israel – seria ofender o profeta do Antigo Testamento, que por seu pecado foi morto por Josué. Quem sabe possuem o DNA de Judas, ou são da mesma linhagem espiritual que vendem o nosso Senhor em troca das benesses de Mamom. Pedro e Judas descreveram tais cantores, pregadores e pastores com adjetivos pouco recomendáveis, afirmando que estes “andam em imundas paixões e menosprezam qualquer governo. Atrevidos, arrogantes, não temem difamar autoridades superiores...


Considerando como prazer a sua luxúria carnal em pleno dia, quais nódoas e deformidades, eles se regalam nas suas próprias mistificações, enquanto banqueteiam junto convosco; tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecado, engodando almas inconstantes, tendo coração exercitado na avareza, filhos malditos; abandonando o reto caminho, se extraviaram, seguindo pelo caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça... Esses tais são como fonte sem água, como névoas impelidas por temporal. Para eles está reservada a negridão das trevas”Por mistificações o apóstolo está se referindo aos que usam dos dons espirituais para se sobrepor aos demais; eles têm dons, são místicos e falam como se uma nuvem de transcendência divina repousasse sobre eles.

Faz-se necessária uma limpeza na igreja, a Casa de Deus, como fizeram Asa e Josafá. Asa tirou de cena sua própria mãe e “removeu os prostitutos cultuais” que usavam o templo como local de prostituição. Josafá ainda precisou intensificar a reforma, porque, de tempos em tempos os aproveitadores da boa vontade do povo; os exploradores da espiritualidade das pessoas, tais como eram os filhos de Eli aparecem na igreja de Deus (1 Rs 15.12; 22.47).


Uma igreja rameira serve de alcova para os exploradores da espiritualidade do povo. E Deus haverá de limpar sua igreja.

***

Fonte: Site Pr. João A. de Souza filho via Orthodoxia



Angela Natel On sexta-feira, 25 de setembro de 2009 At 06:51

1.1. Amarrando as forças das trevas (Mc 3:27 / Lc 11:21-22)

Prender as forças demoníacas é um ensino de Jesus. Ele nos ensinou que quando um valente guarda a sua casa, se faz necessário que um mais valente venha e o amarre para que sua casa seja saqueada (Lc 11:21-22).

Satanás se acha valente, mas há um povo autorizado a pisar serpentes, escorpiões e toda a força do maligno (Lc 10:19). Nós somos este povo com autoridade para prender, amarrar o diabo. Quando alguém está preso, por mais que queira rea­gir, ele não tem como o fazer.


1.2. Usando a autoridade dada por Deus

A Bíblia diz que Deus nos dá o cetro de autoridade. Domine o inimigo, não seja dominado por ele. (Lc 10:17-19).


1.3. Evitando brechas

Por que o inimigo toca em alguns de nós? Devido a brechas, a portas abertas para sua atuação. Como são abertas?

• Pecado - desobediência deliberada

• Medo - o amor lança fora o medo (1 Jo 4:18).

• Desconfiança (falta de fé) - colocar em suspeita o caráter de Deus (1 Jo 5:10).

• Incredulidade - “Não creio que Deus fará”. (Rm 8:31 / Hb 11:6) - Quando abrimos precedentes deixamos a carne em operação.


2. CONHECENDO OS INIMIGOS

• O mundo - se vence com oração (Mt 7:7-8).

• A carne - se vence com jejum (Mt 17:2 1).

• O diabo - se vence pela Palavra (Mt 22:29).


3. COMO GUERREAR CONTRA SATANÁS

Pelo poder do sangue de Jesus (Ap 12:11).

Pelo poder do nome de Jesus (Mc 16:17).

Revestindo-se de toda a armadura de Deus (Ef 6:10-18).

Fechando as portas. Se as portas forem fechadas, a vitória estará instalada (Ef 4:27). Hoje precisamos fechar as portas do medo, da insegurança, da incredu­lidade (II Tm 1:7).

O contra-ataque vem do adversário e ele não brinca. Não se pode vacilar. Satanás é o nosso adversário declarado. Temos a certeza que o poder de Jesus Cristo em nós é maior do que qualquer força inimiga, mas não podemos esque­cer que estamos em batalha espiritual (1 Jo 4:4b).


4. COMO VENCER O CONTRA-ATAQUE

4.1. Saiba quem você é: Eu vou vencer porque eu sei quem Deus é, e sei quem sou em Cristo: sou mais que vencedor (Rm. 8:37). Maior é o Senhor que vive em mim do que o diabo. A autoridade que está em mim dá-me autoridade sobre principados (Lc.10:19).

4.2. Conheça o plano da cruz - Sei qual é e quanto vale o plano da cruz.

4.3. Não baixe a guarda - Esteja alerta o tempo todo.

4.4. Retenha a confissão da esperança - Deus é fiel para cumprir suas promessas (Hb. 10:23).

4.5. Feche as portas para o pecado. - Anule os argumentos e a condenação do inimigo contra você. - Tiago 4:27


5. COMO CONSERVAR A VITÓRIA

Confessando a Palavra, retendo a confissão da fé e da esperança.

“Tudo posso naquele que me fortalece” (Fp. 4:13).

“Em todas as coisas sou mais do que vencedor” (Rm. 8:37).

“Minhas necessidades são supridas segundo as riquezas de Cristo” (Fp. 4:19).

“Pelas pisaduras de Jesus eu fui sarado” (Is. 53:5).

Angela Natel On quinta-feira, 24 de setembro de 2009 At 06:47

Êxodo 14:9; Tiago 4:4; 1ª Coríntios 15:30


1. AS ÁREAS DE CONTRA-ATAQUE

1.1 Amigos do passado (Tg 4:4)

Eles virão para o persuadir na fé: “Ah, você é maluco!”

- Nós sentimos a perda deles.

- Vão nos criticar com gozações.

- Virão fazer observações sobre sua fé e vida.

- Trarão novas propostas para tentar nos impedir de prosseguir firmes na fé.


1.1.1. O que fazer?

- Resistir firme para não perder a comunhão com Deus.

- Procurar lembrar dos ensinamentos recebidos, até que esteja firmado; talvez precise mudar de hábitos, ter novos amigos.

- Fugir do homem mau (carnal). Por quê? Com ele o nível de conversa não é boa, e as más conversações corrompem os bons costumes (1 Co. 15:33).

- Não voltar a se aliançar com os incrédulos (Salmo 1:1). Evite saídas com seus antigos amigos se você sabe que eles vão lhe chamar para o caminho mau, evite estar em rodinhas de piadas, pois estas sempre tendem a pornofonias, e eles cer­tamente escarnecerão da sua decisão por Cristo. Deus dará estratégias. O dis­cipulador lhe ajudará nesse processo, e O Senhor lhe dará novas estratégias para ganhar seus amigos para Jesus, mas não volte para o mundo.

1.2 Alguém da sua família

- Satanás pode tentar usar alguém da sua família para desanimá-lo. Por que da família? Porque a ferida feita por uma pessoa que amamos dói muito mais do que aquela feita por alguém com quem não temos tanto afeto.

- Temos que rejeitar toda idéia que vem contra a nossa fé. As pessoas de den­tro de casa serão ganhas por você (At. 16:31).

- Satanás vai querer que você desista e para tal usará diversos argumentos.

- Você vai conquistar cada membro da sua família através da oração. Diga: A minha família não ficará nas mãos do inimigo.

1.3 Saúde (Êx. 23:25b)

• O diabo vai querer mexer em sua saúde.

- Lembre ao inimigo que Isaías 53 é uma verdade.

1.4 Finanças (Fp. 4:19)

- Seja fiel no pouco e.sobre o muito o Senhor o colocará. (Is. 1:19 / Lc. 16:10)

- Seja fiel nos dízimos e nas ofertas. (Ml. 3:10)

É visível a bênção para os fiéis; as brechas são fechadas, então, vão apare­cendo coisas novas para abençoar sua vida. (II Co. 8:9).


1.5 Ataques na mente e na alma

- O tempo todo você poderá sentir a vontade de questionar, dizendo: será que isto é verdade? Estou mesmo no lugar certo?

- A nossa mente é um campo de batalha e o diabo nos ataca. Rejeite todo pen­samento do inimigo, em nome de Jesus.

- Recebemos a mente de Jesus Cristo, por isso Ele vai transformá-la, tirar todo o lixo do diabo (Rm. 12:1-2). - Diga: Fora os padrões do mundo, eu sou de Deus!

- A mente renovada transforma o mundo (Rm. 12:1-2).

- Nossa mente é dominada pelo que nós ouvimos, vemos, lemos, sentimos. Você gastou muito tempo da vida se expondo ao que não era de Deus, agora terá que trabalhar sua mente pela Palavra. Gaste tempo lendo a Bíblia, oran­do e jejuando até que sua mente esteja limpa e cheia de Jesus.


COMO POSSO DETER SATANÁS?

Satanás não é o senhor do universo, ele não é onisciente, nem onipresente, nem onipotente. Jesus nos deu toda a autoridade para determos o maligno e destruirmos as obras de Satanás (Lc. 10:19).

Angela Natel On quarta-feira, 23 de setembro de 2009 At 06:44

Mateus 4; 1ª Pedro 5:8

Todo propósito e planos que são sérios e de carácter profundamente espiritual atraem o contra-ataque do inimigo.

Após o Encontro com Deus, o inimigo tentará nos intimidar para sairmos da bênção. Muitas situações Satanás armará para tentar nos prender. O que devemos fazer, então? Entender que estamos no meio de uma batalha espiritual e que temos que resistir ao inimigo. Os contra-ataques do inimigo virão, por isso devemos estar vigilantes e preparados.

No Encontro Deus realizou uma obra maravilhosa e específica na sua vida. Isto foi um ataque ao reino das trevas, pois o diabo perdeu mais uma batalha na sua vida. E, como estamos em meio a uma guerra, o reino inimigo está preparando um contra-ataque.

1. O CONTRA-ATAQUE DO INIMIGO

1.1. De onde vem o contra-ataque?

Satanás utilizará as áreas de fragilidade da nossa alma. O contra-ataque virá por uma área que lhe afeta, mexe, assusta, amedronta (nunca por uma área em que você já esteja plenamente curado).

Satanás virá para afrontar, dizendo que nada do que lhe aconteceu no Encontro realmente vai permanecer em você. Foi assim com Jesus quando saiu do Encontro de 40 dias com Deus no deserto - Satanás veio afrontá-lo.

Suas áreas de fragilidade podem ser: brigas, álcool, drogas, amigos mundanos, prostituição, brincadeiras sujas, adultério, insubmissão, grosseria, namoro ilícito, família, etc.

Satanás fará tudo para afetar a sua comunhão com Deus, para promover o desânimo; este é o alvo do inimigo. O nosso despreparo permite que o desâni­mo venha. O diabo tem estratégias para destruir sua vida. Estas estratégias são fraudulentas, sujas. Satanás tem um currículo sujo.

1.2. Como neutralizar o contra-ataque?

- Você não atacou sozinho, Jesus estava com você. Ele é vencedor, está à sua frente. Agora, para Satanás lhe vencer, terá que vencer Jesus; como isso não é possível, porque Jesus já o venceu, você está seguro. Assegure-se da sua vitória: venha o que vier, você é vencedor.

- Tenha a linguagem de Jesus na sua boca durante o contra-ataque. Você é uma nova criatura, não deve responder da forma que fazia antes. Você precisa agir como Jesus agiria na situação que está enfrentando. Aprenda a calar na maioria das vezes. Não agrida, não discuta, não murmure - cuide da sua lín­gua (Tg. 3:1-12).

- Creia na grande obra que Jesus fez, e ainda está fazendo, na sua vida.

Hebreus 11:6; Efésios 6:16 - A fé é o escudo para apagar os dardos inflamados de Satanás contra você. Dardos são lanças, no mundo físico; no espiritual são influências na mente, nas emoções, ou mesmo no corpo. São situações ou pensamentos que Satanás lança para que caiamos na armadilha dele. A fé na Palavra de Deus, o agir e o falar direccionado pelo Espírito Santo, farão com que você envergonhe o inimigo e ele terá que desis­tir de você.

- Quando você for agredido aprenda a agir no Espírito. Se alguém vier a você com pedras, vá com amor.

- Não lute contra as pessoas, lute contra Satanás e seus demônios. Está escrito: Nossa luta não é contra carne e sangue, mas sim contra Satanás e seus agentes (Ef. 6:12). Por isso, ore, busque a Deus, peça conselhos ao seu discipulador, não vá pela sua própria carne, pelo seu próprio desejo: agora você é uma nova criatura (II Co. 5:17).

Efésios 6: 10-18

.REVESTINDO-SE DE TODA A ARMADURA DE DEUS (Efésios 6:10-18)

Cingindo-se com a verdade. Vestindo-se da couraça da justiça.

* Calçando os pés com a preparação do evangelho da paz.

Embraçando sempre o escudo da fé.

* Tomando o capacete da salvação.

* Tomando a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.

* Orando em todo o tempo no Espírito.

2. CONFESSANDO A BÊNÇÃO

Declarações negativas caracterizam a influência demoníaca. Confissão positi­va é fé expressada. Confesse aquilo que a Palavra de Deus diz. Qualquer outra declaração abrirá a porta ao inimigo (Hb. 10:23).

3. PERMANECENDO NAS ESCRITURAS

Jesus resistiu as tentações usando a Palavra de Deus

A Palavra de Deus é espelho para a alma; é lâmpada para os pés, mostra claramente o caminho (SI. 119:105); é um purificador (Ef. 5:26); é como uma espada de dois gumes (Hebreus 4:12); é alimento para o espírito (1 Pe. 2:2 / Mt. 4:4). Ninguém pode conservar sua libertação por muito tempo sem que a Palavra de Deus seja um factor pri­mordial em sua vida. - Salmo 1:1-3

4. CRUCIFICANDO A CARNE

Tome sua cruz diariamente e siga a Jesus (Lc. 9:23). Quebre os hábitos liga­dos com os espíritos do maL. Se os vícios, desejos e concupiscências não estão entregues ao pé da cruz, o caminho para a volta dos demônios está aberto (Cl. 5:19-2 1,24). Ainda que você sinta um intenso desejo de voltar à práctica do pecado, diga “não” a si mesmo, renuncie, lute. Não atenda aos apelos da carne.

5. DESENVOLVENDO UMA VIDA DE LOUVOR E DE ORAÇÃO CONTÍNUA

O louvor cala o inimigo. Não devemos louvar apenas quando temos von­tade, mas em todo momento, mesmo que o nosso coração esteja triste, ou que as situações sejam adversas. Isto é sacrifício de louvor ao Senhor (Hb 13:15).

O louvor deve ser a expressão de gratidão a Deus, expressão de adoração e alegria através do falar, cantar, dançar, tocar instrumentos, bater palmas, etc.

A Palavra nos exorta a orar sem cessar (1 Ts 5:17). Devemos orar no Espírito

(em línguas) e também no entendimento (1 Co 14:14).

6. MANTENDO UMA VIDA DE COMUNHÃO E UM MINISTÉRIO ESPIRITUAL

A ovelha que anda desgarrada é a que está em maior perigo, Junte-se ao rebanho de Jesus. Procure cumprir sua função dentro do Corpo de Cristo. Deseje os dons espirituais e deixe-os operarem, através de você, sendo útil na Igreja (1 Co 12:7-14).

Mantenha-se submisso à autoridade. Sempre procure seu discipulador para lhe ajudar. Busque a comunhão com os irmãos.

7. ENTREGANDO-SE POR COMPLETO A CRISTO

Determine que cada pensamento, palavra e ação reflita a natureza de Cristo. Permaneça em Cristo, de modo que o fruto do Espírito possa fluir em abundân­cia. Os espíritos demoníacos são inimigos do fruto do Espírito. A fé e a confi­ança em Deus são as armas mais poderosas contra as mentiras do diabo.

8. FECHANDO AS JANELAS DA ALMA

As janelas são:

a) Olhos - cuide com seus olhos, desvie o olhar de coisas impuras. Ex.: alguns programas da TV, revistas pornográficas, etc.

b) Ouvidos - não ouça tudo que lhe dizem. Cuidado com o tipo de música que ouves. Você pode até escutar, mas não retenha, não deixe entrar.

c) Tato - não toque em coisas imundas. Ex.: sexo fora do casamento.

d) Olfato - Ex.: incenso, perfumes associados ao despertamento sexual, etc.

e) Paladar - não coma nem beba alimentos consagrados a ídolos, pois por detrás de cada ídolo existem demônios. (1 Co. 10:20)

São por essas janelas que Satanás tem acesso a nossa vida - alma, espírito e corpo. Toda bênção ou maldição só chega a nós se abrimos uma dessas janelas.

Cumprindo esses itens, sua “casa” (vida) ficará repleta da presença de Deus, depois da limpeza pela qual passará. Mesmo que você peque, dando assim brecha para o inimigo, lembre-se que Jesus perdoa todos os seus pecados, quando você os confessa e se arrepende.

Dessa forma, repreenda o inimigo utilizando sua autoridade espiritual. Não aceite acusações e caminhe firme na sua libertação, confessando o que a Palavra diz: “Se o Filho do homem vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”

Uma libertação total foi o que Jesus tornou possível a nós. Ande totalmente liberto diariamente. Não aceite menos do que isso!

Memorizar Romanos 5:10

Angela Natel On terça-feira, 22 de setembro de 2009 At 06:39

Actos 1:8 - O Baptismo no Espírito é a experiência de se receber um revestimento de poder (Lc. 24:49), um baptismo com fogo (Mt. 3:11), onde a pessoa é preenchi­da, é envolvida pela glória de Deus. O baptismo no Espírito significa a plenitude do Espírito possuindo a plenitude do homem.

Ninguém pode ser 100% feliz na vida ministerial se não for cheio do Espírito Santo.

à É para todos os que professam a fé em Jesus (Jo. 14:12-17).

à E um dos alvos principais de Cristo (Mt. 3:11).

à Significa experimentar a plenitude (At .1:5 e 2:4).

1. O PROPÓSITO DO BAPTISMO NO ESPÍRITO SANTO - Actos 10:38

O Baptismo do Espírito Santo visa:

à Manifestar o Espírito a cada um, individualmente, visando uma atuacção útil na obra de Deus. Uma manifestação do Espírito Santo na qual a Sua presença, a Sua glória, e a Sua operação fazem-se presentes através de cada um dos seus colaboradores. (1 Co. 12:7).

à Capacitar para realização de grandes obras em nome de Jesus - João 14:12,16-18

à Capacitar para um testemunho eficaz, testemunho com poder (At. 1:8).

à Dar a identidade de filhos, herdeiros e co-herdeiros com Cristo. O selo do Espírito Santo é nossa identidade no mundo espiritual (Ef. 1:13). Quando estamos cheios do Espírito Santo o mundo das trevas nos identifica e teme. O revestimento do Espírito é uma poderosa arma contra satanás, é um revesti­mento total.

Para sermos cristãos tivemos que nascer do Espírito de Deus. Para vivermos como cristãos e alcançarmos a maturidade depois do novo nascimento, deve­mos ser guiados constantemente pelo Espírito Santo. Através do Espírito Santo somos elevados a um plano de vida sobrenatural.

Na história da Igreja, no decorrer do tempo, muitos receberam o mover do Espírito, mas não aproveitaram esse presente, não fizeram uso desse dom. Mas, hoje vivemos em meio a uma geração profética e Deus derramará do Seu Espírito sobre toda a carne. Isaías 11:9

2. RESULTADOS DO BAPTISMO NO ESPÍRITO SANTO

à Mais sensibilidade contra o pecado. (Jo 16:8)

à Uma vida que glorifica a Jesus Cristo. (Jo 16: 13,14 / At 4:33)

à Mensagens proféticas e louvores. (At 2:4-17 / 1 Co 14:2 e 15)

à Visões da parte do Espírito. (Ap 1:9-20)

à Manifestação de dons espirituais. (1 Co 12:4-10)

à Maior desejo de orar e interceder. (At 2:41,42 / Rm 8:26)

O Espírito Santo foi a única fonte de poder no ministério de Jesus. Foi a unção de Deus que levou Davi à vitória contra Golias. Assim também em nós, é a unção de Deus em nossas vidas que forma a identidade de guerreiros do Senhor.

3. CONDIÇÕES PARA RECEBER O BAPTISMO NO ESPÍRITO SANTO

à Aceitar a Jesus como Senhor e Salvador. (At 2:38-40)

à Buscar e obedecer a Deus. (At 5:32)

à Consagrar-se e dedicar-se a Ele. (II Tm 2:21)

à Desejar esse baptismo. O crente deve ter grande fome e sede pelo baptismo do Espírito. (Jo 7:37-39 / Mt 5:6)

à Pedir a Deus em oração. (Lc 11:13 / Rm 8: 14-17)

4. FALAR EM LÍNGUAS É UMA DAS EVIDÊNCIAS DO BAPTISMO NO ESPÍRITO SANTO

Actos 2:4; 10:44,46; 19:6)

à Falar em línguas é uma manifestação sobrenatural do Espírito Santo.

à E uma expressão vocal inspirada pelo Espírito, mediante a qual o crente fala numa língua que nunca aprendeu (At 2:4 / 1 Co. 14:14-15).

à As línguas podem ser humanas (At. 2:6) ou desconhecidas na terra (1 Co. 13:1; 14:2).

à Falar em línguas pode ser um sinal externo do baptismo no Espírito Santo, mediante o qual o espírito do crente e o Espírito Santo se unem em louvores, orações ou profecias.

à Falar em línguas é um dom (1 Co. 12:4-10)

Tem dois propósitos:

à Falar em línguas com interpretação para edificação do corpo – a ministração em público (1 Co. 14:5,6,13-17) ;

à Falar em línguas como devoção pessoal entre o crente e Deus, para edificação pessoal (1 Co. 14:2,4,14).

5. A NECESSIDADE DE SE ESTAR CHEIO DO ESPÍRITO SANTO

O propósito de Deus é que a sua igreja esteja sempre abastecida com o óleo do Espírito, esteja cheia do Espírito Santo (Mt 25:1-13).

à O enchimento traz nova graça e novo ânimo.

à O Espírito Santo nos adestra.

à O Espírito Santo traz luz sobre o nosso entendimento (Ef. 1:18).

à O baptismo no Espírito é uma conquista de Jesus para que a Sua igreja viva em plenitude (Jo 16:7 / Lc 24:49).

à Somos ungidos para vencer as hostes de satanás, e nunca para sermos vítimas de seus ardis.

CONCLUSÃO

Vamos hoje tomar uma decisão. Assim como diz a Palavra de Deus: Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Gl 5.25.

Vamos orar. Baixe a sua cabeça. Feche seus olhos e comece a dedicar a sua vida a Deus. Declare que você quer ter somente a Ele como o Senhor de sua vida. Peça a Ele que Ele encha a sua vida – a sua casa com a presença dele.

Rejeite toda a obra maligna e declare o Senhorio de Jesus sobre a sua vida. Tome a decisão no seu coração a viver a nova vida em Cristo.

Vamos orar pela nova vida em Cristo Jesus.

Mantenha a sua cabeça baixa e ore a Deus: faça um voto de fidelidade a Deus em todas as áreas de sua vida.

Todos nós precisamos ser cheios do Espírito Santo, necessitamos ser renovados nEle. Não duvidemos de milagres, porque quando vivemos no mover do Espírito Santo, tudo pode acontecer em nossa vida. Neste momento, ministraremos esse baptismo, através de Jesus, que é Aquele que baptiza no Espírito Santo.

Angela Natel On segunda-feira, 21 de setembro de 2009 At 06:36

Mateus 6:9-15; Lucas 11:1-4; 2ª Crônicas 7:14

1. PRINCÍPIOS PARA A ORAÇÃO

1.1. Não devemos orar como uma forma de ostentação e sim para que nós sejamos ministrados por Deus. Orar para que Deus ouça, não para que as pessoas ouçam. É preciso se humilhar na oração e não se exaltar. Mateus 23:14; Lucas 18:11-14

1.2. A oração é algo particular entre nós e Deus. Precisamos ser sinceros diante do Senhor. Não podemos ser superficiais na conversa. Não podemos esconder nada ou até fazer de conta que somos ‘alguma coisa a mais’.

1.3. Deve-se manter um devocional pessoal diário. Buscar um lugar que possamos chamar de “Quarto de Escuta”. Onde vamos estar à sós com Deus. Isto gera intimidade com Deus. Mateus 6:6; Salmo 25:14 - Temos que estabelecer um tempo de oração pessoal.

1.4. Temos que estabelecer também um tempo de oração para a família.

1.5. Não se deve usar de vãs repetições, como se Deus não soubemos do que precisamos. Ou que pelo muito repetir vamos conseguir algo de Deus! Ex.: Rezas, novenas.

1.6. Devemos ter propósitos na oração - o Espírito Santo colocará nos nossos lábios as palavras certas, se esperarmos nEle.

1.7. A oração deve ser acompanhada de fé, sem a fé não há respostas (Hb. 11:6). Não precisamos ver para crer, mas crer para ver (Jo 11:40; 20:29).

1.8. Devemos estar plenamente convictos de que Deus está atento ao que falamos, pois Ele ouve nossas orações.

2. 0 NOSSO ESTILO DE ORAÇÃO

Estilo é o conjunto das qualidades de expressão, características de alguém. Veremos em alguns personagens bíblicos seu estilo de oração:

2.1. Quanto ao local

Gn 24:63 - Isaque medita no campo

Gn 3:8 - Deus buscava a comunhão com o homem no jardim

Mt 14:23 - Jesus subiu ao monte para orar

Lc 5:16 - Jesus se retirava para lugares solitários

Jo 11:41-42 - Jesus orou no cemitério

At 2 1:05 - Paulo ora na praia

At 22:16 - Paulo ora no templo

Dn 6:10 - Daniel orava no quarto em direção a Jerusalém

2.2. Quanto ao tempo

Gn 3:8 - Deus buscava o homem na viração do dia

Gn 24:63 - Isaque medita no cair da tarde

Mt 14:23 - Jesus orava no cair da tarde

815:3 - Davi ora pela manhã

Sl 42:8 - Davi ora à noite

811 19:63 - Davi ora à meia-noite

Dn 6:10 - Daniel ora três vezes ao dia

Dn 10:2 - Daniel ora 21 dias

Ef 6:18 - Paulo ora em todo o tempo

2.3. Quanto ao tamanho

Ne 1:4-9 - Oração tamanho médio - Senta, chora e lamenta

Dn 2:19-23 - Oração tamanho curto - agradece resposta

Ne 2:4-5 -Oração tamanho curtíssimo - busca direção – oração relâmpago

Ne 9:5-37 - Oração tamanho longo - intercede pedindo socorro pelo povo

2.4. Quanto ao modo

Dn 6:10 - Como de costume

Lc 22:44 - Intensamente

Dn 10:2 - Intercede pela nação

Dn 2:17-18 - Clama socorro

Sl 26:1 - Clama socorro por si

Si 69:22-25 - Desabafa seus desejos

Lc 9:16 - Abençoa alimentos

Lc 6: 12 - Preparando-se para a escolha de discípulos

Jo 11:41-42 - Agradecendo antecipadamente, conforme Cl 4:2.

Assim como você criou seu estilo de roupa, de uso do cabelo, de alimentação, busque desenvolver seu estilo de comunhão com o Senhor.

Viver orando deve ser um estilo de vida para todo o crente (1 Ts 5:17); na sua intimidade com seu Senhor você descobrirá a forma peculiar de ter comunhão com Ele.

E não se esqueça de que Ele te espera na viração do dia (18 horas).

3. DEZ ITENS QUE JESUS ESTABELECEU NA ORAÇÃO

A oração do “Pai Nosso” é para nós um exemplo de como podemos desenvolver um estilo de oração saudável. Use-o sempre ao se achegar a Deus, não como uma repetição, mas com os princípios que cada ponto estabelece.

1 - REDENÇÃO - Pai nosso

à Por que chamá-lo de Pai? Porque só os convertidos, só os que receberam a Jesus, podem chamá-lo de Pai (Jo. 1:12; 10:30). Porque Ele nos deu vida quando estávamos mortos. (Ef. 2:1 / 01. 2:20). Deus nos deu promessas, e por elas nos fez participantes da natureza divina (II Pe. 1:4).

2 - AUTORIDADE - Que está nos céus

à Ele é o Senhor: soberano, criador, todo-poderoso.

à Ele nos deu autoridade e poder (Mc 16:17 / Lc. 10:19).

à Ele nos deu senhorio na Terra (On 1:28 / Ef. 1:22-23).

3 - ADORAÇÃO - Santificado seja o teu nome!

à O Senhor procura verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade.

(Jo. 4:23-24)

à Este expressão ‘santificado seja o teu nome’ expressa um desejo sincero que isto verdadeiramente se estabeleça em nossas vidas!

4 - GOVERNO - Venha a nós o teu reino!

à Todo o poder nos céus e na terra foi dado a Jesus... isto é uma herança para nós também (Mt. 28:18 / Ef. 1:22-23).

à Deus governa todo o Universo e governa também a minha vida.

à O governo de Deus implica em impactar o mundo através do Evangelho (At. 17:6).

à Estabelecer o governo de Deus aqui na terra implica em obedecer ao manda­mento que Paulo registrou em 1 Timóteo 2:1-4 - orar por todas as autoridades constituídas.

5 - EVANGELIZAÇÃO - Seja feita a tua vontade assim na Terra como no céu!

à A implantação do reino de Deus diz respeito ao desejo que Deus tem de colo­car todas as coisas em ordem com a Sua Palavra revelada: que todos sejam salvos, que sejam santos, que não haja injustiça ou corrupção, etc.

à A vontade de Deus é que todo pecador se arrependa, então, precisamos evangelizar o mundo (Mc. 16:17).

à Condições para ser um evangelista:

a) Ser salvo. (Rm. 3:24)

b) Capacitar-se biblicamente .(Pv. 2:1-5)

c) Ter compaixão pelos perdidos. Amá-los e não criticá-los. (Mc. 6:34 / Mt. 14:14)

d) Ser cheio do Espírito Santo. (At. 1:8; 2:4 / Jo. 14:16)

e) Ser membro ativo de uma Igreja. (Hb. 13:17)

f) Ter um bom testemunho. (Ex. 18:2 1)

g) Testificar a outros o que Deus fez em sua vida.

à Por isso tenha uma vida segundo o padrão de Deus: não beba, não fume, não usa drogas, não se prostitua, etc. (Jo. 4:28-30 / 1 Ts. 4:3-4)

6. PROVISÃO - O pão nosso de cada dia dá-nos hoje!

à Deus garante a provisão necessária para uma vida sem carências, sem miséria.

à Dependência de Deus, confiança, fé (Hb. 11:1).

7. PERDÃO - Perdoa as nossas dívidas assim como perdoamos aos nossos devedores.

à Ah Senhor me perdoa... Você já perdoou seu irmão? (Mt. 6:12; 18:21,22).

à O seu coração não pode estar cheio de mágoas (Ef. 4:3 1).

8. PROTECÇÃO - Não nos deixes cair em tentação.

à E necessário fortalecer-se no Senhor e vestir-se de toda a armadura de Deus (Ef. 6:10-13).

à Precisamos resistir nos dias maus, e estarmos firmes diante das circunstâncias (II Co 4:17).

9. LIBERTAÇAO - Mas livra-nos do mal

à Só está livre quem é redimido por Cristo (Jo. 8:32).

à Quem é livre tem autoridade em nome de Jesus (Mc. 16:17).

à Para ser livre sempre, é necessário caminhar na direcção que o Espírito Santo dá (01. 5:25).

10. SEGURANÇA - Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre.

à Pode-se chegar com confiança diante do trono da graça (Hb. 4:16 / SI. 91).

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.