Angela Natel On sábado, 1 de agosto de 2009 At 06:52
Autor: Jeremias
Data em que foi escrito: 586 a.C.
Data dos acontecimentos descritos no livro: Durante a queda de Jerusalém
O livro de Lamentações é um poema acróstico, tendo como base as letras do alfabeto hebraico.
Cada capítulo tem 22 versículos, exceto o capítulo 3 que tem 66 versículos (3x22). Lamentações é um livro de choro.
O nome em hebraico (quinoth) significa alto choro, pranto, canto fúnebre. Jeremias, ao escrever esse livro extremamente pessoal, mostrou o cerco e a tomada de Jerusalém pelos Babilônios. Jeremias se aflige pela cidade que ama e sente-se pessoalmente humilhado pelo que aconteceu.
Porém, em meio a essa dor, ele declara: “As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade.” (Lamentações 3:22,23). Leia Lamentações 2:8 e 18. Essa é a imagem que até hoje podemos ver em Jerusalém.



Mais tarde, no ano 70 d.C., o Templo foi novamente destruído, restando apenas uma parte do muro da cidade. Essa parte do muro é conhecida hoje como Muro das Lamentações, onde os judeus diariamente oram voltados para a parede e colocam entre as pedras as suas orações escritas em pedaços de papel.
O principal pedido dos judeus nos dias de hoje é que Deus envie o Messias Libertador, a fim de terem novamente a terra que lhes foi prometida e a presença de Deus como nos dias antigos.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.