Angela Natel On segunda-feira, 3 de agosto de 2009 At 06:08


Época: 586-538 a.C.
I. Situação em Judá
Regime: colônia babilônica
Sistema: tributário
Religião: a adoração a Yahweh é preservada em círculos camponeses; não há mais culto centralizado.
Situação do povo: vive em condições precárias e disperso
II. Situação dos exilados
Vivem em melhores condições dos que ficaram, mas estão longe da pátria.
Religião: adoração a Yahweh em meio pagão. Com a destruição do Templo, a arca da Aliança desapareceu da menção histórica, restando muitas versões de seu paradeiro. Preservam tradições. Esperança de retorno. Sinagogas. Outros escaparam para regiões diferentes, principalmente para o Egito.

EZEQUIEL
O nome ‘Ezequiel’ significa: “Deus fortalece”
Autor: Ezequiel
Data em que foi escrito: Durante o ministério
Data dos acontecimentos descritos no livro: 592-570 a.C. – Exílio na Babilônia
Imagine-se olhando para o céu. Uma grande nuvem brilha muito. Do fogo no centro da nuvem alguma coisa aparece. São quatro seres de aparência parcialmente humana, cada um deles tem quatro rostos e dois pares de asas. Debaixo de cada par de asas, estão as mãos. O rosto, na frente, é de homem; à direita, o rosto é de leão; à esquerda, o rosto é de boi; e, na parte de trás, o rosto é de águia. Essas figuras voam em todas as direções sem precisar virar. Acima das cabeças dessas criaturas está um grande trono de safira ocupado por um homem feito de fogo. Essa é a descrição que o profeta Ezequiel apresentou quando ele viu a glória de Deus (capítulo 1). A frase “a glória de Deus” ocorre doze vezes nos primeiros onze capítulos do livro.
A frase “Veio a mim a palavra do Senhor” aparece 49 vezes em Ezequiel (leia 24:15). Ezequiel é um livro cheio de símbolos (a maior parte desses mesmos símbolos é apresentada também no livro de Apocalipse). Tanto Apocalipse quanto Ezequiel mostram a revelação de um novo céu e uma nova terra e a glória de Deus (leia Ezequiel 1:26 e Apocalipse 4:1,3). Mesmo assim, a mensagem de Ezequiel pode ser facilmente entendida: Israel e as nações do mundo precisam conhecer a Deus. Quase 70 vezes o profeta repete a frase: “Eles saberão que EU SOU o SENHOR”.
Ezequiel, com 25 anos de idade, fazia parte do grupo que foi capturado e deportado para a Babilônia. Ele não era apenas profeta, mas também sacerdote, como Jeremias, e também é provável que tenha sido discípulo de Jeremias enquanto estava em Jerusalém, antes do exílio. Ezequiel foi enviado ao seu próprio povo (leia 3:5,11). Ele tinha a desagradável tarefa de condenar os judeus por causa da sua pecaminosidade, embora, devido a esses mesmos pecados, já estivessem sofrendo o exílio (leia 5:11). Em 2:9 podemos ver o choque de Ezequiel quando descobre o que Deus quer que ele diga.
Ezequiel tinha um método especial de pregação: ele usava mímica (capítulo 4), visões (capítulo 8), parábolas (capítulo 17), poemas (capítulo 19), provérbios (12:22,23; 18:2) e profecias (capítulos 6,20,40-48).
Ezequiel 8 é a narração de quando Deus transportou Ezequiel em visão da Babilônia para Jerusalém, onde ele viu dentro do Templo figuras e altares de deuses pagãos. Deus mostra para o profeta que a Casa de Deus tinha sido entregue ao pecado, por isso a glória de Deus abandonou aquele sítio, que agora era habitação de falsos deuses. Da mesma maneira nós, como Templo do Espírito Santo, se não buscarmos a presença de Deus diariamente e não nos afastarmos do pecado, a presença de Deus não pode permanecer em nós, e estamos a dar lugar a Satanás e seus demônios em nossa vida. A glória de Deus deixa a Casa de Deus por causa dos pecados do seu povo.
Felizmente, Ezequiel também trouxe palavras da promessa de Deus de restaurar a nação de Israel. Nos momentos mais difíceis dos judeus, Deus concedeu a Ezequiel a visão de um vale cheio de ossos secos (leia 37:11). Enquanto Ezequiel olhava, em visão, aquela cena, Deus soprou sobre os ossos e os trouxe de volta à vida (leia 37:14).
Ezequiel, mais do que os outros profetas, deixa claro que Deus está ansioso para perdoar todos aqueles que se arrependerem, não somente os judeus (leia 39:7). Quando Ezequiel chamou os líderes religiosos de “maus pastores de Israel” por permitirem a idolatria e a imoralidade, ele descreveu Deus como um bom pastor que cuida do povo que são as “ovelhas” do Seu rebanho (veja capítulo 34). No Novo Testamento, Jesus declara que Ele é o Bom Pastor (leia João 10:11).

1 comentários:

Arnaldo Ribeiro disse...

REPATRIANDO PARA JERUSALÉM O POVO DE ISRAEL QUE PERMANECIA EXILADO NA BABILÔNIA, PADECENDO SOB O JUGO DE PECADOS INCONSCIENTES:
Até o dia 30.09.1985, poucos entendiam o significado disto: (AP.17.5) – BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA: (IS.16.14) – AGORA, PORÉM, O SENHOR FALA E DIZ: (LE.1.12) – EU, O PREGADOR, VENHO SENDO REI DE ISRAEL EM JERUSALÉM; (JÓ.34.30) – PARA QUE O IMPIO NÃO REINE E NÃO HAJA QUEM ILUDA O POVO: (JR.29.20) – OUVI, POIS. A MINHA PALAVRA, TODOS VÓS, OS QUE ENVIEI DE JERUSALÉM PARA O EXILIO DA BABILÔNIA; (1PE.4.17) – PORQUE A OCASIÃO DE COMEÇAR O JUÍZO PELA CASA DE DEUS É CHEGADA: (LV.17.12) PORTANTO, TENHO DITO AOS FILHOS DE ISRAEL: Agora todo mundo entenderá que os donos da mídia, os gentios, e todos os desalmados que escondem da nossa gente a herança que a Ação do Amor tem legado aos futuros Cristãos, através da Bibliogênese de Israel; JÁ PASSARAM A SER PECADORES CONSCIENTES, pois sabem que perpetuam a ignorância dos descrentes que continuarão na Babilônia praticando o mal da mentira, da idolatria, da imoralidade, da prostituição, dos casamentos ilícitos, do aborto, da corrupção, da injustiça, da violência, das guerras, e de muitos outros pecados abomináveis; que têm infernizado a vida terrena: Todavia, graças à Esta Providência Divina, é assim também que já iniciamos o repatriamento dos Seres Vivos para Jerusalém - a terra prometida -, segundo a soberana vontade De Deus: (JB.15.22) - SE EU NÃO VIERA, NEM LHES HOUVESSE FALADO, PECADO NÃO TERIAM, MAS AGORA NÃO TEM DESCULPA DO SEU PECADO; (RM.10.11) – PORQUANTO A ESCRITURA DIZ: (AP.18.10)– AI! AI! TU, GRANDE CIDADE, BABILÔNIA, TU PODEROSA CIDADE !, POIS EM UMA HORA, CHEGOU O TEU JUIZO:(2CO.10.7)–OBSERVAI O QUE ESTÁ EVIDENTE, no âmago dessa parábola:
(JR.50.46) – AO ESTRONDO DA TOMADA DE BABILÔNIA, ESTREMECEU A TERRA; E O GRITO SE OUVIU ENTRE AS NAÇÕES:
(São 72 letras e 4 sinais que gritam entre os Seres que já estão despertos):
DEUS TESTOU A GENTE NA VIDA ETERNA DE SÁBIO, E EU TESTO O CORAÇÃO SEM AMOR:
ARNALDO RIBEIRO

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.