Angela Natel On quarta-feira, 15 de julho de 2009 At 05:12
I. Reino de Israel (Norte)
Época: 931-722 a.C.
Regime: monarquia não dinástica (sem passar de pai para filho). Contínuos golpes de Estado.
Sistema: tributário
Capital: Samaria
Principais reis: Jeroboão, Amri, Acabe, Jeú, Jeroboão II, Facéia
Religião: adoração a Yahweh; culto nos santuários de Betel e Dã. Introdução oficial do culto ao deus Baal, contra o qual lutaram Elias e Eliseu.
Conflitos com a Fenícia, Aram, Judá e, principalmente contra a Assíria, que se torna grande potência. Tentativa de alianças.
Situação do povo: cada vez mais empobrecido e confuso.
Fim do Reino: Conquistado pela Assíria, se torna colônia. Povo espalhado entre os povos do mundo.
II. Reino de Judá (Sul)
Época: 931-586 a.C.
Regime: monarquia dinástica (descendentes de Davi).
Sistema: tributário
Capital: Jerusalém
Principais reis: Josafá, Ezequias, Josias
Religião: adoração a Yahweh, com frequentes idolatrias. Culto centralizado em Jerusalém.
Conflitos com os povos vizinhos. Principais inimigos: Assíria e Babilônia. Tentativas de alianças.
Situação do povo: fora o período das grandes reformas, desiludido e cada vez mais empobrecido. Exploração dos grandes latifundiários.
Fim do Reino: conquistado pela Babilônia, se torna colônia. 70 anos de exílio na Babilônia, depois volta e tenta reconstruir a cidade, o Templo e o culto a Deus.

1ª e 2 Crônicas
Autor: Anônimo – provavelmente Esdras
Data em que foi escrito: 430 a.C.
Data dos acontecimentos descritos no livro: Da criação de Adão até 538 a.C.
Resumo da História de Judá – Deus continua a avisar Seu povo – leia 2ª Crônicas 7:14 e 16:9.


1) QUAL A DIFERENÇA ENTRE CANAÃ, ISRAEL E PALESTINA ?
O mesmo território, onde se formou e se estabeleceu o povo de Deus, recebeu, em épocas diferentes, três nomes.
CANAÃ – antes que o povo de Israel se formasse. O território estava nas mãos dos reis das cidades-Estado, e fazia parte do Império do Egipto.
ISRAEL – quando os diversos grupos se uniram e se estabeleceram de maneira estável.
PALESTINA – quando outras grandes potências passaram a dominar a região.

2) O QUE É IDOLATRIA ?
Idolatria não é apenas adoração de imagens, estátuas ou deuses pagãos, mas considerar como se fosse Deus quem ou aquilo que não é Deus. É considerar qualquer realidade criada ou qualquer produto da nossa imaginação como absolutos, colocando neles a nossa confiança ou tendo medo deles. Riqueza, poder e armas podem ser ídolos. Além disso, faz parte da idolatria adorar deuses que querem a exploração, a opressão e a morte das pessoas, ou deuses que não se importam com isso. Por isso, o povo da Bíblia sempre ‘foi orientado a’ rejeitar esses deuses, dizendo que eles eram nada, vazios. É idolatria, ainda, usar o nome do Deus verdadeiro para alienar as pessoas e ter uma brecha para explorar e oprimir.

3) QUEM ERAM OS SAMARITANOS ?
No Novo Testamento, os samaritanos constituem um grupo que vivia na região da Samaria, e que era desprezado pelos judeus (cf. João 4:9). A origem dos samaritanos vem da época em que o Reino de Israel foi conquistado pelos assírios. Estes, quando invadiram o país e o transformaram em colônia, instalaram aí estrangeiros de muitas regiões. Com o tempo, eles foram se misturando com os israelitas que aí permaneceram, formando uma raça considerada impura para os judeus. Os samaritanos, porém, sempre observaram as prescrições da Lei. Não aceitavam os outros escritos do Antigo Testamento e não freqüentavam o Templo de Jerusalém. O único lugar de culto deles era o monte Gerizim, que ficava no Norte. Acreditavam na vinda do Messias, que chamavam Taeb (= Aquele que volta). Esse Messias, porém, não seria descendente de Davi, como pensavam os judeus, mas sim um novo Moisés. Dois textos dos Evangelhos falam especificamente dos samaritanos: João 4 e Lucas 10: 25-37. Ainda hoje existe um grupo de samaritanos, que conserva seus costumes e crenças.

DESAFIO: Escolha um dos personagens bíblicos abaixo e faça uma pesquisa Bíblica sobre essa pessoa, depois faça um trabalho no qual hás de contar tudo o que descobriste sobre essa pessoa e entregue ao seu mestre.

Davi, Salomão, Elias, Eliseu, Ezequias, Josias.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.