Angela Natel On terça-feira, 30 de junho de 2009 At 05:53
1) O QUE OUVIMOS: Aquilo que você ouve tem efeito sobre você. Prov. 20:19; Lev. 19:16; Hebr. 2:1; Prov. 8:33; O diabo sabe o peso que uma música tem sobre a vida de uma pessoa, a fim de fazê-la blasfemar contra D-us, introduzi-la no mundo das drogas, promover sua sensualidade, levá-la a criticar suas autoridades... Is. 11:3
A igreja de Cristo não é lugar de pessoas que vivem como bem entendem.

2) O QUE VEMOS / LEMOS: Lixo ou riqueza para tua alma ? Prov. 3:7; A 1a . olhada é inevitável quando não se sabe o que se tem pela frente. A permanência na 1a . olhada ou uma 2a . já é concupiscência dos olhos (pecado). Prov. 4:25; Revistas, filmes, novelas, livros, não precisam ser “espirituais”, contanto que não tragam lixo para sua mente. Qual o caminho mais perigoso do ser humano? F Mat. 6:22,23; 15:19; Luc. 6:45;

3) USO DO DINHEIRO: Buscar o padrão e as prioridades de D-us. Prov. 3:9; Mat. 7:13; O sistema de valores de D-us é diferente do nosso: morrer para viver, dar para ter, servir para ser honrado,... 1a Tim. 6:2-20; 2a Sam. 24:24 (ver contexto) Atenção nas responsabilidades, prioridades, necessidades e, só então, ao prazer. Dízimos e ofertas, as primícias para D-us. Sem contas, empréstimos, “fiado” ou aluguel. Sl. 86:11

4) USO DO TEMPO: Sl. 90:12; Precisamos aprender a administrar o nosso tempo, senão ele vai fluir para nossas fraquezas (ociosidade) e servir às emergências. Ef. 5:15-21; Prov. 19:15; Sl. 119:161; Sl. 111:10;

5) VESTIR: Prov. 31:25,30; De que maneira você se veste, e por quê? A linha bíblica é decência e ordem. A nossa preocupação ao nos vestirmos deve ser a g1ória de D-us e o amor aos outros. 1a. Ped. 3:3,4 ; Deut. 22:5,11; Ecl. 9:8; 1a Tim. 2:9 Não precisamos ajudar D-us a fim de valorizarnos.

6) RELAÇÃO COM O SEXO OPOSTO: Às vezes despertamos algo no outro que não podemos ou não iremos satisfazer, isto é defraudação. Defraudação é falta de temor a D-us e falta de amor ao próximo (pois o leva a pecar). 1a Tess. 4:3-8; (cf. Gn. 39); O homem é despertado pelos cinco sentidos, mais especificamente pela visão, a mulher é despertada sexualmente pelas suas emoções. Rom. 6:13-19; Prov. 28:14; Quanto mais intimidade num namoro, mais impuro e cheio de pecados o relacionamento ficará.

7) ATITUDE COM AUTORIDADES: Heb. 13:17; Tito 3:1; 1a Ped. 2:13,14,17; Rom. 13:1,2; Luc. 2:51; Prov. 24:21; Mesmo a autoridade errando com você, você não tem o direito de errar com ela. 1a Cor. 13:5; Somente desobedecemos autoridade quando esta nos ordena a pecar. Desobedecer autoridade é rebelião contra D-us, que a instituiu. Filip. 1:29;


POR QUE TEMER AO SENHOR?

1) Para não pecar - Ecl. 12:13; Jer. 2:19; Jó 4:6; Êx. 20:20;
2) Para liderar - Rom. 11:19-22; Col. 4:12, 17; 1a Ped. 5: 2-4;
3) Para adoração - Ap. 14:7;
4) Para multiplicação - At. 9:31;
5) Para sermos santos - 2a Cor. 7:1; Filip. 1:27


COMO TER O TEMOR DO SENHOR ?

1) Querer ter;
2) Escolher ter;
3) Confessar a falta de temor; Prov. 28:13; Tiago 4:7,8;
4) Ver áreas em que falta temor;
5) Pedir; Filip 2: 12,13;
6) Buscar entendimento na Palavra do Senhor; Prov. 2:2-5;
7) Deixar D-us ensinar; Sl. 34:11-14; Zac. 4:6; Jer. 32:40; Prov. 23:17;

BÊNÇÃOS QUE ADVÊM DO TEMOR DO SENHOR:

1) Sabedoria; Sl. 111:10; Jó 28:28;
2) Amizade e intimidade com D-us; Sl. 25:12-14;
3) Recebe misericórdia de D-us; Sl. 145:15; Is. 66:2;
4) Tem seus desejos satisfeitos; Sl. 37:4; 145:19;
5) Tem prazer com D-us; Sl. 119:74;
6) Longa vida; Prov. 22:4; 14:27; 10:27
7) Provisão de D-us; Sl. 37:7; 33:18-22;
8) Terá um memorial escrito diante de D-us e será seu tesouro particular; Malaq. 3:16-18;

2a Cor. 5:1-17; Deut. 30:19,20; Jos. 24:14; 1a Ped. 4;


PAGUE O PREÇO DA SANTIDADE!!!
Ap. 3:11


Exemplos: falta e sobra de temor - Atos 5
Se D-us nos tratasse como o fez com Ananias e Safira, cada igreja deveria ter um necrotério debaixo de seu prédio.
2a Ped. 2:21

- Jó1:1,9 Jó representa o que há de melhor na espécie, e D-us o está usando para provar a Satanás que é possível um ser humano temer a D-us independentemente das boas dádivas que Ele possa dar. D-us procura fé que não vem pela busca de recompensas.

VOCÊ TEME A D-US SEM MOTIVO?

Será que temos a liberdade e a capacidade de nos erguer, de crer em D-us sem nenhuma razão, sem absolutamente nenhuma razão? Será que alguém consegue crer mesmo quando D-us lhe aparece como um inimigo? D-us se importa mais com a nossa fé do que com nosso prazer.

- e Jesus?
No momento em que D-us mais parecia ausente, foi aí que estava mais próximo. Paulo afirma que na cruz “D-us estava em Cristo reconciliando consigo o mundo”.
A fidelidade da pessoa faz toda a diferença. D-us não está com os ouvidos fechados aos nossos clamores e está no controle deste mundo, não importam as aparências.
Tiago 4:17; 1a Tess. 5:23;

“Aquietai-vos e sabei que eu sou D-us; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra.”
Salmo 46:10
Angela Natel On segunda-feira, 29 de junho de 2009 At 05:50
“O temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.” Prov. 1:7

Ecl. 12:13; Is. 8:13; Sl. 2:11;
* O que é ?
Temor do Senhor é santa reverência, é consciência da presença de D-us; é o que determina a tua reação diante da tentação.
Prov. 14:2,26,27.
Temer a D-us é amá-lO acima de tudo (Deut. 6:5); é odiar e ter nojo do pecado como D-us também tem.

*Qual a imagem que você tem de D-us?
Is. 45:7 - Nunca se erra quando D-us é levado a sério como pessoa.

* Ter medo de D-us X Temer ao Senhor :
Medo é fazer coisas que, perto de certa pessoa, não fazemos. Temor (respeito, reverência) é não fazer e pronto!!!
Deut. 6:1-3 - Para que se incuta o medo de pecar. Moisés deixa claro que a vida com D-us nunca é tão fácil, e tão estruturada para quem quer que seja; mostra uma visão realista a respeito da vida com D-us. Nas igrejas, hoje em dia, as pessoas vivem com medo de D-us e do inferno, além de usar o sangue de Jesus como se usa um sabonete. Deut. 4:10
Sl. 111:10; Prov. 8:13; Heb. 12:28,29;
Deut. 13: 3-5; Temer a D-us é obedecê-lo, e andar em santidade. Deut. 5:29; 6:2-13; Qual a motivação do teu coração ?

2a Cor. 6:1-3; 2a Tim. 2:4
Tudo o que te diz respeito interessa para D-us. Sl. 139; Seja conhecido na terra como você é conhecido no céu. Temor do Senhor é um mandamento:
Ecl. 12:13 - COM O PECADO NÃO SE BRINCA !!!



Áreas da nossa vida em que precisamos do temor do Senhor:

1) PENSAMENTOS: O pecado começa na mente. Precisamos filtrar os pensamentos, pensar em coisas que glorifiquem a D-us, pensar segundo os padrões bíblicos. Não aceite lixo! At. 24: 16; Filip. 4:7,8; 2a Cor. 10:5; 1a Cor. 2:16; Col. 3:2; Rom. 12:2; 2 Cor. 11:3; Heb. 5:14; Tiago 1:14 e 15;

2) PALAVRAS: João 9:31; Mat. 15:11 e 18; Muitos são os pecados da língua (cf. Tiago 3):

A) Murmuração: Sl. 19:14; Murmurar é reclamar das coisas e é pecado; é dizer que D-us não sabe fazer as coisas direito. Renovamos nosso vocabulário com a Palavra de D-us. Ef. 4:29; Col. 4:6; N º 13:31-33;

B) Mentira: Quando mentimos para nos sair bem diante das pessoas é porque temos medo das pessoas e não tememos ao Senhor. Não minta nem por brincadeira! Mat. 10:16,24,25,28,37-39;

C) Crí-tica: (Tiago 3) Desenvolver em nossa família o falar o quanto a amamos, o quanto precisamos dela, elogiar, etc.

D)Fofoca: Fofoca “santa” também é pecado! Chega de achar, deduzir, aumentar, “só contar”... Gál. 1:10;

E)Palavras vãs (torpes) : Tito 3:9-11; Eliminar do nosso vocabulário palavras que não edificam. Col. 3:8; Jesus não aceitou o desafio de se defender ou de se vingar, Ele permaneceu na cruz. Ecl. 5:3-7;

F)Negativismo: Complexo de inferioridade inferioriza o nosso Criador. Sl. 19:14; Precisamos nos ver do ponto de vista de D-us.

3) ATITUDES: 1a João 3:10; 1a Ped. 1:17; Tiago 2:17,26; Amós 3:3; Prov. 24:21; D-us está de olho em nós. 1a Reis 8:61; Col. 3:23; Ef. 5:21; 4:12; A voz do povo nunca será a voz de D-us (ver com Noé, com Daniel, com a crucificação de Jesus). Precisamos agir conforme o que afirmamos crer.



continua amanhã...
Angela Natel On domingo, 28 de junho de 2009 At 05:43

É o único livro de profecia do Novo Testamento e o único em toda a Bíblia que promete uma bênção aos que o lêem e ouvem (1:3). É a revelação de uma pessoa - JESUS CRISTO. Pelo menos 26 vezes achamos o título sacrificial de cristo - o Cordeiro (5:6). O livro trata da volta do Senhor à terra. Descreve o preparo ou falta de preparo da Igreja para esse fato (3:20)

Em Gênesis:
Em Apocalipse:
Tudo foi criado
Tudo será consumado
Céu e terra forma criados
Novo céu e nova terra
Aparecem o sol e a luz
Sem sol, Cristo é a luz no novo céu
Há um jardim
Há uma cidade santa
Casamento do primeiro homem - Adão
As bodas do Cordeiro - Jesus
O princípio do pecado
O fim do pecado
Aparecimento do nosso adversário
Condenação e ruína de Satanás

João era já idoso quando escreveu este livro, quando exilado na Ilha de Patmos. Ele fora banido por causa do seu testemunho de Jesus (1:9). Naquela ilha foi obrigado a executar trabalhos pesados nas minas e nas pedreiras, mas Jesus apareceu e transmitiu-lhe uma vibrante mensagem da glória final.

Sete Igrejas, Selos, Trombetas, Sinais, Últimos flagelos, Condenações e Coisas novas.

Resumo de Apocalipse:
*Passado - "As coisas que viste" - 1:1 a 18
O último quadro de Jesus apresentado no Novo Testamento:
Vestes - dignidade e honra
Cabelos - Daniel 7:9
Olhos - luz
Pés - julgamento
Voz - poder e majestade (Salmo 29)
Mão direita - mistérios
Boca - julgamento (Hebreus 4:12)
Rosto - força (1:12 a 18).

*Presente - "As coisas que são" - 1:20 a 3:22
As Igrejas mencionadas realmente existiram nos dias de João. Ao tratar com elas, Jesus parece estar nos dando, em sete períodos, uma breve história da Igreja desde o primeiro século até os nossos dias:
Éfeso - a Igreja do primeiro amor, a Igreja apostólica (2:1 a 7);
Esmirna - a Igreja perseguida, de Diocleciano a Constantino (2:8 a 11);
Pérgamo - a Igreja sob o favor imperial, sob Constantino (2:12 a 17);
Tiatira - a Igreja papal, a Idade Média (2:18 a 29);
Sardes - a Igreja da Reforma, protestantismo dos séculos 16 e 17 (3:1 a 6);
Filadélfia - a Igreja missionária, começa com o movimento puritano (3:7 a 13);
Laodicéia - a Igreja rejeitada, da apostasia final (3:14 a 19).

*Futuro - "As coisas que hão de acontecer" - 4:1 a 22:21
Os 24 anciãos constituem o corpo de jurados representando os doze patriarcas do Antigo Testamento e os doze apóstolos do Novo Testamento (4:4).

Os quatro cavaleiros:
Cavalo branco - testemunho religioso antes da catástrofe final;
Cavalo vermelho - guerra universal;
Cavalo preto - fome e escassez;
Cavalo amarelo - peste e morte.

Com o sexto selo vem o pânico das pessoas fugindo de Deus - 6:12 a 17
As sete trombetas
Finalmente vemos Satanás encarnar-se no Anticristo (Apocalipse 13, Daniel 12:11, Mateus 24:15, II Tessalonicenses 2:3). Esse Anticristo será um dominador mundial. Ele exige para si as honras devidas ao próprio Cristo. Será o governador político deste mundo. Ele é a personificação da maldade. Será astuto e hábil e um verdadeiro líder de homens. Os homens não poderão comprar nem vender sem o sinal da besta. O sinal da besta é como uma marca de propriedade ou um sinal de fidelidade.. O número 666 é um número de um homem, e exprime uma trindade perversa.

As sete taças de ouro
As taças são o poder de Deus liberado contra Satanás; são a resposta de Deus ao diabo. Elas aniquilam o domínio de Satanás. Satanás é forçado a agir. Seu reino é sacudido até os alicerces e ele está arrasado. Este fato culminará com a batalha de Armagedom (16:13 a 16), descrita no capítulo 19. Na cena final da guerra, Cristo assume o comando dos Seus exércitos e leva à ruína os Seus inimigos.

As bodas do Cordeiro (19:7)
Os santos serão recompensados nos ares, de acordo com as suas obras. A noiva é a Igreja santa.
Jesus pegará vivo o anticristo (19:20) e o falso profeta e os lançará no lago de fogo. Este é o nome dado Geena (inferno, em grego), lugar onde o tormento nunca cessa e do qual ninguém retorna. Cristo porá fim a todo o sistema de Satanás.

O Milênio
Jesus estabelecerá o Seu Reino aqui na terra por mil anos. O diabo será amarrado durante esse tempo (20:3). Os santos reinarão com Cristo (20:4 a 6). Os que morreram sem Cristo só ressurgirão no final desse período (20:5). Quando acabar esse tempo, o diabo será solto novamente e provará as nações (20:7 a 9). A batalha final é preparada, mas Deus condena Satanás eternamente (Mateus 25:41; Apocalipse 20:10).

O Juízo (Hebreus 9:27)
Apocalipse 20:11 a 15 - Os mortos serão julgados de acordo com as suas obras, e será dada a condenação final.

Sete coisas novas:
Céu e terra - 21:1
Povo - 21:2 a 8
Noiva - 21:9
Lar - 21:10 a 21
Santuário - 21:22
Luz - 21:23 a 27
Paraíso - 22:1 a 5

Apocalipse 21 e 22 - Satanás não triunfou em sua tentativa de separar as pessoas da comunhão com Deus através do pecado. Ele fracassou completamente e nós estaremos com Cristo para sempre.
As últimas palavras de Cristo - 22:20 - "Certamento venho."
Nossa resposta deve ser sempre - "Vem, Senhor Jesus!" (22:20)
Angela Natel On sábado, 27 de junho de 2009 At 05:40
Esse Judas era irmão de Jesus (Mateus 13:53 a 55). Conhecia Pedro. A segunda carta de Pedro e a de Judas se parecem muito nas idéias e na forma. Ambas tratam dos perigos que estão ameaçando as doutrinas da Igreja.
Certos invasores começam a ensinar o erro na Igreja (vv. 3 e 4). São mundanos, carnais, céticos, indisciplinados, lisonjeiros e estranhos.
Em contraste com esses maus indivíduos, encontramos os verdadeiros seguidores da fé (vv. 20 a 23).
Programa de edificação do cristão:
Edificar na fé - 20
Orar no Espírito Santo - 20
Guardar-se no amor de Deus - 21
Esperar por Sua misericórdia - 21
Compadecer-se de alguns e salvá-los - 22 e 23
Ser compassivos - 23
Palavra final - v. 24
Angela Natel On sexta-feira, 26 de junho de 2009 At 05:34

A primeira carta do apóstolo foi escrita no ano 90 d.C., provavelmente em Éfeso. Ele escreve a todos os cristãos (2:12 a 14) e os chama pelo nome grego "teknia", que significa "filhinhos". Deus está tratando com Seus filhos nascidos de novo.
João escreveu sua epístola para que os que cressem em Cristo soubessem que têm a vida eterna (5:13).

João escreve por 4 razões:
Para termos uma alegria completa - 1:4
Para não pecarmos - 2:1
Para nos acautelarmos contra o erro - 2:26
Para sabermos - 5:13

João diz que não só devemos crer como cristãos, mas também agir como cristãos. Há pessoas que dizem crer em Deus mas agem mais como o diabo (João 8:42 a 47).

Quem é Deus:
Luz - 1:5
Amor - 4:8 e 16
Justo - 2:29
Vida - 5:11 e 12
Verdade - II João
Bondade - III João

Resumo de I João:
*Conduta acertada - 1:1 a 3:24
Os sete testes do nosso andar com Deus:
Teste 1 - Ande na luz (1:6). Há algum pecado em tua vida? Se houver, você não está andando com Cristo. A presença dEle ilumina a tua consciência e mostra a presença do pecado (Efésios 5:13). A luz revela o pecado te afastará da comunhão com Cristo, mas a comunhão com Cristo te afastará do pecado.
Teste 2 - Reconheça que é pecador (1:8). Você não pode andar com Deus e praticar o pecado ao mesmo tempo. Deus nos mostra nosso pecado para que o confessemos.
Teste 3 - Obedeça à vontade de Deus (2:4). A obediência é uma verdadeira prova. Se você diz que é crente e não obedece a Deus, você é mentiroso. O crente guarda os mandamentos de Deus. Quais são esses mandamentos? Marcos 12:30 e 31
Teste 4 - Imite a Cristo (2:6). Cristo deseja que os outros O vejam em nós. A imagem de Deus é restaurada em nossa vida (Gênesis 1:27; Efésios 4:20 a 24; Colossenses 3:5 a 11; II Pedro 1:4). Errar não é humano, errar é diabólico. Ser plenamente humano é refletir plenamente a imagem de Deus.
Teste 5 - Ame os outros (2:9). Outra prova da vida cristã é o amor (2:7 a 11). O amor muda a pessoa. O amor faz-nos interessados no bem estar dos outros.
Teste 6 - Relacionamento com o mundo (2:15; Gálatas 1:4). O modo de agir do mundo não serve de modelo para o crente. Sempre que um crente age como as pessoas do mundo, ele está andando em terreno proibido.
Há três tipos de pecado (I João 2:16):
- Concupiscência da carne (Gênesis 3:6 - "...agradável ao paladar"); Foi a primeira tentação do diabo a Jesus (Mateus 4:2 a 4). A tentação para satisfazer os desejos pessoais é uma das mais fortes. Alguns acham que a necessidade de pão e prazer justifica quaisquer meios de obtê-los. Não é tão necessário assim que vivamos. Só existe uma necessidade moral - confiar em Deus e guardar os Seus mandamentos (Eclesiastes 12:13).
- Concupiscência dos olhos (Gênesis 3:6 - "...atraente aos olhos"); Mateus 4:8 a 10; Lucas 4:7 - Quantas pessoas adoram no altar das riquezas e das honrarias, só porque desejam aquilo que seus olhos podem ver das coisas deste mundo! Seus olhos podem sujar tua alma (Provérbios 27:20; Isaías 2:11; Mateus 6:22 e 23; Lucas 11:34; II Pedro 2:14)! Se os teus olhos contemplarem objetos impuros, esteja certo de que eles deixarão uma marca na tua mente e no teu coração. Cuidado com o que você vê!
- Soberba da vida (Gênesis 3:6 - "...desejável para se obter discernimento"). É a tentação da popularidade imediata (Mateus 4:5 a 7). Para qualquer pessoa é uma tentação tornar-se popular. Corremos o perigo de vender a nossa própria alma para alcançar nosso objetivo.
Teste 7 - Prove que Cristo é justo pela tua vida (2:29). Aquele que permanece em Cristo produzirá em sua vida o mesmo fruto que Cristo produz, que é a justiça. Se tivermos uma experiência real com Cristo, não viveremos na prática do pecado (3:6 e 9). O crente pode, sob forte tentação, cair em pecado como um ACIDENTE, mas confessará e não o continuará praticando. Devemos considerar o pecado como Deus o faz. Ele custou a Deus o Seu Filho!

*Crer acertadamente - 4:1 a 5:11
Precisamos de uma doutrina pela qual viver. Deus está interessado tanto no que você crê como na Tua maneira de agir. Você não pode crer em coisas que não são verdadeiras a respeito de Cristo e ao mesmo tempo manter comunhão com Ele.
Você não pode negar a morte de Cristo na cruz e obter perdão para os teus pecados. Não pode negar a ressurreição de Cristo e desfrutar dos privilégios do Cristianismo que se encontram no Cristo vivo. Não pode negar que Cristo é Deus e ter aceso ao Pai. Aquilo que cremos determina nossas ações.

Em que devemos crer?
Que Jesus Cristo veio em carne (4:1 a 6; 5:20 e 21);
Na divindade de Cristo (4:15; 5:5);
Que Deus é amor (4:8);
Que Cristo é o nosso Salvador (5:10 a 12).
*Ricas recompensas - 5:12 a 21
Segurança de vida eterna - 5:13
Poder na oração - 5:14 e 15
Poder na intercessão - 5:16
Vitória sobre o pecado - 4:18 e 5:4 e 5

Resumo de II João:
A carta foi dirigida a uma senhora desconhecida. Alguns interpretam como sendo a Igreja.
Precisamos submeter todos os ensinos à prova das Escrituras por causa da verdade (v.2). Esse é o teste final. Examine tua experiência pela Palavra de Deus mas nunca examine a Palavra de Deus por tua experiência.

Resumo de III João:
I João mostra Jesus, a vida;
II João mostra Jesus, a verdade;
III João mostra Jesus, o caminho - ver João 14:6.
João escreve esta última carta a seu generoso amigo Gaio, um obreiro cristão autêntico, que dedicou seus bens e seu talento ao Senhor. Tudo o que ele tinha pertencia ao Senhor Jesus.
Angela Natel On quinta-feira, 25 de junho de 2009 At 05:33

A segunda carta de Pedro tem o propósito de advertir. Os crentes precisam mais de coragem moral do que física. O crente nunca está de folga. Defender a verdade muitas vezes é mais difícil do que entrar num combate. Os grandes mártires da História nunca se envergonharam de Cristo porque O conheciam. O conhecimento de Cristo é a melhor arma para vencer as falsas doutrinas.
A vida de escravidão pode ser a mais feliz do mundo se o escravo tiver o dono certo (I Coríntios 7:22; Efésios 6:6 e 7; Colossenses 3:24; I Tessalonicenses 1:9; Romanos 6:16 a 22; I Pedro 2:16).

Resumo de II Pedro:
*Virtudes cristãs - 1:1 a 21
A fim de escapar todos os dias dos terríveis pecados deste mundo, temos de participar da natureza de Cristo e deixar que Ele viva através de nós. A natureza divina que Deus nos deu deve revelar-se em nosso proceder diário. Isso é caráter cristão. Não é mais nem menos do que a prática de virtudes cristãs. Se lermos Gálatas 5 veremos que as virtudes cristãs são o fruto do Espírito
Os outros percebem, vêem que você é crente pelo teu modo de agir? Conheça Cristo, porque conhecê-lO é vida eterna e não há salvação em nenhum outro (João 17:3 e Atos 4:12). Procuremos colocar o chamado e a escolha de Deus acima de toda a dúvida.
Pedro sofreu e morreu pela verdade que proclamou.
As pessoas dependem demais dos seus sentimentos em vez de dependerem de conhecimentos baseados em fatos. Pedro não queria que esses crentes dependessem das suas emoções. Quando o diabo percebe que uma alma está lutando nas ondas do pecado, e se aproxima da Rocha Eterna (que é Cristo), ele joga a tábua da emoção e diz:"Agarre-se a isso. Você se sente melhor agora, não é?" E enquanto a pessoa está tomando fôlego, perde a tábua e está em situação pior do que antes.

*Os falsos mestres - 2:1 a 22
O mundo sempre irá contra a verdade e aos que a proclamam.

As atividades dos falsos mestres:
Introduzem heresias destruidoras - 2:1
Negam a Jesus como quem os resgatou - 2:1
Infamam o caminho da verdade - 2:2
Fazem comércio das pessoas com mentiras - 2:3
Seguem a carne, andando em suas paixões - 2:10
Menosprezam qualquer governo - 2:10
Atrevidos e arrogantes - 2:10
Difamam autoridades superiores - 2:10
Brutos irracionais (não pensam em consequências de seus atos) - 2:12
Falam mal daquilo que ignoram - 2:12
Consideram com prazer a luxúria carnal em pleno dia - 2:13
Festejam em suas próprias mistificações - 2:13
Cheios de adultério e insaciáveis no pecado - 2:14
Enganam os inconstantes - 2:14
Têm corações exercitados na avareza - 2:14
São filhos malditos - 2:14
Extraviados - 2:15
Fonte sem água - 2:17
Névoas impelidas por temporal - 2:17
Proferem palavras orgulhosas de vaidade - 2:18
Enganam com paixões carnais - 2:18
Escravos da corrupção - 2:19

Três testes para falsos mestres:
Teste do sangue - Negam a expiação através do sangue de Jesus (2:1; Romanos 5:9; Efésios 2:13; Hebreus 9:22 e 10:19; I Pedro 1:19; Apocalipse 12:11).
Teste da popularidade - Muitos o seguem (2:2). A voz do povo nem sempre é voz de Deus (Gênesis 11:3 a 7; João 6:65 e 66; Mateus 27:22 e 23).
Teste do vocabulário - Dizem que crêem em tudo, mas estão longe do que a Bíblia diz. Só querem tirar dinheiro do povo (2:3; Mateus 7:15 a 23; Jeremias 5:12; II Timóteo 3:5; Tito 1:16; Judas 4).
Só há uma coisa que Deus pode fazer com esse tipo de pessoas: destruí-las! (2:3 a 9) Eles certamente serão punidos. Por mais severo que seja o julgamento dos falsos profetas, a libertação do povo de Deus é prometida.

*A vinda de Cristo - 3:1 a 18
Podemos apressar Sua vinda levando uma vida santa. A fé na volta de nosso Senhor deve conduzir-nos a isso. Também podemos apressá-la por nossa conversação piedosa. Vigie o teu falar. Seja diligente (3:14). Você está aguardando a volta do Senhor?
As últimas palavras de Pedro - II Pedro 3:17 e 18
Angela Natel On quarta-feira, 24 de junho de 2009 At 05:31

Jesus viveu o tipo de vida descrita nestas cartas (I João 2:6).

Sete coisas preciosas:
O valor precioso da fé - I Pedro 1:7
O precioso sangue - I Pedro 1:19
A preciosa pedra angular - I Pedro 2:6
O precioso Cristo - I Pedro 2:7
O precioso Espírito - I Pedro 3:4
A fé preciosa - II Pedro 1:1
As preciosas promessas - II Pedro 1:4
Este livro foi escrito por Pedro, quase no fim da sua vida (cerca de 67 d.C.). Ele estava na Babilônia, à margem do rio Eufrates (5:13), onde tinha sido estabelecida uma Igreja. A carta foi mandada por Silas (5:12), um dos companheiros de Paulo. Pedro torna-se o líder dos apóstolos. Pertenceu ao círculo íntimo dos três amigos de Cristo, foi o pregador do Pentecostes. Os primeiros 12 capítulos do Livro de atos giram em torno do seu ministério. Pregou aos judeus por toda a parte. Por fim, morreu como mártir, sendo crucificado durante o reinado de Nero, imperador de Roma. De acordo com a tradição, foi crucificado de cabeça para baixo porque considerava-se indigno de morrer de maneira semelhante a seu Mestre.
I Pedro foi escrito num período em que a aversão geral aos cristãos ameaçava tornar-se perseguição aberta (2:15; 3:13 a 17; 4:12). Era o tempo das perseguições de Nero. O próprio Pedro sofreu nas mãos desse imperador cruel antes do ano 67 d.C. (1:1 a 3 e 6 a 9; 2:13 a 17; 4:12 a 19).
Este livro apresenta-nos conselhos simples sobre como devemos viver.

Resumo de I Pedro:
*Os privilégios do crente - 1:1 a 2:10
Somos remidos pelo sangue precioso de Cristo, temos nEle tudo o que Deus deseja que possuamos.
A vida de fé é descrita na princípio do livro. Somos nascidos de Deus (regenerados - 1:3), no fim, há uma herança reservada para nós (1:4).

Preciosas promessas:
Regenerados por Jesus Cristo - 1:3
Uma herança incorruptível - 1:4, 5 e 10
Somos guardados pelo poder de Deus - 1:5
Estamos sendo purificados - 1:7
A salvação - 1:9
O evangelho - 1:12
Uma grande esperança - 1:13
A redenção pelo seu sangue - 1:18 e 19
Não seremos envergonhados - 2:6
Nascemos de novo pela Sua Palavra - 1:23
Somos edificados casa espiritual - 2:5
Somos povo escolhido - 2:9
Uma coroa de glória - 5:4
Não viva de acordo com o velho padrão (1:16, 22 e23). Tudo o que for contra a supremacia do Senhor Jesus Cristo deve desaparecer!

*Os deveres do crente - 2:11 a 4:11
Para o crente, que segue o plano de Pedro, tudo é diferente. Ele investe tempo, pensamento e dinheiro em busca do plano de Deus para a sua vida. Descobre que ela é cada vez mais doce e que o melhor de tudo está no seu fim.
A maior satisfação do crente é saber que está agradando o seu Senhor e Salvador. No poder de Deus, viva para Cristo em todas as fases da tua vida. Não deixe de fora nem as coisa mais insignificantes. Não será fácil pois o diabo tentará impedir, e usará todas as armas contra você. Mas Cristo já alcançou a vitória sobre ele e essa vitória pode ser tua, basta você pedir (I Coríntios 15:57).
Devemos influenciar os outros naquilo que dizemos e fazemos. Os cristãos eram frequentemente obrigados a deitar fora certos costumes sociais que eram contra princípios da Palavra e da vontade de Deus. Ser livre não é fazer o que queremos, e sim o que devemos.

Quatro mandamentos básicos (I Pedro 2:17):
Trate a todos com honra - respeito;
Ame os irmãos;
Tema a Deus - Jó 28:28; Provérbios 8:13;
Honra o rei - respeita o governo.
Uma das maiores e mais convincentes provas que uma pessoa pode dar de ter nascido de novo é suportar com paciência erros e injustiças (2:19 e 20).

O cristão é:
Uma criança - 2:2 - desejoso da Palavra de Deus;
Uma pedra viva - 2:5 - no Templo da vida;
Um sacerdote - 2:5 - que oferece sacrifícios espirituais;
Um forasteiro - 2:11 - que se mantém imaculado do mundo;
Um peregrino - 2:11 - que vive praticando boas obras;
Um cidadão - 2:13 - que obedece às autoridades;
Uma pessoa - 2:17 - que trata todos com honra;
Um servo - 2:16 - que obedece a Cristo;
Um sofredor - 2:21 - seguindo os passos de Jesus;
Um mordomo - 4:10 - da graça de Deus;
Um portavoz - 4:11 - que fala em nome de Deus.

*As provações do crente - 4:12 a 5:14
Todas as noites se cristãos eram queimados nos jardins de Nero. A História está cheia de perseguições contra os cristãos e algumas foram mais violentas que as de Nero. Através dos séculos, milhões de cristãos têm sido submetidos a todo tipo de torturas, e muitas vezes nos desesperamos com nossas pequenas dificuldades...
As pessoas irão perseguir os verdadeiros cristãos porque o mundo odeia a Cristo e tudo o que se relaciona com Ele (II Timóteo 3:12; I João 4:6; Mateus 10:22 e 24:9; João 15:20).
Angela Natel On terça-feira, 23 de junho de 2009 At 05:29

A lei de Cristo para a vida diária encontra-se na palavra "praticantes" (1:22).
O autor do livro é, sem dúvida, Tiago, irmão de nosso Senhor (Mateus 13:53 a 55). Pode ser chamado o apóstolo prático. Ele defende eficiência e coerência na vida e na conduta.
Tiago é a mais prática de todas as epístolas. Está cheia de princípios morais. Mostra a ética do Cristianismo. Expõe obras e nos convida a viver o Evangelho. Tiago fala do fruto da nossa fé.
Tiago menciona o nome de Deus muitas vezes, mas o de Jesus somente duas. Ele se opusera vivamente a Jesus e às Suas afirmações até à Sua morte, mas, depois da ressurreição, converteu-se num encontro especial com o Senhor ressuscitado (I Coríntios 15:7). Tornou-se um homem de oração e foi feito bispo da Igreja em Jerusalém (Atos 15:13 a 21). A sua obra foi ganhar os judeus e ajudá-los a compreender o Cristianismo. Acabou sendo morto pelos judeus no ano 62 d.C. Segundo uma tradição, o sumo sacerdote e os guias religiosos forçaram-no a subir no telhado do Templo e lhe ordenaram que blasfemasse o nome de Cristo. Mas ele ousadamente proclamou que Jesus é o Filho de Deus e por isso foi lançado abaixo, tendo morte instantânea.

Resumo de Tiago:
*A fé vitoriosa sobre a tentação - 1:1 a 21
O propósito da prova é ser instrumento de Deus para nos abençoar (1:3). As provas de caráter vêm de Deus (Gênesis 22:1), mas as tentações para o mal nunca provém dEle e, sim, do adversário através da nossa própria natureza corrompida (1:13). O caráter que não experimenta a provação de nada vale.
Como ser sábio? - 1:5

*A fé revelada por nossos atos - 1:22 a 2:26
Não seja apenas ouvinte da Palavra de Deus, mas ponha o Evangelho em prática. A religião que não exerce influência sobre a língua (o nosso falar diário) não tem valor.

O que devemos fazer com a Palavra?
Recebê-la - 1:21
Ouví-la - 1:23
Praticá-la - 1:22
Examiná-la - 1:25
A fé que você tem é a fé que você demonstra.
O Cristianismo NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS (2:1 a 4).

Que é pecado?
Desobedecer à lei de Deus é pecado. A fé que não se expressa em obras não tem valor. A fé se revela pelo que fazemos.
Qual a condição essencial para alguém tornar-se amigo de Deus? 2:23

*A fé revelada por nossas palavras - 3:1 a 18
Nosso falar revela quem somos e a quem pertencemos (João 8:42 a 47). Expressa a nossa personalidade mais do qualquer outra coisa. Aquele que controla a sua língua é perfeito (3:2).

*A fé revelada na pureza do caráter - 4:1 a 17
O diabo baseia-se em princípios que se opõem a Deus em todos os sentidos. São os princípios do poder, da ganância, da ambição, do egoísmo e do prazer. O crente deve estar crucificado para o mundo (Gálatas 6:14).
Deus promete responder à oração, não, porém, a daqueles que vão gastá-la em seus próprios prazeres. É comum ver crentes mundanos orando por motivos puramente egoístas. (4:1 a 4)

A solução (4:6 a 10):
Sujeitar-se a Deus - vida de submissão e obediência;
Chegai-vos a Ele - com mãos limpas e coração puro;
Humilhai-vos - admitindo nossa verdadeira condição.

Ser amigo do (sistema do) mundo significa ser inimigo de Deus (4:4; Mateus 6:24). Entrega-te a Deus e não te sujeita ao diabo. Quando o homem resiste ao diabo e se submete a Deus, o diabo foge!

É importante compreender:
Eu devo fugir do pecado - II Pedro 1:4; Gênesis 39:12; I Coríntios 6:18 e 10:14; I Timóteo 6:10 e 11; II Timóteo 2:22.
Eu devo resistir ao diabo, quem foge é ele - Tiago 4:7; Efésios 6:12 a 14; I Pedro 5:8 e 9.

*A fé revelada por nossa vida de oração - 5:1 a 20
A oração é a chave que, se for conservada em constante uso, abrirá os tesouros da terra e do céu. A oração da fé exige confissão de pecado e uma vontade sujeita a Deus. A poderosa oração de Elias, que abriu e fechou os céus, é um exemplo para nós (5:16).
Apesar de só Deus ter o poder de salvar uma pessoa, Ele usa instrumentos humanos para esse fim (5:20).
Angela Natel On segunda-feira, 22 de junho de 2009 At 05:27

Como crentes, temos o melhor – o melhor em todos os sentidos. A Palavra chave do livro de Hebreus é “melhor”, que aparece 13 vezes no livro.
O autor da epístola é desconhecido. Tem havido muitas tentativas de se descobrir quem escreveu, mas não há nenhuma certeza.
Esta epístola revela as glórias do nosso Salvador. Nossos olhos estão fixos em Jesus (12:2).
O livro foi escrito, antes de tudo, para judeus cristãos, provavelmente de Jerusalém, que estavam vacilando na fé. Por causa dos escárnios e zombarias dos seus perseguidores, esses crentes estavam começando a pensar que tinham perdido tudo ao aceitar o Cristianismo: altar, sacerdote e sacrifícios. O apóstolo prova que eles só haviam perdido a sombra e receberam a substância (Jesus Cristo). Estavam subestimando seus privilégios em Cristo, e entregando-se à autopiedade ea o desânimo. Corriam o perigo de até mesmo abandonar a fé (5:11 e 12). Tinham começado bem (6:10), mas não tinham progredido (6:11). O autor procura conduzí-los de um conhecimento elementar para uma compreensão mais madura. Exorta-os a serem fiéis ao Cristianismo. Mostra-lhes a superioridade do Cristianismo em relação ao Judaísmo. Quer impedí-los de voltar às cerimônias e ritos judaicos. Insiste para que deixem tudo o mais e conservem firmes a fé e a esperança do Evangelho.

Jesus Cristo:
Maior que os profetas - 1:1 a 3
Maior que os anjos - 1:4 a 2:18
Maior que Moisés - 3:1 a 19
Maior que Josué - 4:1 a 16
Maior que Arão - 5:1 a 10:18

Esses personagens ocupam lugar de grande importância no judaísmo. Eles formam a estrutura do seu culto, e o que tem de ficar provado que alguém "melhor" viera para tomar o lugar deles, de modo que os seus seguidores transferissem a sua lealdade para esse alguém "melhor".
Hebreus prova que não podemos entender o Antigo Testamento sem o novo, nem o Novo sem o Antigo.

Resumo de Hebreus:
*A superioridade da pessoa de Cristo - 1:1 a 4:13
A frase inicial de Hebreus é uma das mais sublimes da Bíblia. A epístola foi escrita para corrigir a idéia errada de que os judeus cristãos tinham perdido determinadas coisas ao aceitarem o Cristianismo. O Cristianismo não é deitar fora, mas receber o maior dom da vida, na realidade a própria vida, porque Cristo é a Vida (João 14:6).
Convém notar que anjos e espíritos humanos (daqueles que morrem) não são iguais. A vida humana é uma ordem de criação diferente dos anjos. Não nos tornamos anjos quando morremos. Eles são uma criação especial de Deus. Eles são agora, e serão sempre, no céu, nossos servos (1:14). Os anjos adoram Cristo exatamente como nós.
Quando Deus quis salvar as pessoas do pecado, Ele não enviou um anjo, mas Seu Filho. Deus não veio em forma de anjo, mas de homem. Sofreu e morreu como homem para que pudesse ser nosso Redentor (2:10). Jesus provou a amargura da morte por nós a fim de vencer o poder do diabo, que tinha o poder da morte. Jesus subiu da sepultura com as chaves do inferno e da morte; o diabo já não pode prender nenhum de nós na morte.
Muitos estavam confusos quanto ao ministério da Cristo na terra. Pensavam que Ele tivesse vindo para cumprir as leis que Moisés havia dado. Mas Cristo foi quem fez as leis. Deixe o esforço próprio e submeta-se a Cristo (4:10).

*A superioridade do sacerdócio de Cristo - 4:14 a 10:18
Aqui começa o tema principal do livro (8:1). O autor mostra que o sacerdócio de Cristo é superior ao sacerdócio da lei levítica.
O ponto central do livro é o sacerdócio eterno de Cristo e o Seu sacrifício que pagou pelo pecado do mundo. A epístola detém-se no tema da suprema importância e poder do sangue de Jesus Cristo para obter a nossa redenção (4:14 a 16).

O sacerdócio de Cristo (Comparado ao de Melquisedeque - Gênesis 14):
Sacerdócio real - reis da paz e da justiça
Universal - não só para os judeus
Sua genealogia humana - 7:3
Sem sucessor - quando Melquisedeque morreu, ninguém tomou o seu lugar, assim Cristo é sacerdote para sempre.

Cristo é sacerdote:
De uma superior aliança - 8:6 e 10
De um mais perfeito tabernáculo - 9:11 e 12
De superior sacrifício - 9:23
Ele mesmo é o sacrifício. O pecado separou as pessoas de Deus (Isaías 59:2). No Antigo Testamento um representante, o sumo sacerdote, nomeado por Deus, podia ir à Sua presença uma vez por ano, depois de oferecer sacrifícios pelos pecado do povo. Ele tinha de oferecer o sangue de novilhos e bodes, não só pelos pecados do povo, mas também pelos seus, porque também era pecador. Depois entrava no lugar santo, e, além do véu, no Santo dos santos, onde ficava a Arca da Aliança. Ali ficava o propiciatório, onde Deus se encontrava com o homem através do mediador, o sumo sacerdote.
Como podemos ir a Deus hoje? Cristo tornou isso possível. O Seu sangue tinha de ser derramado (9:22 e 10:12). "Está consumado", exclamou Ele da cruz. Toda a Sua obra de redenção tinha sido completada. Esta é a razão pela qual podemos entrar na presença de Deus (o lugar santíssimo) com ousadia, pelo sangue de Jesus (10:19 e 20).

As aparições de Cristo:
No passado - na cruz (9:26)
No presente - à direita do trono (9:24)
No futuro - nas nuvens de glória (9:28)

*A superioridade da vida em Cristo - 10:19 a 13:25
Daqui por diante, o escritor fala-nos sobre a espécie de vida que devemos viver por causa da obra de Cristo como Sumo sacerdote a nosso favor.
Os homens e mulheres cujos nomes estão em Hebreus 11 tiveram uma visão elevada. O Espírito Santo diz-nos que o segredo de cada vida é a fé; mas, não é tanto a sua fé, mas a sua dependência da fidelidade de Deus (onde baseia-se a fé).
Fé é confiar em Deus, é crer nEle. É um simples ato de vontade. Ou queremos crer em Deus, ou não. A decisão é nossa. Não é difícil nem complicado. Quando resolvemos crer em Deus, a vida e o poder sobrenaturais entram em nossa vida. Realiza-se um milagre dentro de nós. Um dos resultados práticos da fé é fazer com que pessoas fracas se tornem fortes (11:34).
Só há um tipo de pessoa no mundo que pode agradar a Deus. Qual é? 11:6. Não é o que fazemos por Deus, mas o que Ele faz por nós que nos dá uma vida de poder e força. Nosso grande Deus, e não a nossa grande fé, é o que importa.
Para correr a carreira da vida:
Sejamos perseverantes - 12:1
Suportemos a disciplina - 12:11
Sigamos a paz e a santificação - 12:14
Sempre olhando para Jesus - 13:20 e 21.
Angela Natel On domingo, 21 de junho de 2009 At 05:26
O amor cristão e o perdão são realçados neste livro. Ele revela o poder do Evangelho para ganhar um ladrão e escravo foragido e para mudar o modo de pensar do seu senhor (dono). É um livro de Cristianismo aplicado, um manual de serviço social.
Nesta carta Paulo intercede junto a Filemom, destacado membro da Igreja de Colossos, a favor de um escravo foragido, de nome Onésimo, que roubara uma quantia do seu senhor e fugira para Roma. Lá veio a encontrar-se providencialmente com Paulo, e aceitou a Cristo como Salvador. Onésimo conquistou o coração de Paulo por seu serviço devotado a ele, mas Paulo sabia que ele era escravo de Filemom e não podia conservá-lo permanentemente. Por isso Paulo o manda de volta e roga a Filemom que o receba de novo. Ele se responsabiliza pelas dívidas de Onésimo, pedindo que as ponha em sua conta. Queria livrar o escravo foragido do severo e cruel castigo que merecia de acordo com a lei romana.
Esta epístola trata do problema da escravidão. Paulo não exige sua abolição, mas mostra que ela nunca poderá ser fruto do Cristianismo.

Resumo de Filemom:
*Paulo intercede por Onésimo -1 a 25
Onésimo, cujo nome significa “proveitoso”, roubara seu senhor e fugira para a grande cidade de Roma. De algum modo entrou em contato com o pequeno grupo de cristãos que cercavam Paulo, e converteu-se. O apóstolo manda Onésimo de volta ao seu senhor, com esse bilhete pessoal e amigo. O servo antes inútil, agora lhe sera útil. Cristo torna as pessoas úteis umas às outras.
A atitude de Paulo para com Onésimo exemplifica a obra de Deus a favor do pecador. Paulo não subestima o pecado, mas intercede pelo culpado na base do seu próprio mérito aos olhos de Filemom, seu amigo. Mais que isso, ele assume pessoalmente a responsabilidade pela dívida de Onésimo. “Lança tudo em minha conta” diz ele. Esta é a mensagem do Evangelho. Cristo levou os nossos pecados em Seu próprio corpo no madeiro. É o que Cristo faz – toma o lugar do pecador.

Administração social:
O segredo da solução do problema entre capital e trabalho está no amor de Cristo, tal como existiu entre Filemom e Onésimo depois que o escravo voltou ao lar. O cristianismo não só liberta os escravos, mas também lhes ensina que tanto eles como seus senhores são um em Cristo.Cristo veio transformar as pessoas. Ele liberta-nos da escravidão do pecado e nos manda sair para abolir (acabar com) todo espécie de escravidão (Isaías 61:1 a 3).
Angela Natel On sábado, 20 de junho de 2009 At 05:23

A importância das boas obras é salientada nesta epístola. Não somos salvos por boas obras mas PARA as boas obras. A epístola a Tito foi escrita por Paulo. Tito era bispo de Creta, um posto difícil (1:12 e 13). Paulo lhe dera antes a árdua tarefa de acabar com as diferenças em Corinto, e, com tato, persuadir a Igreja a agir de maneira certa na questão das divisões. A segunda carta aos coríntios mostra como Tito foi bem sucedido em sua missão. Tito era gentio. Sem dúvida, foi um dos convertidos de Paulo nos primeiros anos do seu ministério. Acompanhou Paulo e Barnabé na viagem a Jerusalém dezessete anos depois da conversão de Paulo.
A carta a Tito está cheia de conselhos práticos ao jovem pastor, orientando-o em sua administração e prevenindo-o contra os hereges daqueles dias. Ele pede que Tito vá vê-lo e o informe da condição da igreja na ilha. Ainda que fosse uma carta pessoal, sem dúvida era para ser lida à igreja também. A carta é muito parecida com I Timóteo. Foi escrita na mesma época, e trata dos mesmos assuntos.

Resumo de Tito:
*Deveres dos oficiais da Igreja – 1
As qualificações dos oficiais da Igreja são claramente apresentadas. Só homens de caráter deviam ser escolhidos: irrepreensíveis em sua vida pessoal (1:7 e 8) e fiéis à Palavra (1:9).
Como você age no lar? Que tipo de crente você é lá? Esta é, muitas vezes, a prova do teu cristianismo. É a vida no lar que importa. Por isso, o pastor deve servir de exemplo ao povo. Deve ser marido de uma só mulher, mas não é obrigado a casar-se como se exige dos padres da Igreja Grega. Por outro lado, não deve ser impedido de casar, como decreta a Igreja Romana. Visto que o ministro é julgado por sua vida familiar, deve orientar bem os filhos, porque o que não sabe governar sua própria casa, não sabe governar a Igreja de Deus. Deve ser homem de coragem moral e compassivo. Deve saber ensinar e encorajar os outros através de seu ensino.

*Deveres dos membros da Igreja – 2 e 3
Paulo acreditava que a doutrina deve expressar-se na vida, por isso dirigiu uma palavra a Tito acerca dos idosos (2:2 e 3), dos jovens (2:4 e 6) e dos escravos (2:9 e 10).
A prova da comunhão não está no calor da devoção, mas na santidade da vida. Não podemos viver na base de emoções. Alguns confundem sentimento religioso com santidade e bons pensamentos com bom procedimento. Pode-se usar e abusar da emotividade religiosa.
Paulo diz que somos salvos pela misericórdia de Deus (3:5), e justificados por sua graça (3:7). Mas porque fomos salvos por preço tão alto, devemos mostrá-lo por “boas obras”.

Boas obras:
Padrão de boas obras – 2:7
Zeloso de boas obras – 2:14
Prontos para toda boa obra – 3:1
Solícitos na prática de boas obras – 3:8
Aprendam… a distinguir-se nas boas obras – 3:14
Não diga nada de uma pessoa se não puder dizer uma coisa boa, é um bom conselho a seguir.
Angela Natel On sexta-feira, 19 de junho de 2009 At 05:20

I e II Timóteo e Tito são três epístolas pastorais, escritas a ministros responsáveis por Igrejas importantes, em vez de serem dirigidas às próprias Igrejas. Tanto Timóteo como Tito receberam instruções explícitas para pastorear o rebanho e cuidar das Igrejas depois da partida de Paulo, que ele sabia estar próxima (II Timóteo 4:6 a 8) A Timóteo tinha sido confiado o governo e a supervisão de Éfeso. Isso colocou o tímido jovem frente a frente com sérios problemas. Foi enquanto Timóteo exercia o pastorado em Éfeso que Paulo lhe escreveu as duas cartas de instrução e orientação. Paulo instruiu Timóteo a tratar com severidade os falsos mestres, a dirigir o culto público, a escolher os oficiais da Igreja e a trabalhar com todos os grupos da Igreja. Mas, acima de tudo, devia viver uma vida de exemplo para todos. Timóteo tinha uma tarefa difícil!

Resumo de I Timóteo:
*Advertência contra falsas doutrinas – 1
Não misture fábulas, lendas e tradições com o Evangelho. Paulo fala claramente de alguns que, tendo abandonado a fé e uma boa consciência, provocaram queda espiritual e estão arruinados. O melhor modo de combater o erro é com uma vida à altura dos padrões estabelecidos pela Palavra de Deus. Os crentes precisam viver melhor do que as outras pessoas, se desejam que o seu testemunho tenha valor. Não estamos prontos a defender com muito ardor uma verdade que não vivemos. A razão pela qual muitas pessoas não têm o senso do pecado é que não estão andando perto de Cristo.

*Instruções para a Igreja – 2
O desejo de Deus – 2:4 e 5
Finalmente, que todos os que oram tenham conduta limpa e caráter íntegro (2:8 a 10).

*Oficiais da Igreja – 3
Depois de exaltar a excelência do ofício de bispo ou pastor, ele menciona suas qualificações: deve ser uma pessoa bem equilibrada, ter caráter irrepreensível, marido de uma só mulher, não dado a discussões, nem ganancioso. Deve ser um mestre hábil, que saiba fazer os filhos obedecerem. Não deve ser recém convertido para não cair no orgulho. Deve ter boa reputação na comunidade. É importante que a Igreja tenha liderança adequada. Bons pastores levam a Igreja para a frente. Precisamos de ministros bons e fiéis em nossos dias.
Faz muita diferença o modo como nos comportamos porque a conduta revela o caráter. Aquilo que somos fala tão alto que os outros não podem ouvir o que dizemos.

*Instruções para o pastor – 4 a 6
“Não pensem só em termos da vida física, como podem agradar o corpo.” As pessoas pensam em divertir-se e gozar a vida. O corpo precisa de alimento, de roupas, e ser bem cuidado, mas comece a viver para a eternidade (4:8).
Seja pessoa de convicção e que imponha respeito. Para isso, dê muita atenção à leitura, à pregação e ao ensino. O melhor modo de combater o erro é repetir a verdade simples do Evangelho. O pecado não deve ser tolerado na Igreja, seja quem for o culpado. O amor deve levar-nos a servir ainda melhor!

II Timóteo é uma carta escrita por Paulo da sua última prisão em Roma, na qual declara estar terminando a sua carreira aqui na terra. Esta foi a última mensagem escrita por Paulo.

Resumo de II Timóteo:
*Participe no quartel – o lar – 1
Versículo chave da carta – 1:13
A conduta deve basear-se na doutrina.

*Participe nas manobras – fora do lar -2
O Soldado
O Atleta e
O Lavrador – somos o sal da terra.

Não discutam a respeito da vida cristã, vivam-na! Procurem viver melhor do que os do mundo e eles hão de querer ouví-los. O melhor argumento a favor de Cristo é uma vida vitoriosa. Não afaste as pessoas com críticas cruéis, mas atraia-as a Cristo pelo amor.

*Participe no combate – em plena luta – 3
Manejemos, em cada combate, a Palavra de Deus, que é a espada do Espírito. Sejamos soldados perfeitamente habilitados para toda boa obra. Só a Palavra de Deus poderá guardar a Igreja nestes dias terríveis.
Os males dos nossos dias – (3:1 a 5)

*Participe até a morte – ao terminar a vida – 4
As últimas horas de Paulo foram cheias de glória. Ele termina a epístola com uma incumbência final e solene a Timóteo, diante de Deus e de Cristo, que irão aparecer em breve para julgá-lo, que divulgue (espalhe) o evangelho por toda a parte.
Despedida de Paulo – 4:7 e 8
Angela Natel On quinta-feira, 18 de junho de 2009 At 05:18

II Tessalonicenses fala de Cristo vindo com os anjos do Seu poder (1:7).
Além de provações e perseguições, os cristãos tessalonicenses estavam sendo atribulados (1:7) por impostores que levaram alguns a crer que já estavam passando pela grande tribulação e que o “dia do Senhor” já havia chegado. Paulo procura esclarecer a dificuldade.

Resumo de II Tessalonicenses:
*A vinda de Cristo, consolo na perseguição – 1

*A vinda de Cristo, instruções para os confuses – 2
O Homem do pecado é o mesmo anticristo de que falam Daniel, o profeta, e o Senhor Jesus em Mateus 24:23 e 24. Em Apocalipse 13:1, João fala dele. O anticristo é um falso Cristo. O mundo não quis receber o Homem de Deus, agora ele tem de receber o homem de Satanás.
O “dia do Senhor” está próximo, mas não virá até que certas coisas aconteçam. Paulo previne o povo para que não confunda a esperança da vinda de Cristo para a Sua Igreja com o dia do juízo do Senhor. Antes do “dia do juízo do Senhor” as seguintes coisas devem acontecer:
- Uma grande apostasia da fé (2:3) Pessoas a rir da idéia da vinda de Cristo.
- O “iníquo” será revelado (2:4 e 8). O “homem da iniquidade” começará uma terrível campanha contra o Senhor (Mateus 24:24)

O anticristo:
Ficará em Jerusalém – Mateus 24:15
Fará guerras aos santos – Apocalipse 13:7
Será adorado como Deus – II Tessalonicenses 2:4
Fará sinais e prodígios da mentira – II Tessalonicenses 2:9
Agirá só por três anos e meio – Apocalipse 13:5 e 6
Será lançado no lago de fogo quando Cristo voltar – Apocalipse 19:20

*A vinda de Cristo, preparo prático para o serviço – 3
Não abandonemos a obra que Cristo nos deu para fazer.

Instruções:
Permaneçam firmes – não se deixem influenciar pelos falsos ensinos.
Guardem aquilo em que foram instruídos – não percam nenhuma das verdades fundamentais.
Consolem os seus corações.
Firmem-se em toda a boa palavra e boa obra.

A demora de Cristo é oportunidade para:
Sermos leais a Ele – 2:15
Evangelizarmos o mundo – 3:1
Orarmos por Seus servos – 3:1 e 2
Sermos constantes – 3:5
Vivermos uma vida santa – 3:6 a 14
Angela Natel On quarta-feira, 17 de junho de 2009 At 05:16

A Segunda Vinda do Senhor Jesus Cristo é a verdade que Paulo está apresentando nas duas cartas aos tessalonicenses, e, se não reconhecermos isto, estaremos errando o alvo.
Durante a curta permanência de Paulo em Tessalônica, grande número de gregos e mulheres creram (Atos 17:4). Logo em seguida ele começou a alimentar essa Igreja com o alimento sólido da Palavra. Falou sobre o Espírito Santo, sobre a trindade (1:6) e sobre a segunda vinda (1:10). A Igreja era formada mais de gentios que de judeus. Por estar vivamente interessado nos novos convertidos, Paulo enviou Timóteo de Atenas, a fim de fortalecê-los na fé e trazer notícias deles. Timóteo trouxe um relatório animador, o que muito confortou o apóstolo. Mas Timóteo descobriu que havia algumas faltas a serem corrigidas. Tinham algumas idéias erradas quanto à segunda vinda do Senhor. Estavam preocupados com alguns que tinham morrido, com medo que não tivessem parte no arrebatamento e na glória da volta do Senhor. Outros estavam tão empolgados com o ensino da vida de Cristo, que passaram a negligenciar os deveres diários (4:10 a 12). Desejando corrigir essas idéias erradas e inspirar e consolar os novos convertidos, Paulo escreveu estas cartas.

Resumo de I Tessalonicenses:
*A vinda de Cristo, inspiração para os novos convertidos – 1
Paulo apresenta nesta carta a intensidade do seu ministério; sua disposição de morrer pelos novo convertidos; seu modo de tratar cada um. É isso que o mundo está procurando: crentes que vivam a vida cristã, que ponham em prática aquilo que crêem.

Vida em três tempos:
PASSADO – “Vos convertestes a Deus…” (1:9)
PRESENTE – “Para servirdes o Deus vivo e verdadeiro…”
FUTURO – “Para aguardardes dos céus o Seu Filho”.

*A vinda de Cristo, estímulo para o servo fiel – 2
A obra de Paulo em Tessalônica:
Não foi infrutífera – 2:1
Ousada confiança, apesar das lutas – 2:2
Não procedeu de engano – 2:3
Aprovados por Deus – 2:4
Nunca com linguagem de bajulação – 2:5
Jamais buscando glória de pessoas – 2:6
Dóceis – 2:7
Querendo-os muito – 2:8
Noite e dia – 2:9
Testemunho de vida – 2:10 a 12
A Palavra operando neles – 2:13 a 18
Paulo exorta-nos na carta toda a trabalhar enquanto esperamos.

*A vinda de Cristo, incentivo ao amor entre os crentes – 3:1 a 4:12
Paulo exorta a uma vida de pureza pessoal e a uma vida coerente com o testemunho (4:1).

*A vinda de Cristo, consolo para os enlutados – 4:13 a 18
Quando Cristo voltar à terra, Ele não virá sozinho. Nossos queridos que dormiram em Cristo, Deus os trará juntamente em Sua companhia (4:14). A morte não é o fim de tudo. Há a esperança de que, um dia, todos os mortos em Cristo ressuscitarão e a certeza adicional de que Ele poderá voltar a qualquer momento. O maior acontecimento do futuro é que Ele virá novamente, como Rei, para nos livrar da presença do pecado (Mateus 24:42).
Feitos à Sua semelhança, estaremos para sempre com Ele. Ele foi preparar lugar para nós (4:17; João 14:3). O céu é o lugar onde Cristo está agora. Lá nós estaremos um dia. Esta é a maior honra celestial conferida às pessoas. Tudo acontecerá assim:
A descida do Senhor do céu;
A ressurreição dos mortos em Cristo;
Os crentes vivos serão transformados;
Todos os salvos serão arrebatados para encontrar o Senhor nos ares.
Não viva a fim de estar pronto para morrer, mas viva a fim de estar pronto para a volta de Cristo (5:4 a 8).

*A vinda de Cristo, desafio a uma vida santa – 5
Não nos cabe marcar datas, mas viver vigilantes (5:6). A esperança da vinda de Cristo não significa uma vida ociosa.

O que fazer enquanto espera:
Regozija-te sempre – 5:16
Ora sem cessar – 5:17
Dá graças em tudo – 5:18
Não apaga o Espírito – 5:19
Não despreza as profecias – 5:20
Julga todas as coisas – 5:21
Retenha o que é bom – 5:21
Abstém-te de toda forma de mal – 5:22
Angela Natel On terça-feira, 16 de junho de 2009 At 05:12

Efésios e Colossenses foram escritos mais ou menos na mesma época, enquanto Paulo era prisioneiro em Roma.
A Heresia havia surgido na Igreja de Colossos, desencaminhando os crentes novos com o culto dos anjos (2:18) e a estrita observância do ceremonial judaico (2:16 e 21). Essa heresia era uma mistura das religiões judaica, grega e oriental. Isso provocou uma declaração de Paulo quanto à verdade da soberania absoluta de Cristo. Essa carta é um retrato fiel de Cristo em toda a Sua glória e dignidade.
Cristo é tudo em todos. O erro dos colossenses consistia exatamente nesse ponto, de não se apegarem ao Senhor. O lugar que Cristo ocupa em qualquer ensino religioso determina se tal ensino é verdadeiro ou falso.

A posição da Igreja em Cristo:
Unida (2:2)
Aperfeiçoada (2:10)
Morta (2:20)
Sepultada (Rm. 6:4)
Ressuscitada (3:1)

Cristo é tudo em todos:
Em Sua divindade (1:15)
Na criação (1:15 e 16)
Em Sua preeminência (1:18)
Na redenção (1:20 a 22)
Em primazia (1:16 e 18)
Em Sua Igreja (1:18 e 2:19)
Em Sua presence interior (1:27)

Resumo de Colossenses:
*A vida mais profunda – 1
Note as palavras prediletas de Paulo: fé, esperança e amor. Ele deseja que todos tenham fé em Cristo, amor para com os outros e a esperança do céu.

*A vida mais elevada – 2
Paulo sempre deseja que a nossa vida corresponda à nossa fé. É triste quando a pessoa crê em Cristo mas age como o diabo.

Toda a vida que temos como crentes é a vida em Cristo:
Andando nEle – 2:6
Radicados nEle – 2:7
Edificados nEle – 2:7
Aperfeiçoados nEle – 2:10
Mortos com Ele – 2:20
Ressuscitados com Ele – 3:1
Ocultos nEle – 3:3

A melhor maneira de proteger-se contra as armadilhas do mundo e da sua filosofia é entender a perfeição de Cristo, porque Ele é tudo em todos. Procure firmar-se na Palavra de Deus a fim de não ser arrastado pelos falsos mestres.

*A vida interior – 3
Essa nossa nova vida em Cristo nos torna menos interessados nas coisas que o mundo oferece. Tornamo-nos “mortos para o mundo”. Nossa vida está oculta em Cristo. Na medida em que O vamos conhecendo, descobrimos, uma a uma, as belezas do Senhor Jesus(3:12). Na morte de Cristo morremos para o pecado en a ressurreição nos levantamos para anadar em novidade de vida.
Cristo acrescenta tanto à nossa vida que não há mais lugar para as coisas velhas. Paulo exorta-nos a despojar-nos da velha natureza com todos os seus vícios: imoralidade, impureza, paixão lasciva, avareza, ira, indignação, maldade e os muitos pecados da lingua. Deixemos para sempre esses pecados. Em Cristo podemos fazê-lo.
Muitos crentes procuram vestir a roupa de uma vida nova em cima da velha natureza. Ela simplesmente não cabe. Primeiro temos de deitar for a o pecado e então nos revestirmos da nova natureza. A tua expressão exterior mostra de quem você é e a quem serve (Atos 27:23 e Romanos 6:16). Enquanto vivermos haverá sempre alguma coisa para aprender. Não devemos nunca parar de crescer.
Cristo é tudo em todos (3:11). Se Ele não é tudo em nossa vida, então Ele não é nada. Se Ele não ocupa o primeiro lugar em nossa vida, Ele não ocupará lugar nenhum.

*A vida exterior – 4
Queremos que a nossa vida seja vista e sentida entre as pessoas (4:5). Esta é a maneira de apresentarmos Cristo ao mundo. Cristo está vivendo em nós. Sua vida é narrada hoje em cartas vivas, conhecidas e lidas por todas as pessoas.
Angela Natel On segunda-feira, 15 de junho de 2009 At 05:09

Esta epístola foi escrita para a primeira Igreja fundada na Europa. Paulo exorta a Igreja para que tenha unidade e alegria em Cristo. Esta carta mostra como se pode quebrar a unidade entre os crentes. Cristo é o segredo da alegria.
“A alegria do Senhor é a vossa força”(Neemias 8:10). A palavra alegria ou regozijo aparece frequentemente nesta epístola. Quebramos um mandamento quando não nos regozijamos, porque a alegria expulsa a discórdia.
Custa-nos crer que Paulo está escrevendo acorrentado na prisão. Suas palavras parecem brotar de um coração leve. É evidente que a alma do grande apóstolo está livre. Há uma atmosfera de júbilo, mesmo na prisão.

Resumo de Filipenses:
*Alegria no viver – 1
Paulo gostava de se chamar servo (realmente no sentido de “escravo”) de Jesus Cristo. Apesar de preso por cadeias a um soldado, o povo vinha ouví-lo pregar. Há um grande poder no testemunho de um crente fiel. Você pode ter amigos indiferentes, mas poderá ganhá-los pelo teu testemunho. O crente que trabalha para Cristo quando tudo está contra ele, serve de estímulo a outros.

*Alegria no servir – 2
Devemos ter em mente sempre o exemplo de Jesus Cristo (2:5 a 11). Ele que era o Autor da vida foi obediente até a morte.
Uma vez que você entregou tua vida à direção de Cristo, está sob Suas ordens. Não murmure nem te queixes.
Paulo mostra-nos também que há o lado sacrificial da vida cristã. O que nada custa, nada vale. A vida cristã deve ser um sacrifício se quisermos seguir Cristo. A tua fé te custa alguma coisa? Se sofremos com Ele, com Ele também reinaremos. Somos luz neste mundo de trevas, mas a lâmpada não pode brilhar como deve se estiver suja. Para honrar o Senhor, o crente tem de ser irrepreensível, sincero e inculpável (2:15).

*Alegria na comunhão – 3
Paulo diz aos filipenses que o dever de todo crente é ser alegre.

Os anseios da alma:
Ganhar a Cristo (3:8)
Conhecer a Cristo (3:10)
Ser achado em Cristo (3:9)
Conhecer o poder da Sua ressurreição (3:10)
Conhecer a comunhão nos Seus sofrimentos (3:10)
Conquistar aquilo para o que também fui conquistado (3:12)
Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (3:14)

*Alegria na recompensa – 4 Paulo ora para que o crente tenha alegria todo o tempo e não se aflija com as preocupações. Coloque tuas orações nas mãos de Deus e deixe-as lá. Não se preocupe com elas. Entregue-as completamente, como o semeador faz com a semente, depois de ter devidamente preparado o solo. Se você fizer isso, a paz de Deus guardará teu coração e a tua mente.
Angela Natel On domingo, 14 de junho de 2009 At 05:06

Este livro mostra-nos o grande mistério da Igreja. A verdadeira Igreja é o Corpo de Cristo, e os crentes são membros desse Corpo sagrado, do qual Cristo é o Cabeça. A palavra grega para Igreja é “ecclesia”, que significa uma assembléia de pessoas chamadas para fora. Cristo está separando um povo para o seu nome (Atos 15:14).

Esboço do livro de Efésios:
A posição do crente – 1 a 3
“Em Cristo”
“Nos lugares celestiais”
Os passos do crente – 4 a 6
Na Igreja – 4
Na vida moral – 5:1 a 21
Na vida social – 5:22 a 6:9
Na luta espiritual – 6:10 a 24
Exercício: Leia os capítulos 1 e 2 de Efésios e sublinhe todas as ocorrências da expressão “em Cristo”, para conhecer a nossa posição.

Remir significa comprar de volta, pagar o resgate. Foi isso que Cristo fez por nós quando éramos escravos do pecado.
Paulo conta como Deus guardou dos gentios o segredo de que eles seriam herdeiros e participantes do evangelho, tendo ingressos na Igreja (o Seu Corpo) na mesma base em que os judeus (3:8 a10).
A palavra mistério não significa uma coisa impenetrável. Significa aquilo que Deus escondeu até que chegasse o tempo apropriado de ser revelado por Ele. O mistério da Igreja é que os gentios estariam em posição igual à dos judeus, o povo escolhido de Deus (3:6).
Se quisermos desfrutar essa vida no Templo de Deus, temos de submeter-nos, obedientes a Ele. Se nos submetermos ao Seu plano para a nossa vida, como súditos solícitos, veremos que, em Suas mãos, nossa vida será repleta de alegria e beleza.
Fomos selados com o selo de propriedade. Agora devemos sair e ser seguidores de Deus, como filhos amados.

O andar do crente:
Em amor – 5:1 e 2
Na luz – 5:8
Com prudência – 5:15 e 16
Cheio do Espírito – 5:18
É tão grande pecado não ser cheio do Espírito de Deus como embriagar-se com vinho.

A armadura:
O andar do crente é uma batalha. Mas observe que não há armadura para as costas. É que não se espera que o crente fuja dos seus inimigos, mas combata o bom combate da fé, orando sempre!

O cinturão da verdade
A couraça da justiça
A preparação do Evangelho da paz
O escudo da fé
O capacete da salvação
A espada do Espírito
A oração
Angela Natel On sábado, 13 de junho de 2009 At 06:03

Esta epístola demonstra que o crente não é salvo por estar debaixo da lei, mas é salvo pela fé somente (5:1). A ‘lei’ é a parte da Palavra de Deus que se encontra nos cinco primeiros livros da Bíblia (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio) e servia de orientação para todos os aspectos da vida de Israel.
As Igrejas da Galácia espalhavam-se pela zona rural e eram formadas por gente do interior. Certos mestres da lei tinham seguido Paulo, ensinando salvação pelas obras e declarando que, mesmo sendo o verdadeiro cristianismo, os cristãos deviam ser circuncidados e praticar todas as obras da lei. Esses mestres diziam que Paulo não ensinava isso porque não era verdadeiro apóstolo e tinha aprendido sua doutrina com outros. Isso veio a perturbar os novo convertidos.
A circuncisão era o rito inicial da religião judaica. Se um gentio quisesse tornar-se judeu, tinha de obedecer à lei cerimonial. Paulo queria que eles soubessem que a salvação vem pela fé em Cristo, e nada mais (Atos 16:31).

O poder da cruz:
Para livrar do pecado – 1:4; 2:21; 3:22
Para livrar da maldição da lei – 3:13
Para livrar do egoísmo – 2:20; 5:24
Para livrar do mundo – 6:14
No novo nascimento – 4:4 a 7
Em receber o Espírito Santo – 3:14
Em produzir o fruto do Espírito – 5:22 a 25

Liberdade não é independência da lei – é independência dentro da lei. Paulo fala da liberdade que temos em Cristo (2:4), pois onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade (3:17). Essa é a liberdade de que esse livro trata. Aprenda o que é ser livre em Cristo (João 15:15).

Resumo de Gálatas:
*Introdução – 1:1 a 11
*Paulo defende o seu apostolado – 1:12 a 2:21
A vida cristã é um morrer diário – morrer diário para o eu e para o pecado.

*Paulo defende o Evangelho – 3:1 a 4:31
É possível ter uma religião sem ter o evangelho. Esse era o perigo que os cristãos da Galácia enfrentavam. Há muita gente que confia na sinceridade da sua fé num credo que formularam para serem salvos, mas não há salvação nesse tipo de religião, porque “sem derramamento de sangue não há remissão de pecados” (Hebreus 9:22).
Religião é o melhor que uma pessoa pode fazer. Cristianismo é o melhor que Deus pode fazer. (2:16). Somos declarados justos não por obras da lei, mas pela fé em Cristo. A lei trata do que somos e fazemos, a graça trata do que Cristo é e faz. (3:23 a 4:11)
Paulo diz que nem todos são filhos de Deus, só os que crêem (3:26).

*Paulo deseja que o Evangelho seja aplicado – 5 e 6
Graça sempre leva a pessoa a viver de modo agradável a Deus. Deixe que o Espírito Santo conduza tua vida.

O fruto do Espírito:
Para com Deus: Amor, alegria, paz;
Para com o próximo: Longanimidade, amabilidade, bondade;
Para com nós mesmos: Fidelidade, mansidão e domínio próprio.

*Semeadura e Ceifa – 6:7 a 9
A colheita não será de acordo com o que sabemos, mas de acordo com o que semeamos. Muitos se enganam dizendo:’Não importa o que eu semeie, desde que eu seja sincero.’ O lavrador pode pensar assim? A vida egoísta nunca produzirá o fruto do Espírito.
6:14 – Que me importa o mundo? Tenho Cristo e, tendo-O, tenho tudo!

Contrastes no livro de Gálatas:
Graça e lei – A lei mostra a nossa necessidade
A graça mostra a provisão de Deus para atender essa necessidade.
Fé e obras – A fé nos leva a receber a salvação, confiando.
As obras nos mantém lutando para merecê-la.
Fruto do Espírito e Obras da Carne – O Espírito dá-nos vitória diária sobre o pecado.
A carne torna-nos vulneráveis ao pecado.
Cruz e mundo – A cruz significa morte e sacrifício.
O mundo sugere força e egoísmo.
Angela Natel On sexta-feira, 12 de junho de 2009 At 06:01

Em Atos 18 vemos como o Evangelho alcançou a cidade corrupta de Corinto.
A Igreja de Cristo deve agir como luz num lugar escuro, mas ai dela quando a corrupção do mundo a invade.
Certos costumes comuns naquela cidade pervertida logo penetraram na Igreja. Surgiram divisões entre os seus membros; cristãos que levavam outros cristãos perante a justiça do mundo; o procedimento de muitos na Ceia do Senhor era vergonhoso; na igreja as mulheres não observavam o padrão de modéstia; havia discussões entre os membros da Igreja sobre o casamento e os dons espirituais. Finalmente, a Igreja escreveu a Paulo sobre essas coisas, pedindo sua orientação. As duas cartas aos coríntios foram escritas para responder às suas indagações. I Coríntios trata da conduta cristã.

Resumo de I Coríntios:
*Correções na conduta cristã – 1 a 11
Paulo fala primeiro em divisões e grupos. Há um só Guia na Igreja. Esse Guia e centro é Cristo. Se a Igreja se desviar desse centro, perde o rumo em tudo o mais. As ‘boas novas’ são o próprio Cristo. Ele não só foi o portador da mensagem de Deus; Ele próprio foi a mensagem de Deus. Os coríntios tinham perdido o equilíbrio. Esse espírito faccioso (de divisão) é pecado!
Como crentes, devemos praticar em nossa vida aquilo que cremos no coração. Professar a vida cristã é coisa séria. Se rebaixarmos o padrão que Cristo estabeleceu, falhamos em nosso testemunho perante o mundo. Não permita que sua vida se aproxime tanto das coisas duvidosas que um dia você venha a escorregar. Se você cair, outros cairão com você. Vigie seu testemunho.
Certo membro da Igreja de Corinto havia se casado com a madrasta, o que era considerado imoral, mesmo entre os pagãos (não cristãos). Paulo os repreendeu por estarem cheios de orgulho, apesar desse escândalo na Igreja. Ele insiste que não tolerem o mal em seu meio, uma vez que se chamam cristãos. Como o fermento fermenta toda a massa, também um espírito mau contamina toda a Igreja. Ela deve excluir do seu meio o culpado para demonstrar que não tolera o pecado (5:13). A disciplina na Igreja deve ser feita com pesar e simpatia, e não com ira, orgulho ou vingança.
Paulo declara que, embora seja necessário ao crente, às vezes, ir ao tribunal, os crentes nunca devem brigar e depois levar a discussão a um tribunal mundano. Isso é um mau testemunho para os de fora da Igreja.
A Palavra de Deus não estabelece regras de conduta para nós, mas estabelece princípios pelos quais devemos nos orientar a fim de tomarmos as decisões certas. Tenhamos isso sempre em mente com relação à nossa conduta: se a nossa liberdade está prejudicando alguém, estamos indo longe demais. Posso fazer o que quero, mas preciso certificar-me de que o que quero agrada a Cristo.
I Coríntios 7 - A pureza da sociedade depende do conceito que ela tem do casamento. Alguns membros da Igreja procuravam desencorajar o casamento, e outros achavam que, quando alguém se convertia, devia divorciar-se do cônjuge pagão. Paulo conhecia a corrupção de Corinto e, por isso, aconselhou que todo homem tivesse sua própria esposa e toda mulher tivesse seu próprio marido.
A Ceia do Senhor (11) – Ela foi instituída na noite em que Jesus foi traído. Celebrada em memória do seu amor pelos seus seguidores, é um símbolo do seu corpo que foi quebrado por eles (11:26). É uma nova aliança em Seu sangue, e o penhor (a garantia) da Sua volta. Devemos ser cuidadosos para que não comamos nem bebamos a Ceia de maneira indigna.

*Instruções quanto à conduta cristã – 12 a 16
O Espírito Santo é o doador dos dons espirituais. Os crentes de Corinto estavam usando esses dons como um fim em si mesmos; esqueceram-se de que todos os dons que Deus dá foram dados para que Cristo seja exaltado e os outros sejam abençoados, não para chamar a atenção para nós mesmos.
A importância da ressurreição – 15.

Resumo de II Coríntios:
*O ministério de Paulo – 1 a 7
Quanto maiores os sofrimentos do mundo presente, tanto maior a glória da eternidade (4:8 a 18).

*Liberalidade no dar – 8 e 9
Como dar:
Da sua pobreza – 8:2
Generosamente – 8:3
Proporcionalmente – 8:12 a 14
Espontaneamente – 9:7
Alegremente – 9:7
Abundantemente – 9:6
A razão de darmos está em que Deus amou ao mundo de tal maneira que DEU Seu Filho Unigênito. O próprio Deus tem prazer em dar.

*O apostolado de Paulo – 10 a 13
Os inimigos de Paulo diziam que nenhum apóstolo trabalharia com as próprias mãos para sustentar-se. Apontavam para os outros apóstolos, e Paulo explicava que tinha o direito de ser sustentado, mas recusava tal direito para que os falsos mestres não abusassem do seu exemplo, comercializando o ministério.
Parece que por causa de visões celestiais, Deus permitiu que Paulo sofresse uma fraqueza física. O Senhor conhece o perigo do orgulho. Qualquer que fosse sua fraqueza, o poder de Deus seria suficiente.
Nesta carta, Paulo chama a atenção para a necessidade de os coríntios conhecerem-se a si mesmos – provando-se a si mesmos, para terem certeza da sua fé. Não dependa de uma simples profissão de fé religiosa. Não confie no fato de pertencer a uma Igreja. Unir-se a uma Igreja não salva ninguém. O unir-se a Cristo é que salva. Examine a tua posição. Teu propósito é agradar a Deus ou aos homens?
Angela Natel On quinta-feira, 11 de junho de 2009 At 05:59

Iniciamos agora o estudo das epístolas (cartas) do Novo Testamento. Das 21, 13 foram escritas por Paulo, por isso se chamam epístolas paulinas. Ele escreveu essas cartas às igrejas de Tessalônica, Galácia, Corinto e Roma durante as suas viagens missionárias. Quando prisioneiro em Roma escreveu Efésios, Colossenses, Filipenses e Filemom. Por último, escreveu as cartas a Timóteo e a Tito.
Paulo nasceu em Tarso, de origem puramente judaica. Seu mestre (professor) foi Gamaliel. Como todo menino hebreu, aprendeu um ofício – era fabricante de tendas. Em Jerusalém esteve presente no apedrejamento de Estêvão, o primeiro mártir cristão. A caminho da cidade de Damasco, com a finalidade de perseguir os cristãos, o jovem fariseu teve um encontro com Jesus Cristo. Depois de sua conversão, foi batizado e recebeu a missão de pregar o evangelho. Retirou-se para a Arábia, onde passou três anos em estudo e preparação.
Depois de trabalhar 3 anos em Tarso e 1 ano em Antioquia, dirigido pelo Espírito Santo, Paulo tornou-se o grande missionário aos gentios. Em suas 3 viagens missionárias fundou muitas igrejas e escreveu as epístolas. A cidadania romana, a cultura grega e a religião hebraica prepararam-no maravilhosamente para a grande obra, mas ele confiou somente na graça e no apostolado que recebeu diretamente de Jesus Cristo.
Após uma vida cheia de sacrifícios e sofrimento, selou seu testemunho com o próprio sangue. A tradição diz que foi decapitado em Roma, e seu corpo enterrado nas catacumbas.

A Igreja em Roma:
Não se sabe quem fundou a Igreja em Roma. Paulo desejava muito visitar essa Igreja. Nesta carta ele apresenta o seu evangelho (1:16 e 17).
Paulo, o servo (1:1) escreveu aos santos de Roma (1:7) a respeito de um Salvador (1:3 e 4).

Resumo de Romanos:
*O que somos por natureza – 1:1 a 3:20
Por que o homem precisa de salvação?

*Como tornar-se cristão – 3:21 a 5:21
Quando Deus olha para nós, não vê justiça em nós (3:10). Quando Deus olha para nós através de Cristo, Ele não vê melhora, mas perfeição, porque Ele vê somente Sua própria justiça, Jesus Cristo.
Quando a justiça de Cristo é considerada como nossa, a isso se chama justificação – a pessoa tornado justa perante Deus. O homem não se torna justo por suas obras, e sim por crer em Cristo (3:28).
Nós também recebemos grandes benefícios quando somos justificados por Sua graça. Graça é favor imerecido.
Como pode o homem ser justificado por Deus? Veja 3:24 a 28.

*Como viver a vida cristã – 6 a 8
SAIBA que Cristo morreu por nós (6:3 a 10);
CONSIDERE-SE morto para o pecado (6:11);
OFEREÇA-SE a Deus (6:13).
Isso significa a renúncia da tua vida para que Deus viva em você. Essa é a vida de submissão, é o modo certo de viver uma vida de vitórias e de bênçãos. Deixe que Cristo opere Sua vontade em você e através de você.

*Por que Israel é posto de lado – 9 a 11
A história dos judeus que foram postos de lado e dispersos pelo mundo, sem pátria e sem rei, é uma advertência para nós.

*Como servir a Deus – 12 a 16
Neste apelo, Paulo exorta-nos a viver à altura da nossa fé. Mostra que a doutrina da justificação pela fé não permite uma vida ou conduta descuidada. Somos salvos para servir. A vida do cristão precisa ser vivida em relação a Deus, a si próprio e ao próximo.
12:1 – Muitos estão prontos para morrer por Cristo, mas poucos estão prontos a viver para Ele.
A primeira parte de Romanos é o que Deus faz por nós. A última é o que podemos fazer para Ele.
Angela Natel On quarta-feira, 10 de junho de 2009 At 05:56

A ascensão de nosso Senhor é a cena final de Lucas e a cena inicial em Atos (Lucas 24:49 a 51 e Atos 1:10 e 11).
Atos não é o registro dos atos dos apóstolos, porque nenhuma narrativa extensa é apresentada dos apóstolos, com exceção de Pedro e Paulo. O livro registra os atos do Espírito Santo através dos apóstolos.

O versículo chave é Atos 1:8 e nos dá um resumo do livro, veja…
Atos 1 e 2 – “Recebereis poder…”
Atos 3:1 a 8:3 – “…testemunhas tanto em Jerusalém…”
Atos 8:4 a 12:25 – “…em toda a Judéia e Samaria…”
Atos 13:1 a 28 – “…até os confins da terra.”

O livro começa com a pregação do evangelho em Jerusalém, o centro da nação judaica, e termina com o evangelho em Roma, o centro do poder mundial na época.

Atos 1 a 12 – Pedro testemunhando aos judeus – “Arrependei-vos.” (Atos 2:36 a 38)
Atos 13 a 28 – Paulo testemunhando aos gentios – “Crê.” (Atos 16:30 e31).

Os primeiros cristãos – Atos 2:44 a 47 (frequência, contribuição e missão). Uma Igreja cheia do Espírito santo é uma Igreja que trabalha.
A conversão de Saulo é uma das mais emocionantes da História. Procure conhecê-la bem (Atos 9).
Atos é o único livro inacabado do Bíblia. Observe a maneira rápida como termina. De que outro modo poderia terminar? Como poderia haver uma narrativa completa, acabada, de uma pessoa que ainda vive? Nosso Senhor, que ressuscitou e ascendeu ao céu, ainda vive. Esse livro é só um fragmento. O evangelho de Cristo avança. Ainda estamos vivendo Atos.
Angela Natel On terça-feira, 9 de junho de 2009 At 05:53

A palavra “Evangelho” vem de duas palavras gregas: ‘eu’ e ‘aggelion’ que significam ‘boas novas’ ou ‘boas notícias’. Os quarto autores são chamados evangelistas, de uma palavra grega que significa ‘portadores de boas novas’ ou ‘aqueles que levam boas notícias’.
Os Evangelhos contam-nos QUANDO e COMO Cristo veio. As outras cartas do Novo Testamento contam-nos POR QUÊ e PARA QUE Cristo veio.

Jesus nos quatro Evangelhos:
REI – Mateus apresenta Jesus como Rei. Ele é o filho (descendente) de Davi. Sua genealogia real é dada no capítulo 1. Foi escrito em primeiro lugar para os judeus. Nos capítulos 5 a 7, no sermão do Monte, temos o manifesto do Rei, contendo as leis de Seu Reino. Mateus ocupa-se com a vinda de um Salvador PROMETIDO.
SERVO – Marcos descreve Jesus como Servo. Escrito para os romanos, o livro não contém genealogia. Por quê? Ninguém está interessado na genealogia de um servo. Achamos mais milagres aqui do que em qualquer outro evangelho. Os romanos pouco se interessavam por palavras; muito mais por ações. Marcos ocupa-se com a vida de um Salvador PODEROSO.
HOMEM – Lucas mostra Jesus como o Homem perfeito. Escrito para os gregos, Sua genealogia vai até Adão, o primeiro homem. Como Homem perfeito, o vemos constantemente em oração e os anjos servindo-o. Lucas ocupa-se com a graça de um Salvador PERFEITO.
DEUS – João retrata Jesus como Filho de Deus. Escrito para todos os que vão crer (João 20:31), tudo nesse evangelho mostra Seu relacionamento com Deus. João ocupa-se com a posse de um Salvador PESSOAL.

Os quatro tipos de remetentes (para quem os evangelhos foram escritos):

O JUDEU – Ele recebia treinamento pessoal. Conhecia o Antigo Testamento. Mateus escreveu a história da vida terrena de Jesus especialmente para os judeus. Só um judeu conseguiria despertar o interesse de outro judeu. Eles precisavam saber que Jesus cumpriu as profecias do Antigo Testamento, por isso Mateus sempre repete: “Para que se cumprisse…”
O ROMANO – O dominador do mundo daquele tempo. Marcos escreveu especialmente para ele. O romano não sabia nada do Antigo Testamento, por isso o cumprimento de profecias não lhe interessava. Mas lhes interessava saber sobre um líder notável que surgiu na Palestina, seu poder extraordinário e a autoridade que lhe atribuíam. Eles queriam ouvir mais sobre Jesus – que tipo de pessoa realmente Ele era, o que tinha dito e o que tinha feito. O evangelho de Marcos está cheio de ação, não de palavras; é o evangelho do ministério de Jesus.
O GREGO – O evangelho de Lucas foi escrito por um médico grego, para os gregos, que amavam a beleza, a poesia e a cultura. Era difícil agradá-los. O evangelho de Lucas fala do nascimento ed a infância de Jesus, dos cânticos inspirados relacionados com a vida de Cristo.

TODOS OS HOMENS – João escreveu para todos os homens, a fim de que creiam que Jesus é o Cristo. Ele é apresentado como o Filho de Deus e Seu caráter e ministério divinos são ressaltados.
Angela Natel On segunda-feira, 8 de junho de 2009 At 05:52
(baseado no livro: “Estudo Panorâmico da Bíblia”, de Henrietta C. Mears,
adaptação e acréscimos de ANN)

Quatrocentos anos de silêncio:
Ao tempo em que se encerrou a história do Antigo Testamento, uns poucos judeus , especialmente da tribo de Judá, haviam voltado à Palestina sob a direção de Zorobabel, e aproximadamente oitenta anos mais tarde outro grupo havia voltado com Esdras. Viviam pacificamente em sua própria terra, com o templo reconstruído e as cerimônias religiosas restabelecidas.
Os últimos três livros históricos do Antigo Testamento – Esdras, Neemias e Ester – dão-nos a história desse período.
De Neemias até o início do período do Novo Testamento passaram-se 400 anos. Durante esse tempo nenhum profeta falou ou escreveu. Por isso é chamado ‘período de silêncio’.

A Bíblia num resumo:
PREPARAÇÃO – No Antigo Testamento Deus prepara a vindo do Messias.
MANIFESTAÇÃO - Nos quatro evangelhos Cristo entra no mundo, more pela humanidade e funda sua Igreja.
APROPRIAÇÃO – Nos Atos en as cartas (ou epístolas) são apresentadas maneiras pelas quais o Senhor Jesus foi recebido, apropriado e aplicado à vida das pessoas.
CONSUMAÇÃO – No Apocalipse revela-se o resultado do plano perfeito de Deus.
Angela Natel On domingo, 7 de junho de 2009 At 05:47
Material difundido pela APEC (Associação Para Evangelização de Crianças), e que apresenta cores para explicar o plano de salvação. Existem versões diferentes do livro sem palavras, mas uma delas é a seguinte:

PLANO DE SALVAÇÃO

- Verde - CRIAÇÃO
“No princípio criou Deus os céus e a terra (...) Criou Deus o homem à sua imagem.”
(Gênesis 1:1 e 27)

- Preto - PECADO
“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.”
(Romanos 3:23)

- Vermelho – SANGUE DE JESUS
“Mas Deus prova o seu amor para conosco: Cristo morreu em nosso favor, sendo nós ainda pecadores.”
(Romanos 5:8)

- Branco – PAZ COM DEUS
“Mas a todos quantos o receberam e creram nele, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.”
(João 1:12)

- Amarelo – RIQUEZAS DE DEUS
Disse Jesus: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna.”
(João 6:47)
Angela Natel On sábado, 6 de junho de 2009 At 05:44

Desde o final da década de 60 que o jargão se fez notório: Sexo, Drogas e Rock Roll.
Este foi o grito requerendo ajuda de uma juventude em decadência profunda daquela época e é o mesmo grito nos dias de hoje.
Tudo o que precisavam era de um referencial e o buscaram de forma errada nas pessoas erradas, já que a própria estrutura familiar estava desabando frustrando os sonhos e gerando desequilíbrio emocional.
Nos dias de hoje não é diferente, a juventude esta em busca de referencial, tudo o que querem e paz e amor em suas vidas.
Porém Jesus disse em João 14:27:
“A minha paz voz deixo, a minha paz voz dou, dou não como o mundo a dá, não se turbe o vosso coração e nem se atemorize.”
Conhecendo a raiz desta afirmação:
A Palavra paz liberada por Jesus é, Shallon que quer dizer, paz perfeita, sem barganhas, paz sem mistura, este nível de paz somente um ser perfeito em tudo pode conceber, e a paz que não depende de circunstâncias.
Por duas vezes no mesmo versículo o Senhor Jesus afirma que concebia a Paz, pois ninguém melhor do que ele para ser o referencial de alguém que caminhava debaixo deste principio de paz que o povo daquela época não conhecia.
Jesus estava nos chamando a caminhar debaixo de uma paz que o mundo não pode em hipótese alguma oferecer, pois esta paz gera alicerces para fé.
“A PAZ de Cristo gera alicerces para a fé do Crente”.

E o que isto tem haver com a juventude? Tudo! Pois a única classe que abertamente declara a sua busca pela paz é a classe juvenil, é a juventude.
Um jovem como referencial de Paz é um jovem que pode atrair multidões, por cauda da graça que naturalmente já lhe é concedida por meio de uma intimidade contínua com o Criador.
O príncipe deste mundo sabe exatamente o que um jovem busca.
O jovem busca a Paz, e esta não lhes é normalmente oferecida em seus lares que é a base social, e eles em sua própria linguagem buscam entre si soluções para resolverem seus problemas e questionamentos.

Um jovem sempre está disposto a mudanças e se ele estiver convencido de que a melhor forma de se viver é baseado na santidade ele vai procurar buscá-la, porém ele precisa de um roteiro a seguir e um referencial para imita-lo e uma inspiração para motivá-lo.

“Todo jovem está em busca de um referencial, um modelo”

Se a juventude perceber que aqueles que estão ao seu redor são santos será mais fácil para eles.
A criança e o jovem são perspicazes e extremamente inteligentes eles percebem quando algo está errado e respondem na mesa dimensão.

“A Juventude costuma responder ao Modelo”

Em sua existência é apresentada a juventude vários modelos a serem seguidos. Já sabemos que o principal deles é a família, mais especificamente o pai e a mãe.

“Na ausência do modelo ideal o jovem busca modelos paralelos”

Quando estes ou a ausência destes modelos não responde satisfatória mente dando-lhes a direção correta, o jovem sai em busca de outros modelos a seguir, e geralmente os mesmos modelos que os pais estão fundamentados: Novelas, filmes, conceitos impiedosos e princípios baseados no espírito deste mundo, costumes pagãos etc.
Porém se lhes for oferecido o modelo santo a probabilidade de obtermos uma resposta santa aumenta. E é a esse tipo de exposição que a juventude precisa ser submetida.

“Se oferecermos um padrão de santidade, o jovem responde”

Manter-se santo e um ato individual, porém gerar um estilo em santidade e escorço coletivo onde há um santo deve haver mais.
Um rapaz ou uma moça tem total condição de se manter puros para um matrimonio de sucesso. Deus acredita nisto (Jovens eu vos escrevo porque sois fortes I João).
Há uma força especifica observada por Deus na juventude para que este vença a sua carne e os apelos do mundo isto é possível.
É possível um jovem caminhar em um estilo de santidade a tal ponto que incomodo de outros ao seu redor e desperte uma curiosidade e inspiração em outros jovens.

Porem creio que no que diz respeito à igreja isto terá que começar do líder e passar a repousar nos demais.
Dizer não para o pecado é uma questão de em primeiro lugar decisão devo dizer: Eu decido caminhar em santidade, dizer não para o pecado.
Depois de ter decidido, ai começa a segunda faze que é lutar esmurrar o seu próprio eu para ver a gloria de Deus.
“Fazer a vontade de Deus atrai a Sua Glória”
Angela Natel On sexta-feira, 5 de junho de 2009 At 07:55


Amados graça e paz.

No próximo domingo acontecerá o DIP, que é o Domingo da Igreja Perseguida. Esse evento é promovido pela Missão Portas Abertas, que trabalha com os cristãos perseguidos.
Entrem no site: www.portasabertas.org.br
E veja os detalhes e separem um momento para esse evento.
Ore pelos cristãos perseguidos.Vamos no envolver.
Ainda dá tempo, se envolva. Quem se cadastrou antes recebeu um material da Missão Portas Abertas para realizar o evento. Mas quem não se cadastrou pode fazer o evento.

Leve 100 milhões de cristãos para sua igreja no dia 7 de junho
Sim! Este é o número de cristãos perseguidos atualmente em mais de 50 países.
No próximo dia 7 de junho, junte-se a mais de 2.900 igrejas no Brasil para participar do Domingo da Igreja Perseguida em favor de irmãos e irmãs que sofrem por causa de sua fé.

O que é o Domingo da Igreja Perseguida?
O Domingo da Igreja Perseguida (DIP) foi criado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas, com o objetivo de unir cristãos em torno de um só motivo: nossos irmãos que pagam um alto preço por sua fé.
É um dia em que a Igreja brasileira se dedica à oração e à lembrança dos nossos irmãos perseguidos.

Como minha igreja pode participar do DIP?
O DIP é organizado por voluntários. Cadastre sua igreja e seja um organizador.Agende o dia 7 de junho com seu pastor e ajude a divulgar a causa da Igreja Perseguida.
Esta é uma oportunidade para envolver adultos, jovens, adolescentes e crianças da Igreja brasileira com a Igreja Perseguida. E isso é feito por meio da oração e do relato de histórias e variadas situações vividas por nossos irmãos perseguidos. Muitos recursos estão disponíveis para ajudar a organizar o DIP em sua igreja.
Não deixe para a última hora.
Vamos nos envolver.

Um forte abraço,
Angela Natel On At 05:51

Quer me conhecer, ver por onde viajei, o que meus olhos já viram?
Conheça meu novo blog: OLHOS DE LEOA
http://olhosdeleoa.blogspot.com/
Lá você encontrará as imagens que marcaram minha história e os lugares por onde passei.
Visite, comente, viaje comigo nessa aventura, veja o mundo com olhos de leoa!

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.